• Tel.: (11) 3256-0894 | 0800 - 113140 Whatzap 9 7803-2758
  • Atendimento: 9h00 às 17h00
  • Endereço: Av. Jabaquara, 301 - Sobreloja - Cep 04045-000- Mirandópolis - SP

Cães Terriers

Cães Terriers

  • Fonte: .
  • Data: 25/06/2014

Cães Terriers (Padrão de Raças - Grupo 4)

Esse grupo possui praticamente todas as raças desenvolvidas na Grã-Bretanha e são cães de porte pequeno a médio, especialistas em caçar animais de toca. Por isso mesmo, são muito ativos e não se adaptam bem em espaços pequenos. 
O temperamento forte e determinado é característico desses cães e portanto necessitam de donos enérgicos, capazes de domar esse temperamento. 
Além dos desentocadores, há os Terriers de Arena. Esses resultam de cruzamentos com cães tipo Bull. Apesar de serem combativos com outros cães, são dóceis com o ser humano

 

 

 AIREDALE TERRIER

 

111

 

 

Padrão Oficial do Airedale Terrier

 

Cabeça

Deve ser bem balanceada, com pequena diferença entre o comprimento do crânio e do focinho.

 Crânio

Deve ser longo e plano, não muito largo entre as orelhas e estreitando muito ligeiramente na direção dos olhos. O couro cabeludo deve ser livre de rugas, o stop dificilmente visível e as bochechas niveladas e sem ser cheias.

 Orelhas

Devem ser em forma de “V” com porte para os lados da cabeça, não apontando para os olhos, pequenas mas não fora de proporção com o tamanho do cão. A linha superior da orelha dobrada deve estar acima do nível do crânio.

Focinho

Deve ser profundo, poderoso, forte e musculoso. Deve ser bem cheio diante dos olhos.

 Olhos

Devem ser escuros, pequenos, não proeminentes, plenos de expressão Terrier, agudos e inteligentes.

 Lábios

Devem ser aderentes.

 Nariz

Deve ser preto e não muito pequeno.

 Dentes

Devem ser fortes e brancos, livres de descoloração ou defeito. Mordedura nivelada ou quase. Uma mordedura ligeiramente sobreposta ou em tesoura é permissível sem preferência.

 Pescoço

Deve ser de comprimento e grossura moderados, alargando gradualmente em direção aos ombros. Pele aderente, não solta.

 Ombros e Peito

Ombros longos e bem inclinados para trás. Omoplatas planas. A partir da frente, o peito é profundo mas não largo. A profundidade do peito deve estar aproximadamente nivelada com os cotovelos.

 Corpo

O dorso deve ser curto, forte e nivelado. Costelas bem arqueadas. Lombo musculoso e de boa largura. Deve haver apenas um pequeno espaço entre a última costela e a articulação do ilíaco.

 Parte Traseira

Deve ser forte e musculosa sem inclinação.

 

Cauda

A raiz da cauda deve ser inserida bem alta no dorso. Ela deve ser portada garbosamente, mas sem curvar-se sobre o dorso. Ela deve ter boa força e substância, e ser razoavelmente comprida.

 Pernas Dianteiras

Devem ser perfeitamente retas, com abundância de  músculos e ossos.

 Cotovelos

Devem ser perpendiculares ao corpo, trabalhando  livres dos lados.

 Coxas

Devem ser longas e poderosas com segundas coxas musculosas, joelhos bem angulados, sem virar para dentro nem para fora, jarretes bem descidos e paralelos entre si quando vistos por trás.

 Pés

Devem ser pequenos, redondos e compactos com uma boa profundidade de almofada plantar, com bom molejo; os dedos moderadamente arqueados, sem virar para dentro nem para fora.

 Pelagem

Deve ser dura, densa e ter textura de arame, lisa e rente, cobrindo o cão bem sobre o corpo e as pernas. Algumas das mais duras são encrespadas ou apenas ligeiramente onduladas. Na base do pêlo duro bastante rijo deve haver um crescimento mais curto, de pêlo mais macio denominado subpêlo.

 Cor

A cabeça e as orelhas devem ser canela, as orelhas sendo de uma tonalidade mais escura do que o resto. Marcas escuras em ambos os lados do crânio são permissíveis. As pernas até as coxas e cotovelos e a parte de baixo do corpo e o peito também são canela, e o canela vai frequentemente até o ombro. Os lados e partes superiores do corpo devem ser pretos ou grisalhos. Uma mistura vermelha é geralmente encontrada no preto e não deve ser penalizada. Um pequeno branco queimado no peito é característico de certas linhagens da raça.

 Tamanho

Os machos devem medir aproximadamente 58 cm no ombro; as fêmeas, ligeiramente menos. Ambos os sexos devem ser robustos, bem providos de músculos e ossatura.

 Movimento

O movimento ou ação constitui o teste crucial de conformação. O movimento deve ser livre. Quando vistas de frente, as pernas dianteiras devem se movimentar perpendiculares ao corpo, livres dos lados, os pés separados à mesma distância que os cotovelos. Quando vistas por trás, as pernas traseiras devem ser paralelas entre si, nem muito próximas nem muito separadas, mas colocadas de forma a dar postura e movimento fortes e bem balanceados. Os dedos não devem ser virados para dentro nem para fora.

Defeitos

Olhos amarelos, orelhas de Hound, pés brancos, pelagem macia, muito acima ou muito abaixo do limite de tamanho, prognatismo inferior ou superior, movimento pobre, são defeitos que devem ser severamente penalizados.

 

TABELA DE PONTOS

 

Cabeça.....................................................10

Pescoço, ombros e peito................................10

Corpo......................................................10

Parte traseira e cauda..................................10

Pernas e pés.............................................10

Pelagem...................................................10

Cor........................................................  5

Tamanho..................................................10

Movimento...............................................10

Características gerais e expressão..................15

         Total.................... ....................... 100

 

 

 

 

AMERICAN PIT BULL TERRIER

 

 

 

PADRÃO DA RAÇA AMERICAN PIT BULL TERRIER



HISTÓRICO: Nos idos de 1630 encontramos pela primeira vez referência sobre o termo bulldog que designava os cães usados no “esporte” denominado bull running, onde dois ou mais cases era instigados para atacar e derrubar um boi solto num pasto ou, de vez em quando em arenas fechadas. Por ser considerado muito perigoso para o público, este esporte foi substituído por outro tão ou mais cruel, o bull baiting , onde o boi ficava amarrado e os cães rastejava em sua direção. O boi se defendia tentando enfiar os chifres em baixo do cão, para joga-lo bem alto, para que se machucasse na aterrissagem; o cão, por sua vez, tentava agarrar as narinas do boi, considerado o lugar mais sensível e, quando conseguia, não largava mais, sendo necessário enfiar-se uma cunha afiada na boca do cão para abri-la, ou cortar-se pedaço das narinas do boi.

Em 1835, na Inglaterra, todas as brigas de animais foram proibidas, o que fez  co que as brigas só de cães ganhassem grande impulso, porque, necessitando de menor espaço, era mais fácil  realiza-las clandestinamente. A proibição também provocou queda no preço de comercialização dos bulldogs, forçando seus proprietários, normalmente da classe média e da classe alta, a se dedicar a criação de cães de exposição.

No começo do século XIX, para obter cães de briga mais ágeis que eram usados nas rinhas contra ratos, gambás e até macacos, criadores ingleses resolveram cruzar os bulldogs com os terriers, cujo resultado foi chamado de bull and terrier. Para os EUA foram levados tanto o bulldog quanto o bull and terrier que, inevitavelmente passaram a cruzar entre eles.

Em 1898 foi fundado o United Kennel Club (UKC), que começou a registrar o bulldog de briga com o nome de pit bull terrier , também conhecido por vários outros nomes, tais como yankee terrier, bulldog pit bull dog,dog, pit dog, american bull terrier, staffordshire terrier. O fundador do UKC, Mr. C.Z.Bennet efetuou, em 1898, o primeiro registro desta raça, o animal de sua propriedade Bennet’s Ring.

No final da década de 1920, um grupo de criadores achou que a raça poderia ganhar mais popularidade e aceitação como cão de exposição. Por isso começaram a tentar o reconhecimento da raça na outra entidade americana, o American Kennel Club (AKC), que, ao contrário do UKC, naquela época já se dedicava e organizava exposições de beleza com reconhecimento internacional. Somente em 1936 a raça foi reconhecida pelo AKC, mas os cães lá registrados não podiam ser usados em rinhas. O nome também teve que ser mudado e a raça passou a ser chamada de american staffordshire terrier. Como modelo para o padrão oficial desta raça foi usado um  pit bull de criador John Prichard Colby.

Durante muitos anos não havia diferença entre as duas raças: o mesmo cão era registrado numa entidade como american pit bull terrier  e na outra como american staffordshire terrier.. Com o passar do tempo e exigências de criação, embora ainda muito pequenas, foram estabelecidas algumas diferenças entre as raças AST e o APBT, que permanecem até hoje.

PAIS DE ORIGEM:  Estados Unidos da América.

APARÊNCIA GERAL: O APTB é um cão de porte médio, com uma constituição física bem sólida e musculatura bem definida, demonstrando se poderosa e atlética. O corpo deve ter o comprimento da cernelha ao chão igual ao comprimento da cernelha à ponta do ísquio. As fêmeas podem ser um pouco mais longas. Deve aparentar muita força para seu tamanho. O comprimento dos anteriores medido da ponta do cotovelo ao chão é aproximadamente igual à metade da altura do cão medida da cernelha ao chão.

Peito profundo até a altura dos cotovelos e largo o suficiente para manter os cotovelos junto ao corpo e os aprumos dianteiros perfeitamente perpendiculares. Não deve parecer pernalta ou atarracado.

Cabeça de tamanho médio, bem seca, sem rugas ou pele solta, com o crânio largo e plano e focinho largo e profundo. Vista de lado as linhas superiores do focinho e do crânio são retas e paralelas, separadas por u stop bem definido.

Orelhas de inserção alta podendo ser amputadas ou não.

Cauda grossa na raiz e afinando para a ponta, de inserção da continuação da linha do dorso, portada baixa e de comprimento até a ponta do jarrete.

Pelagem lustrosa e curta, admitindo-se várias cores e marcações.

Além destes atributos o APBT deve possuir refinamento, porte e dignidade, sendo considerados desvios graves os machos efeminados e as fêmeas masculinizadas.

CARACTERÍSTICAS: A característica essencial do APBT é a impressão de força, aliada ao porte musculoso e atlético. É um cão robusto tanto física como psiquicamente que se adapta muito bem a situações desconhecidas. Um bom APBT não é nervoso, nem agressivo, nem anti-social. É um excelente companheiro para a família, sendo muito notada a sua devoção com as crianças. Embora persistente e determinado, é um cão que costuma trabalhar junto com seu dono, de quem depende muito, característica esta que não faz do APBT um cão de guarda que deve ser bastante independente e agir por conta própria. Por ser um cão muito sensível, requer um dono capaz de socializa-lo e treinar sua obediência com carinho e compreensão.

A agilidade natural da raça, sua determinação, sua inteligência, sua intransigência e sua estrutura muscular, fazem com que o APBT tenha sucesso em várias tarefas competitivas, tais como agility, hang time contest (ou “pendura”), weightt pulling (“ou prova de tração”), escalada (em árvores, principalmente) e cabo de guerra, entre outras.

O comportamento agressivo com os humanos não é característico da raça e é altamente indesejável devendo ser coibido com veemência. A agressividade com outros cães só é aceitável se o cão for ameaçado, instigado, atiçado ou provocado.

CABEÇA: A cabeça do APBT é única e elemento característico da raça. É de tamanho médio, larga, dando a impressão de grande poder. É de tamanho médio, larga, dando a impressão de grande poder. É bem esculpida, misturando força e elegância, seca sem pele solta, sem ser desproporcional ao tamanho do corpo. Vista de frente o seu formato é de uma cunha larga; vista de lado as linhas superiores do crânio corresponde a 3/5 e o do focinho a 2/5 do comprimento total da cabeça, medido da ponta da trufa o occipital. Arco supra-orbital é definido, mas não pronunciado.

CRÂNIO: é grande e plano, achatado no topo e ligeiramente mais largo entre as orelhas, com occipital pouco proeminente. Visto de cima aparenta um tronco de cone reduzindo suavemente sua largura na direção do stop. Possui um sulco médio relativamente marcado, que diminui sua profundidade à medida que se aproxima do occipital, onde acaba praticamente imperceptível. Os músculos da face são proeminentes e livres de rugas.Quando o cão está concentrado formam-se rugas na testa, que dão ao APBT uma expressão única de vivacidade e atenção.

FALTAS GRAVES: crânio arredondado ou de maçã; ausência de stop; falta de paralelismo crânio/focinho; pele solta; rugas em excesso.

FOCINHO: é largo e profundo, com uma ligeira conicidade a partir do stop em direção ao nariz, e uma suave caída abaixo dos olhos. O comprimento do focinho, medido da ponta da trufa ao stop, é menor que o comprimento do crânio, medido do stop ao occipital, numa relação aproximada de 2:3. A linha superior é reta, a mandíbula inferior é bem desenvolvida, ampla e profunda. Os lábios devem ser secos e bem aderentes, sem apresentar frouxidão.

FALTAS GRAVES: focinho pontudo (snippy), romano (roman nose) ou de prato (dish  plate); lábios frouxos; mandíbula inferior fraca (pouco queixo).

DENTES: dentição completa e bem nivelada, com mordedura em tesoura.

FALTAS: ausência de dentes (não se aplica a dentes comprovadamente retirados por um Medico Veterinário); dentes desalinhados.

FALTAS GRAVES: mordedura em torquês; torção de mandíbula.

DESQUALIFICAÇÕES: prognatismo e retrognatismo.

NARIZ (Trufa): grande, com cavidades nasais bem abertas. Todas as cores são aceitas para a trufa, sendo o nariz cor de carne chamado de “red nose” o que não caracteriza uma variedade da raça.

FALTAS GRAVES: nariz despigmentado; nariz com manchas; nariz  rachado.

OLHOS: de tamanho moderado, com formato indo do arredondado ao amendoado, de inserção baixa e colocados bem separados. Todas as cores são igualmente aceitas, exceto o azul, mas devem ser o mais escuro possível e de adequar à cor da pelagem e marcações.

FALTAS GRAVES: olhos salientes ou saltados; terceira pálpebra visível.

DESQUALIFICAÇÕES: olhos azuis ou louçados; olhos de cores diferentes.

ORELHAS:  de pontas arredondadas, estreitas e lisas, de inserção alta, curtas e portadas lateralmente. A base é dobrada sobre seu eixo, fazendo uma flexão ao comprido, havendo outra dobradura no sentido transversal, um pouco adiante da primeira (na altura do primeiro terço). As dobras internas são dirigidas para trás e a borda superior curvada para fora e para trás, deixando a mostra uma parte considerável do interior do lóbulo. Quando em atenção somente o primeiro terço se eleva e o restante do curo pende inerte para os lados e para fora. A orelha em rosa é uma característica ancestral da raça. Admitem-se orelhas operadas, que devem ser mantidas eretas. No entanto, se na criação quisermos evitar as orelhas caídas, que são atípicas, o corte atrapalha a seleção, porque não se pode ver o tipo de orelha que o  provável exemplar reprodutor realmente tem e que pode transmitir a seus descendentes.

FALTAS GRAVES: orelhas caídas; orelhas naturalmente retas ou achatadas.

PESCOÇO: de comprimento médio, musculoso, ligeiramente arqueado e alargando gradualmente a partir da ba se do crânio até a junção com os ombros. A pele na garganta é aderente sem formação de barbelas.

FALTAS: pescoço curto e grosso, fino ou fraco: pescoço de ovelha ou muito arqueado; barbelas.

MEMBROS ANTERIORES: as escápulas são longas e largas, os ombros musculosos e colocados bem atrás. O comprimento do úmero é aproximadamente igual ao da escápula e se junta a esta num ângulo aparentemente reto. Os braços são fortes e musculosos. Os cotovelos se posicionam junto ao corpo e distantes do chão numa distância igual à metade da altura do cão na cernelha. Vistas de frente os anteriores estão colocados moderadamente separados e perpendiculares ao chão. Metacarpos curtos, poderosos, retos e flexíveis e, quando vistos de lado, estão quase na vertical.

FALTAS: ombros soltos, pesados ou carregados; cotovelos virados para fora ou para dentro;metacarpos cedidos e arriados; pernas arqueadas; pisando para fora ou para dentro; mão francesa.

CORPO:  PEITO profundo alcançando os cotovelos, bem cheio e moderadamente largo, com bastante espaço para pulmões e coração. Não deve nunca ser mais largo do que profundo. O esterno é pouco proeminente, não devendo se estender muito além da ponta do ombro. COSTELAS bem arqueadas e estendendo-se bem para trás, achatando-se na parte inferior da caixa torácica para formar a profundidade do peito.  DORSO largo, musculoso, forte e firme, praticamente paralelo ao chão, com linha superior ligeiramente descendente da cernelha para a garupa.  LOMBO curto e musculoso mais estreito do que a região das costelas, ligeiramente arqueado e descendente em direção à garupa.  VENTRE  moderadamente recolhido (pouco esgalgado) e firme.  GARUPA arredondada, forte e de largura em harmonia com o resto do corpo.

FALTAS: peito pouco profundo; peito estreito; costelas chatas ou em barril; dorso fraco ou acentuadamente descendente da cernelha para a garupa; dorso oscilante quando em movimentação; dorso selado ou carpeado; muito esgalgado; garupa caída, cedida ou reta.

MEMBROS POSTERIORES: devem ser fortes, musculosos e moderadamente largos. As ANCAS  são bem cheias em ambos os lados da cauda e com boa profundidade.  OSSOS e ANGULAÇÕES devem estar bem balanceados com os anteriores.  JARRETES curtos, descidos e firmes, paralelos entre si, quando visto de trás, sem virar as pontas nem para dentro , nem para fora.   COCHAS longas, grossas e bem desenvolvidas,  MÚSCULOS visíveis,  TARSOS curtos e praticamente verticais em relação ao chão.

FALTAS: posteriores estreitos, rasos ou arqueados; músculos não visíveis; pouca ou excessiva angulação de joelho; jarrete em foice; tarsos cedidos.

PÉS: devem ser redondos, bem arqueados e compactos, e proporcionais ao tamanho do cão; Almofadas plantares rígidas e espessas.

FALTAS: pés espalmados; pés de lebre; pés de gato; almofadas plantares rasas e fracas; dedos abertos ou sem curvatura.

CAUDA:  deve ser implantada como uma continuação natural da linha do dorso. Grossa na raiz  e afinando em direção à ponta. Comprimento máximo até os jarretes. Em situação normal ou quando o cão estiver relaxado, a cauda é portada baixa. Quando o cão estiver se movimentando, a cauda deverá estar preferivelmente na mesma linha do dorso. Quando o cão estive excitado, a cauda poderá estar mais levantada, mas jamais se curvando em direção ao dorso. Não deve ser cortada ou operada.

FALTAS GRAVES: cauda ultrapassando a ponta do jarrete; de inserção muito baixa; cauda retorcida ou em gancho.

DESQUALIFICAÇÕES: cauda dobrada, portada em curva acentuada ou deitada sobre o dorso; cauda amputada (total ou parcialmente) ou inexistente (bobbed tail)

PELAGEM: é curta, lisa e brilhante, bem aderente ao corpo e moderadamente dura ao toque. Qualquer cor, marcações ou combinações são aceitáveis.

FALTAS: pelagem rala, ondulada ou encrespada.

DESQUALIFICAÇÕES: pelagem longa.

PESO E ALTURA: o mais importante na análise da raça APBT é a correta proporcionalidade entre peso e altura, uma vez que se trata de animais musculosos e de muita agilidade. No entanto, é desejável para um macho adulto e em boas condições uma altura máxima na cernelha de 55 cm e um peso máximo de 30 kg. Para as fêmeas adultas e também em boas condições, é desejável uma altura máxima de 50cm e um peso máximo de 25 kg. Cães excedendo estes limites não serão penalizados a menos que sejam desproporcionalmente massudos, atarracados ou esguios.

FALTAS GRAVES: machos com aparência de fêmeas; fêmeas com aparência de machos.

MOVIMENTAÇÃO: o APBT se movimenta com uma atitude de confiança e determinação, transmitindo a impressão de estar esperando vislumbras, a qualquer instante, algo novo e excitante. Quando trota, o passo é sem esforço, suave, poderoso e bem coordenado, com bom alcance e boa propulsão. Na movimentação, a linha superior do dorso deve manter-se firme e praticamente paralela ao solo, sem apresentar flacidez ou oscilação lateral. Visto de qualquer posição, as pernas não devem girar para dentro ou para fora, nem cruzar ou interferir uma com a outra. Com o aumento da velocidade, a tendência natural é os pés se aproximarem da linha central do deslocamento, para compensar a alteração de posição do centro de gravidade.

FALTAS: pernas que não se movimentam no mesmo plano; sobrepasso; cruzamento anterior ou posterior; pernas muito próximas ou que se toquem; elevação excessiva dos anteriores; ação de hackney;  andar de lado (caranguejo); passo curto ou picado; dorso flácido ou oscilante.

DESQUALIFICAÇÕES: Além das desqualificações gerais, tais como mono ou criptorquidismo, cegueira, surdez, albinismo, etc. as seguintes desqualificações específicas da raça:

-Prognatismo ou retrognatismo;

-Olhos azuis ou louçados; olhos de cores diferentes;

-Cauda dobrada, portada em curva acentuada ou deitada sobre o dorso.

-Cauda amputada (total ou parcialmente) ou inexistente (bobbed tail);

-Pelagem longa

OBS: Entende-se como desqualificações às faltas, anomalias ou defeitos previstos no padrão da raça, que provocam o afastamento definitivo do exemplar das pistas de julgamento e desaconselham sua utilização na criação e reprodução.

DESCLASSIFICAÇÕES:

-Qualquer cão que morder ou tentar morder o Árbitro, o apresentador ou qualquer pessoa presente na pista.

-Qualquer cão que agredir ou tentar agredir outro animal sem motivo justificável.

-Qualquer cão com feridas ou mancando.

-Fêmeas em adiantado estado de gestação.

-Cães apresentando qualquer tipo de doença ou erupções na pele serão apresentados ao veterinário para exame e, se assim for decidido, devem ser afastados da exposição.

 

1ª OBS: Entende-se como desclassificação como uma penalização temporária, que afasta o exemplar apenas da pista de julgamento onde ela ocorreu.

2ª OBS: As desclassificações devem ser explicitadas na Planilha de Julgamento.

3ª OBS: Qualquer cão que for desclassificado 03 vezes por agressão quer contra pessoas, quer contra outro cão, estará definitivamente proibido de se apresentar em exposições da ACB.

4ª OBS: Embora seja sempre indesejável, pode ser esperada alguma agressividade de um APBT, razão pela qual se recomenda que os apresentadores sejam capazes de controlar o temperamento do cão e que tenham força suficiente para conter e subjugar o animal no local de exposição.  O Árbitro, se julgar que um apresentador não preenche os requisitos anteriormente descritos, pode solicitar sua substituição ou, na impossibilidade disto, retirar o animal de pista, para garantir a integridade física de todos.

 

 

 

AMERICAN STAFFORDSHIRE TERRIER

 

 

 

PADRÃO OFICIAL DO AMERICAN

STAFFORDSHIRE TERRIER

 

IMPRESSÃO GERAL

O American Staffordshire Terrier deve dar a impressão de um cão bem proporcionado, com grande força para o seu tamanho, musculoso mas ágil e gracioso, agudamente atento ao seu meio-ambiente. Ele deve ser atarracado, nem pernalta nem leve. Sua coragem é proverbial.

 CABEÇA

Comprimento médio, profunda, crânio largo, músculos das bochechas muito pronunciados, stop nítido; orelhas inseridas altas.

 ORELHAS

Cortadas ou não cortadas, sendo preferíveis estas últimas. As orelhas não cortadas devem ser curtas e mantidas semi-erguidas ou eretas. Plenamente caídas devem ser penalizadas.

 OLHOS

Escuros e redondos, inseridos baixo no crânio e bem separados. Sem pálpebras cor-de-rosa.

 FOCINHO

Comprimento médio, arredondado no lado de cima e caindo abruptamente abaixo dos olhos. Maxilares bem definidos. O maxilar inferior deve ser forte e com  mordedura possante. Lábios rentes e uniformes, sem frouxidão. Os dentes superiores devem encontrar apertadamente o lado de fora dos dentes inferiores da frente (tesoura). Nariz definitivamente preto.

 PESCOÇO

Pesado, ligeiramente arqueado, afinando dos ombros à traseira do crânio. Nenhuma pele solta. Comprimento médio.

OMBROS

Fortes e musculosos com omoplatas grandes e inclinadas.

DORSO

Razoavelmente curto, inclinado ligeiramente da cernelha à garupa, com uma inclinação curta e suave da garupa para a base da cauda. Flanco ligeiramente esgalgado.

CORPO

Costelas bem arqueadas, as últimas bem profundas. Todas as costelas fecham juntas. As pernas dianteiras são colocadas bem separadas para permitir o desenvolvimento do peito. Peito  profundo e largo.

CAUDA

Curta em comparação com o tamanho do cão, inserida baixa, afinando na ponta; nem enrolada nem mantida acima do dorso. Não cortada.

PERNAS

As pernas dianteiras devem ser retas, com ossos grandes ou redondos, metacarpos retos. Sem sugestão de arqueamento na frente. Parte traseira bem musculosa, jarretes descidos, sem virar para dentro nem para fora. Pés de tamanho moderado, bem arqueados e compactos. O movimento deve ser elástico mas sem gingas ou andar a passo de camelo.

PELAGEM

Curta, aderente, dura ao toque e brilhante.

COR

Qualquer cor, sólida, particolor ou  malhada é permissível, mas todo branco, mais de 80% branco, preto e canela e fígado, não devem ser encorajados.

TAMANHO

A altura e o peso devem ser proporcionais. Uma altura de cerca de 46 a 48 cm nos ombros para o macho e de 43 a 46 cm para a fêmea deve ser considerada preferível.

DEFEITOS

Defeitos a serem penalizados são: nariz cor de carne, olhos claros ou pequenos, cauda muito longa ou mal portada, prognatismo inferior ou superior.

 

 

AUSTRALIAN TERRIER

 

 

 PADRÃO OFICIAL DO AUSTRALIAN TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL

Terrier pequeno, robusto, de pelagem áspera, muito vivo e auto-suficiente.

CABEÇA

Longa, de crânio plano e cheia entre os olhos, com stop moderado. O focinho não é mais comprido que a distância dos olhos ao occipital. Mandíbulas longas e poderosas, dentes de bom tamanho, mordedura em tesoura, embora uma mordedura nivelada seja aceitável.

NARIZ

Preto.

ORELHAS

Inseridas altas no crânio e bem separadas. Elas são pequenas e eretas, terminando em ponta ou ligeiramente arredondadas e livres de pêlos compridos.

OLHOS

Pequenos, escuros e de expressão atenta; não proeminentes. Olhos de cores claras e salientes são defeituosos.

PESCOÇO

Tende a ser longo, afinando em direção a ombros inclinados, bem guarnecido de pêlos, formando um colar protetor.

CORPO

Baixo e ligeiramente mais comprido da cernelha à raiz da cauda do que da cernelha ao chão.

PEITO

Largura média, profundo, com costelas bem arqueadas mas não redondas. Linha superior nivelada.

CAUDA

Inserida alta e portada ereta mas não muito alegre, cortada deixando dois quintos.

PERNAS E PÉS

Pernas dianteiras retas e ligeiramente franjadas até o carpo ou a assim chamada articulação; elas são inseridas bem sob o corpo, com cotovelos rentes e metacarpos fortes. Parte traseira forte e bem musculosa não pesada; pernas moderadamente anguladas nos joelhos e jarretes, com jarretes bem descidos. Ossatura de tamanho médio. Os pés são pequenos, limpos e como dos gatos, os dedos arqueados e compactos, bem providos de almofadas plantares e livres de pêlos longos. Unhas fortes e pretas.

PELAGEM

Pelagem externa áspera e reta, cobrindo todo o corpo em cerca de 6 cm. Subpêlo curto e macio. O topete, que cobre apenas a parte superior do crânio, é de textura mais fina e cor mais clara que a pelagem do corpo.

COR

Pode ser azul-preto ou prateado, com marcas vivas na cabeça e pernas, areia ou vermelho claro. O azul-preto é azulado nas raizes e escuro nas pontas. Nos prateado-pretos cada pêlo leva preto e prateado, alternando com preto nas pontas. O canela é vivo e profundo, quanto mais vivo melhor. Nos areia, qualquer sugestão de manchado é indesejável.

MOVIMENTO

Reto e bem seguro; vivo, indicando animação e segurança.

TEMPERAMENTO

O de um Terrier obstinado, com a agressividade de um rateiro natural e caçador, mas como companheiro, amistoso, afeiçoado e obediente.

TAMANHO

A altura no ombro é de cerca de 25 cm. Peso médio de 5 a 6 Kg.

 

 

BEDLINGTON TERRIER

 

 

 Padrão Oficial do Bedlington Terrier

 

Aparência Geral

Um cão gracioso, flexível e bem balanceado sem  sinal de grosseria, fraqueza ou leveza. Em repouso, a expressão é mansa e suave, nem tímida nem nervosa. Excitado, o cão torna-se particularmente atento e cheio de imensa energia e coragem. Notável por sua resistência, o Bedlington também galopa à grande velocidade, como mostra claramente o contorno de seu corpo.

Cabeça

Estreita, mas profunda e arredondada. Mais curta no crânio e mais comprida nos maxilares. Coberta por um profuso topete cuja cor é mais clara que a do corpo, mais alto na parte superior do crânio e afinando gradualmente até  atrás do nariz. Não deve haver stop e a linha ininterrupta da abóbada ao fim do nariz revela uma cabeça esguia sem qualquer evidência de afilamento ou grosseria. Os lábios são pretos nos cães azuis e canela, e marrom em todos os de outras cores sólidas e bicolores.

Olhos

Formato amendoado, pequenos, brilhantes e bem profundos sem nenhuma tendência a ser lacrimosos. Inseridos obliquamente e relativamente altos na cabeça. Cães azuis têm olhos escuros; os azuis e canela, menos escuros com âmbar claro; areia e areia e canela castanho claro; fígado, fígado e canela, ligeiramente mais escuros. As bordas dos olhos são pretas nos azuis, e azuis e canela, e marrom em todas as outras cores sólidas e bicolores.

Orelhas

Triangulares com pontas arredondadas. Inseridas baixas e caídas rentes às bochechas na frente com uma ligeira projeção na base. O ponto de maior largura mede aproximadamente 7 cm. As pontas das orelhas alcançam os cantos da boca. Finas e aveludadas em textura, cobertas com pêlo fino formando uma pequena borla sedosa na ponta.

Nariz

Narinas grandes e bem definidas. Cães azuis e azul e canela têm nariz preto. Os de cor fígado, fígado e canela, areia, e areia e canela têm nariz marrom.

Maxilares

Longos e afinados gradativamente. Focinho forte  bem cheio sob os olhos. Lábios aderentes, não pendentes.

Dentes

Grandes, fortes e brancos. Mordedura nivelada ou de tesoura. Os caninos inferiores seguram a superfície externa da gengiva superior bem em frente dos caninos superiores. Os premolares e molares superiores ficam do lado de fora do maxilar inferior.

Pescoço e Ombros

Pescoço longo e afilado, sem barbelas, profundo na base e subindo bem dos ombros que são planos e inclinados sem excessiva musculatura. A cabeça é portada alta.

 

Corpo

Musculoso e acentuadamente flexível. Peito profundo. Com costelas planas e profundas através da caixa toráxica, que alcança os cotovelos. O dorso tem um bom arco natural sobre o lombo, criando um esgalgamento definido na linha inferior. O corpo é ligeiramente maior em comprimento do que em altura. As pernas bem musculosas também são finas e graciosas.

 

Pernas e Pés

Flexíveis e musculosas. As pernas traseiras são mais longas que as pernas dianteiras, que são retas e mais separadas no peito que nos pés. Os metacarpos são ligeiramente angulados, longos e inclinados sem aparentar fraqueza. Joelhos bem angulados. Jarretes fortes e bem descidos, sem desvio para dentro nem para fora. Pés de lebre longos com almofadas plantares grossas, bem fechadas e macias. Quintos-dedos devem ser removidos.

 

Pelagem

Uma mistura bem distinta de pêlo duro e macio implantados bem armados da pele. Àspero ao toque mas sem textura de arame, tendo uma tendência a enrolar, especialmente na cabeça e no focinho. Quando trimado para exposição, o corte não deve exceder 2,5 cm no corpo: o pêlo nas pernas é ligeiramente mais comprido.

 Cauda

Inserida baixa, em forma de cimitarra, grossa na raiz e afinando para a ponta, que alcança o jarrete. Não é portada sobre o dorso nem entre as pernas.

 Cor

Azul, areia, fígado, azul e canela, areia e canela, fígado e canela. Nos bicolores as marcas canela são encontradas nas pernas, peito, sob a cauda, do lado de dentro das pernas traseiras e sobre cada olho.

O topete de todos os adultos deve ser de cor mais clara que o corpo. Trechos de pêlo mais escuro devido a uma lesão não são penalizáveis, pois são apenas temporários. Pigmentação do corpo mais escura deve ser encorajada, entre todas as outras cores.

 Altura

O Bedlington Terrier preferido mede 42 cm na cernelha, a fêmea 39,5 cm. Abaixo de 40 ou acima de 44.5 cm para machos e abaixo de 38 ou acima de 42 cm para fêmeas são medidas que constituem defeitos sérios. Pode-se ter maior benevolência apenas quando a superioridade comparativa de um exemplar, acima dessas medidas, claramente o justifica.

 Peso

Deve ser proporcional à altura dentro dos limites de 8 a 10 Kg.

 Movimento

Leveza única de movimentos. Flexível nos passos mais lentos nem afetado nem “hackney”. Não deve cruzar, ondular, nem remar.

 

 

Border Terrier

 

 

 

 Padrão Oficial do Border Terrier

 

O Border é um Terrier com uma construção e conformação ideal para trabalhar em terra e seguir cavalos. Nenhum desvio desta conformação ideal deve ser permitido, pois prejudicaria sua utilidade em seguir sua presa dentro da terra e capturá-la. Para este trabalho ele deve ser atento, ativo e ágil, e capaz de espremer-se através qualquer tipo de terreno. Sua cabeça, “como a de uma lontra”, é peculiar e seu temperamento identifica idealmente o do Terrier. Por natureza, ele é bem-humorado, afeiçoado, obediente e facilmente treinável. No campo ele é duro, corajoso e violento no ataque à presa. Deve ser o objetivo dos criadores do Border Terrier evitar uma ênfase excessiva em qualquer ponto do padrão, pois isto pode levar a um desbalanceamento exagerado.

 Aparência Geral

Ele é um Terrier ativo de ossatura média, fortemente compacto, sugerindo resistência e agilidade, mas estreito no ombro, corpo e pernas. O corpo é coberto com uma jaqueta um tanto partida embora bem aderente e com intensas textura de arame. A cabeça característica “otter”, com seu olhar agudo, combinada a uma postura corporal que é “de alerta”, confere um aspecto de determinação temerária e implacável, característica da raça. As proporções devem ser de que a altura na cernelha é ligeiramente maior do que a distância da cernelha à cauda, isto é, por possivelmente 2,5 - 4 cm num cão 6,5 Kg.

 Peso

Machos, 6 a 7 Kg; fêmeas, 5 a 6,5 Kg. são pesos apropriados para Border Terriers em duras condições de trabalho.

 Cabeça

Similar a de uma lontra. Moderadamente larga e de crânio plano com bastante largura entre os olhos e entre as orelhas. Uma curva ligeira, moderadamente larga no stop mais do que uma entrada pronunciada. Bochechas ligeiramente cheias.

 Orelhas

Pequenas, em forma de “V” e de grossura moderada, de preferência escuras. Sem ser inseridas altas na cabeça, mas um tanto de lado, e caindo para a frente às bochechas. Elas não devem quebrar acima do nível do crânio.

 Olhos

Castanho escuros e cheios de vivacidade e inteligência. De tamanho moderado, nem proeminentes nem pequenos, redondos e brilhantes.

 Focinho

Curto e “bem cheio”. Um focinho escuro é característico e desejável. Bigodes curtos são naturais à raça.

 Dentes

Fortes, com uma moderdura em tesoura, grandes em proporção ao tamanho do cão.

 Nariz

Preto, e de bom tamanho.

 Pescoço

Limpo, musculoso e comprido apenas o suficiente para dar uma aparência bem balanceada. Ele deve alargar gradualmente em direção aos ombros.

 Ombros

Bem caídos para trás e de bom comprimento, as omoplatas convergindo à cernelha gradualmente de uma caixa toráxica não excessivamente profunda nem estreita.

 Pernas Dianteiras

Retas, de ossatura não pesada e colocadas ligeiramente mais separadas que as do Fox Terrier.

 Pés

Pequenos e compactos. Os dedos devem apontar para a frente e ser moderadamente arqueados com almofadas plantares grossas.

 Corpo

Profundo, razoavelmente estreito e de comprimento suficiente para evitar qualquer sugestão de falta de extensão e de agilidade. Costelas profundas estendendo-se bem para trás e sem arqueamento excessivo, em vista da profundidade e estreiteza desejadas do corpo. O corpo deve ser espalmado por uma mão de homem atrás dos ombros. Dorso forte mas flexível lateralmente, sem suspeita de um declive atrás do ombro. Lombo forte e inferior razoavelmente reto.

 Cauda

Moderadamente curta, grossa na base, e em  seguida afinando progressivamente, sem ser inserida muito alta. Portada alegremente quando o cão está atento, mas nunca acima do dorso. Quando em repouso, um Border pode deixar cair sua cauda.

 Parte Traseira

Musculosa e vigorosa, com coxas longas e bem modeladas. Joelhos bem angulados e jarretes bem descidos. 

 Pelagem

Um subpêlo curto e denso coberto por uma pelagem de forte textura de arame e um tanto quebrada que deve ficar rente, mas não deve mostrar nenhuma tendência a enrolar ou ondular. Com tal pelagem, um Border deve ser capaz de ser exibido quase em seu estado natural, não havendo necessidade de “trimming”algum a não ser um acerto na pelagem da cabeça, pescoço e pés.

 Couro

Muito espesso e solto.

 Movimento

Reto e rítmico na frente e atrás, com bom comprimento de passada e flexionamento de joelho e jarrete. O cão deve responder ao seu apresentador com um movimento livre, ágil e rápido.

 Cor

Vermelho, cinzento e canela, azul e canela, ou trigo. Uma pequena quantidade de branco pode ser permitida no peito mas branco nos pés deve ser penalizado.

 

TABELA DE PONTOS

 

Cabeça, orelhas, pescoço e dentes.............20 

Pernas e  pés..............................................15

Pelagem e pele...........................................10 

Ombros e peito..........................................10

Olhos e expressão......................................10

Dorso e lombo...........................................10

Parte traseira.............................................10

Cauda........................................................ .5

Aparência geral.........................................10

Total..........................................  100

 

 

 BULL TERRIER

 

 PADRÃO OFICIAL DO BULL TERRIER

 

BRANCO

O Bull Terrier deve ser fortemente construído, musculoso, simétrico e ativo, com uma expressão viva, determinada e inteligente. Fogoso mas com disposição dócil e apto à disciplina.

CABEÇA

Deve ser longa, forte e profunda até o final do focinho, mas não grosseira. A cabeça cheia deve ter contorno oval e ser completamente cheia, dando a impressão de volume com uma superfície sem depressões ou reentrâncias, isto é, em formato de ovo. De perfil, a cabeça deve inclinar-se suavemente para baixo, do topo do crânio à ponta do nariz. O crânio deve ser plano de orelha a orelha. A distância da ponta do nariz aos olhos deve ser perceptivelmente maior do que dos olhos ao topo do crânio. O maxilar inferior deve ser profundo e bem definido.

LÁBIOS

Devem ser limpos e aderentes.

DENTES

Devem se encontrar numa mordedura nivelada ou em tesoura. Na mordedura em tesoura os dentes superiores devem se encaixar em frente e rentes contra os dentes inferiores, e devem ser sadios, fortes e perfeitamente regulares.

ORELHAS

Devem ser pequenas, finas e inseridas próximas. Elas devem ser capazes de se manter rigidamente eretas quando apontam para cima.

OLHOS

Devem ser profundos e o mais escuros possível, com um olhar penetrante. Devem ser pequenos, triangulares e inseridos obliquamente, ficando bem próximos e altos na cabeça do cão. Olhos azuis são uma desqualificação.

NARIZ

Deve ser preto, com narinas bem desenvolvidas,   inclinado para baixo na ponta.

PESCOÇO

Deve ser bastante musculoso, longo, arqueado e limpo, afinando dos ombros para a cabeça. Deve ser livre de pele solta.

PEITO

Deve ser largo quando visto de frente, e deve haver grande profundidade da cernelha à caixa toráxica, de forma que esta última fique mais  próxima do chão que o ventre.

CORPO

Deve ser bem arredondado com arqueamento acentuado das costelas; o dorso deve ser curto e forte. As costelas de trás profundas. Ligeiramente arqueado sobre o lombo. Os ombros devem ser fortes e musculosos mas sem peso. As omoplatas devem ser largas e planas e deve haver uma inclinação para trás bem pronunciada da borda de baixo da omoplata para a coroa. Atrás dos ombros não deve haver afrouxamento ou depressão na cernelha. A linha de baixo da caixa toráxica à barriga deve formar uma graciosa curva ascendente.

PERNAS

Devem ser de boa ossatura mas não a ponto de serem grosseiras; as pernas dianteiras devem ser de comprimento moderado, perfeitamente retas, e o cão deve se postar firme sobre elas.

Os cotovelos não devem virar para dentro nem para fora, e os metacarpos devem ser fortes e retos. As pernas traseiras devem ser paralelas vistas por trás. As coxas muito musculosas com jarretes bem descidos. Jarretes traseiros curtos e retos. A articulação do joelho deve ser bem angulada com uma segunda coxa bem desenvolvida.

PÉS

Redondos e compactos, com dedos bem arqueados como de um gato.

CAUDA

Deve ser curta, inserida baixa, fina e, idealmente, deve ser portada horizontalmente. Ela deve ser grossa onde se articula ao corpo, e deve afinar em direção à ponta.

 PELAGEM

Deve ser curta, plana, àspera ao toque e brilhante. A pele do cão deve ser aderente.

COR

Branca, embora marcas na cabeça sejam  permissíveis. Qualquer marca em outros lugares da pelagem deve ser severamente penalizada. Pigmentação na pele não deve ser penalizada.

MOVIMENTO

O cão deve se mover suavemente, cobrindo o terreno com passadas livres e fáceis, as pernas traseiras e dianteiras devem se mover paralelas entre si quando vistas de frente ou de trás. As pernas dianteiras têm bom alcance e as pernas traseiras se movem suavemente desde os ilíacos, e flexionam bem nos  joelhos e jarretes. O cão deve se mover compactamente e numa só peça, mas com um ar elegante típico que sugere agilidade e poder.

DEFEITOS

Qualquer desvio dos pontos acima deve ser considerado um defeito e a seriedade do defeito deve estar na proporção exata de seu grau, isto é, uma frente muito torta é um defeito muito grave; uma frente um pouco torta é um defeito menos grave; e uma frente ligeiramente torta é um ligeiro defeito.

DESQUALIFICAÇÃO : Olhos azuis

 COLORIDO

O Padrão para a Variedade Colorida é o mesmo que para a Branca, exceto quanto ao subtítulo COR, que deve ser lido assim: COR - Qualquer outra cor além do branco, ou qualquer cor com marcas brancas. No mais sendo igual, a cor preferida é o malhado. Um cão que é predominantemente branco deve ser desqualificado.

DESQUALIFICAÇÕES:Olhos azuis

Qualquer cão predominantemente branco.  

 

 

DANDIE DINMONT TERRIER

 

 

 PADRÃO OFICIAL  DO DANDIE DINMONT TERRIER

 

CABEÇA

Grande e de constituição forte, sem estar fora de proporção com o tamanho do cão, os músculos mostrando desenvolvimento extraordinário, especialmente os dos maxilares.

CRÂNIO

Largo entre as orelhas, diminuindo gradualmente em direção aos olhos e medindo mais ou menos o mesmo do canto interno do olho à traseira do crânio, e de orelha a orelha. A testa bem em cúpula. A cabeça é coberta com pêlo sedoso muito macio que não deve estar limitado a um mero topete, e quanto mais clara à cor e mais sedoso o pêlo, melhor.

BOCHECHAS

Começando das orelhas proporcionalmente com o crânio, têm um afinamento gradual em direção ao focinho, que é profundo e fortemente constituído, e mede cerca de 7,5 cm de comprimento, ou em proporção ao crânio como 3 está para 5.

FOCINHO

É coberto com pêlo de tonalidade um pouco mais escura que o topete, e da mesma textura do franjamento das pernas dianteiras. A linha superior do focinho é geralmente sem pêlo por cerca de 2,5 cm a partir da parte de trás do nariz, continuando sem pêlo até um ponto na direção dos olhos, formando uma área de cerca de 2,5 cm de largura no nariz. O nariz e a parte interna da boca são pretos ou de cor escura.

DENTES

Muito fortes, especialmente os caninos, que são de tamanho extraordinário para um cão pequeno. Os caninos ficam bem encaixados entre si, de forma a proporcionar o maior poder disponível de fixação e punição. Os incisivos em cada maxilar são uniformemente espaçados e em número de seis, com os incisivos superiores se sobrepondo aos incisivos inferiores numa mordedura em tesoura apertada.

OLHOS

Bem separados, grandes, cheios, redondos, brilhantes, exprimindo grande determinação, inteligência e dignidade; inseridos baixos e proeminentes na frente da cabeça; a cor é um castanho escuro vivo.

ORELHAS

Pendentes, inseridas bem atrás, bem separadas, e baixas no crânio, pendentes rentes às bochechas, com 

uma projeção muito ligeira na base, largas na junção da cabeça e afinando quase para uma ponta, a parte 

dianteira da orelha afinando muito pouco - o afinamento sendo principalmente na parte de trás, a parte dianteira vindo quase direto para baixo a partir de sua junção com a cabeça para a ponta. A cor deve harmonizar com a cor do corpo. No caso de um cão Pimenta, elas são cobertas de um pêlo liso e macio amarronzado ( em alguns casos quase preto). No caso de um cão Mostarda, o pêlo deve ser mostarda, de uma tonalidade mais escura do que no corpo, mas não preto. 

Em todos os casos deve haver uma franja fina de pêlo claro começando cerca de 5 cm da ponta, e quase da mesma cor e textura do topete, o que dá à orelha a aparência de um ponto que se destaca. O animal tem geralmente 1 ou 2 anos de idade antes que o franjamento apareça. A cartilagem e a pele da orelha não devem ser grossas, mas um tanto finas. O comprimento da orelha é de 7,5 a 10 cm.

PESCOÇO

Muito musculoso, bem desenvolvido e forte, mostrando grande poder de resistência, sendo bem inserido nos ombros.

CORPO

Longo, forte e flexível; costelas bem arqueadas e redondas, peito bem desenvolvido e bem descido entre as pernas dianteiras; o dorso relativamente baixo no lombo, tendo uma ligeira curva para baixo e um arco correspondente sobre o ombro, com uma queda gradual muito ligeira do topo do lombo à raiz da cauda; ambos os lados da coluna dorsal bem providos de músculos.

CAUDA

Relativamente curta, entre 20 e 25 cm e coberta no lado de cima com pêlo de textura de arame de cor mais escura que no corpo; o pêlo do lado de baixo sendo de cor mais clara e com menos textura de arame, com boa 

franja de cerca de 5 cm encurtando conforme se aproxima da ponta; relativamente grossa na raiz, ficando mais grossa por cerca de 20 cm, afinando então para uma ponta. Não deve ser torcida ou enrolada de maneira alguma, mas deve levantar-se em curva de cimitarra; a ponta, quando excitada, estando em  linha perpendicular com a raiz da cauda. Não deve ser inserida nem muito baixa nem muito alta. Quando não excitada ela é portada alegremente, e um pouco acima do nível do corpo.

PERNAS

As pernas dianteiras curtas, com imenso desenvolvimento muscular e ósseo, bem separadas,  com o peito descendo bem para baixo entre elas. Os pés bem formados e não chatos, com unhas bem fortes marrom ou de cor escura. Pernas com ossatura curvada e pés chatos são penalizados. O pêlo nas pernas e pés dianteiros de um cão Pimenta deve ser canela, variando de acordo com a cor do corpo de um canela vivo para um castanho pálido; os pêlos de um cão Mostarda são de um tom mais escuro do que na  cabeça que é branca-creme. Em ambas as cores há uma boa franja de cerca de 5 cm de comprimento, de cor relativamente mais clara do que o pêlo na parte dianteira da perna. As pernas traseiras são um pouco mais longas que as dianteiras e são inseridas relativamente separadas mas não exageradamente de uma maneira não natural, enquanto os pés são muito menores; as coxas são bem desenvolvidas e o pêlo da mesma cor e textura que nas pernas dianteiras, mas sem franjamento nem quintos-dedos; as unhas inteiras devem ser escuras; mas as unhas de todos variam em tonalidade de acordo com a cor do corpo do cão.

PELAGEM

Este é um ponto muito importante; o pêlo deve ter cerca de 5 cm de comprimento; o que vai do crânio à raiz da cauda, uma mistura de pêlo macio e àspero, que dá uma sensação tátil de crespo. O pêlo duro deve ter textura de arame; a pelagem é aquela  denominada “pêlo de brocha”. O pêlo da parte de baixo do corpo é mais claro e suave que o do topo. A pele na barriga é de acordo com a cor do cão.

COR

A cor é pimenta ou mostarda. Os Pimenta variam de um preto azulado escuro a um cinza prateado claro, sendo preferíveis as tonalidades intermediárias, a cor do corpo vindo bem para baixo nos ombros e quadris, fundindo-se gradualmente na cor das pernas. Os Mostarda variam de um marrom avermelhado a um castanho pálido, a cabeça sendo de branco-creme, as pernas e pés de uma tonalidade mais escura que a cabeça. As unhas são escuras como nas outras cores.

(Quase todos os Dandie Dinmont Terriers têm algum branco no peito, e alguns têm também unhas brancas).

TAMANHO

A altura deve ser de 20 a 27,5 cm na cernelha. O comprimento da cernelha à raiz da cauda não deve ser mais do que o dobro da altura do cão, mas preferivelmente 2,5 ou 5 cm a menos.

PESO

O peso preferido vai de 8 a 10,5 Kg. Estes pesos são para cães em boas condições de trabalho.

Os valores relativos dos diversos pontos no padrão são conferidos conforme se segue:

 

TABELA DE PONTOS

Cabeça..............................................10

Olhos................................................10

Orelhas.............................................10

Pescoço..............................................5

Corpo...............................................20

Cauda................................................5

Pernas e pés.......................................10

Pelagem.............................................15

Cor....................................................5

Tamanho e peso....................................5

Aparência geral.....................................5

Total...................................100 

 

 

 FOX TERRIER PELO DURO

 

 

 PADRÃO OFICIAL DO FOX TERRIER PÊLO DURO

 

Esta variedade de raça deve se assemelhar ao Tipo Liso em relação a tudo com exceção da pelagem. Quando mais dura e de arame for a textura, melhor. De maneira nenhuma deve o cão parecer ao tato, ser sentido como lanoso; e não haver nenhum pêlo sedoso em lugar algum. A pelagem não deve ser longa, de modo a dar ao cão uma aparência desalinhada, mas, ao mesmo tempo, ela deve mostrar uma diferença acentuada em relação à todas as espécies lisas.

 

FOX TERRIER PELO LISO

 PADRÃO OFICIAL DO FOX TERRIER PÊLO LISO

 

PÊLO LISO

O que se segue deve ser o padrão do Fox Terrier, parcialmente ampliado no sentido de que uma descrição mais completa do Fox Terrier pode ser apresentada. O padrão em si está em tipos comuns, a ampliação em itálicos.

CABEÇA

O crânio deve ser plano e moderadamente estreito, diminuindo gradualmente em largura para os olhos. O stop não deve ser muito aparente, mas deve haver mais concavidade no perfil entre a fronte e o maxilar superior do que é visto no caso do Greyhound. As bochechas não devem ser cheias. As orelhas devem ser em forma de “V” e pequenas, de grossura moderada, e caindo para frente rentes à bochecha, sem ficar pendentes ao lado da cabeça como num Fox-hound. A linha superior da orelha dobrada deve estar bem acima do nível do crânio. Os maxilares, superior e inferior, devem ser fortes e musculosos e de boa força de presa, mas de forma que lembre de algum modo o Greyhound ou o English Terrier moderno. Deve ser relativamente cheio debaixo dos olhos. Esta parte da cabeça deve, contudo, ser moderadamente cinzelada, de forma a não descer numa direta como uma cunha. O nariz, em cuja direção o focinho deve afinar gradualmente, deve ser preto. Deve ser notado que embora o focinho deva afinar gradualmente do olho para o focinho e deva inclinar ligeiramente em sua função com a testa, ele não deve ser em forma de prato ou cair subitamente sob os olhos, onde ele deve ser cheio e bem delineado, mas evitando a cunha por um pequeno cinzelamento delicado. Os olhos e as bordas devem ser de cor escura, moderadamente pequenos e profundos, cheios de vivacidade, vida e inteligência e o mais próximo possível de um formato circular. Qualquer coisa que se aproxime de um olho amarelo é penalizavel. Os dentes devem estar juntos possível, isto é, as pontas dos dentes (incisivos) superiores no lado de fora ou se sobrepondo ligeiramente aos dentes inferiores. Deve haver uma pequena diferença aparente em comprimento entre o crânio e o focinho de uma cabeça bem balanceada.

PESCOÇO

Deve ser limpo e musculoso, sem barbela, de razoável comprimento, e alargando gradualmente para os ombros.

OMBROS

Devem ser longos e inclinados, bem inclinados para trás, finos nas pontas, e claramente marcados na cernelha.

PEITO

Profundo e não largo.

DORSO

Deve ser curto, reto (isto é, nivelado), e forte, sem 

aparência de fraqueza. A caixa toráxica deve ser profunda, embora não exageradamente.

LOMBO

Deve ser muito poderoso, musculoso e muito ligeiramente arqueado. As costelas dianteiras devem ser moderadamente arqueadas, as costelas traseiras profundas e bem arqueadas, e o cão deve ser bem provido de costelas.

PARTE TRASEIRA

Deve ser forte e musculosa, livre de fraqueza ou desvios; as coxas longas e poderosas; joelhos angulados e sem virar para dentro nem para fora; jarretes bem angulados e perto do chão devem ser perfeitamente retos e paralelos entre si quando vistos por trás, o cão se postando bem sobre eles como um Foxhound e não retos nos joelhos. A pior forma  possível de parte traseira consiste de uma segunda coxa curta e um joelho reto.

CAUDA

Deve ser inserida alta a portada alegremente, mas não sobre o dorso ou enrolada. Deve ser bem forte, e algo semelhante a uma cauda em gancho é especialmente penalizável.

PERNAS

As pernas dianteiras vistas de qualquer direção devem ser retas, com osso forte reto para os pés, mostrando pouca ou nenhuma saliência na região dos carpos, e sendo curtas e retas nos metacarpos. Tanto as pernas dianteiras como as traseiras devem ser portadas retas para frente em movimento, os joelhos não virando para fora. Os cotovelos devem se colocar perpendicularmente ao corpo, trabalhando livres nos lados.

PÉS

Devem ser redondos, compactos e não grandes; as solas duras e resistentes; os dedos moderadamente arqueados e sem virar para dentro nem para fora.

PELAGEM

Deve ser lisa, aderente, mas dura, densa e abundante. 

O abdômen e a parte de baixo das coxas não devem ser desguarnecidos.

COR

O branco deve predominar; marcas tigrado, vermelho ou fígado são penalizáveis. Sob outros aspectos este ponto é de pouca ou nenhuma importância.

SIMETRIA, TAMANHO E CARÁTER

O cão deve apresentar uma aparência alegre, viva a ativa; ossos e força concentrados em um pequeno tamanho são essenciais, mas isto não que dizer que um Fox Terrier deva ser atarracado, ou de alguma forma grosseiro - velocidade e resistência devem ser requeridos. O Terrier, como o Hound, não deve de forma alguma ser pernalta, nem de pernas muito curtas. Ele deve postar-se como um caçador sabiamente constituído, cobrindo bastante terreno, embora tenha um dorso curto, como já foi mencionado acima. Ele deve então atingir o maior grau de poder propulsor, junto com a mais longa passada que for compatível com o comprimento de seu corpo. O peso não é um critério apropriado para a função de um Terrier no seu trabalho - formato geral, tamanho e contorno são os pontos principais; e se um cão pode galopar e parar, e pode perseguir sua raposa até exaurí-la, pouco importa qual é seu peso. De acordo com os requisitos atuais, um cão em pleno tamanho e bem balanceado não deve exceder 39 cm na cernelha, sendo a fêmea proporcionalmente mais baixa - nem do comprimento do dorso, da cernelha à raiz da cauda exceder 30 cm, enquanto que para manter as proporções relativas, a cabeça não deve exceder os 18 cm nem ter menos de 17,5 cm. Um cão com estas medidas pode pesar 9 Kg em condições de show - uma fêmea pesando 1 Kg a menos - com uma margem de 0,500 Kg para mais ou para menos.

BALANCEAMENTO

Este pode ser definido como as proporções corretas de um certo ponto, ou pontos, quando considerados em relação a certo outro ponto ou pontos. É a chave da anatomia do Terrier. Os pontos principais para consideração são as proporções relativas do crânio e focinho; cabeça e dorso; altura na cernelha e comprimento do corpo da ponta do ombro às nádegas - 

a proporção ideal sendo alcançada quando as últimas duas medidas são as mesmas. Deve ser acrescentado que, embora as medidas da cabeça possam ser tomadas com precisão absoluta, a altura na cernelha e o comprimento do dorso e pelagem são aproximadamente, e são incluídos para a informação dos criadores e expositores mais do que como uma regra inflexível.

MOVIMENTAÇÃO

Movimento, ou ação, é o teste crucial de conformação. As pernas do Terrier devem ser portadas retas para a frente quando em movimento, as pernas dianteiras caindo perpendiculares e movendo-se paralelas aos lados, como o pêndulo de um relógio. O poder de propulsão principal é proporcionado pelas pernas traseiras, sendo encontrada perfeição de ação do Terrier que possui coxas longas e segundas coxas musculosas e bem anguladas nos joelhos, que admitem uma forte propulsão para a frente ou “empurrão” dos jarretes. Quando aproximando-se, as pernas dianteiras devem formar uma continuação da linha reta da frente, os pés estando separados na mesma distância que os cotovelos. Quando parado, é geralmente difícil determinar se um cão está com os ombros ligeiramente para fora, mas, assim que ele se move, o defeito - se existe torna-se mais aparente, os pés dianteiros tendo uma tendência a cruzar, “ondular” ou “desalinhar-se”. 

Quando pelo contrário, o cão tem o ombro ajustado, a tendência dos pés é se mover separados, com um tipo de ação de remenda.

Quando os jarretes são virados para dentro - jarretes de vaca - os joelhos e pés são virados para fora, resultando numa série perda de poder propulsor. Quando os jarretes são virados para fora, a tendência das pernas traseiras é cruzar, resultando num desgracioso gingar.

N.B. - Velhas cicatrizes ou ferimentos, resultantes de trabalho ou acidente, não devem prejudicar as oportunidades de um Terrier nos shows, a menos que interfiram com seus movimentos ou com sua utilidade para o trabalho ou reprodução.

TABELA DE PONTOS

1. Cabeça e orelhas.............................15

2. Pescoço........................................  5

3. Ombros e peito................................10

4. Dorso e lombro................................10

5. Parte traseira.................................15

6. Cauda..........................................  5

7. Pernas e pés..................................15

8. Pelagem........................................15

9. Simetria, tamanho e caráter................10

Total..........................................    100 

  

DESQUALIFICAÇÃO:

NARIZ - Branco, cereja ou manchado numa considerável com uma destas cores.

 

ORELHAS - Eretas, tulipa ou em rosa.

BOCA - Prognatismo superior ou inferior acentuado.

 

 

 

 IRIS TERRIER

 

 

PADRÃO OFICIAL DO IRISH TERRIER

 

CABEÇA

Longa, mas em boa proporção com o resto do corpo; o crânio plano, relativamente estreito entre as orelhas, e estreitando ligeiramente em direção aos olhos; livre de rugas, com o stop dificilmente perceptível, exceto de perfil. Os maxilares devem ser fortes e musculosos, mas não muito cheios nas bochechas, e de comprimento bem marcante. O focinho não deve cair apreciavelmente entre ou abaixo dos olhos; ao invés disto, as linhas devem ser delicadas. Um focinho exagerado, ou perceptivelmente curto, perturba o balanceamento apropriado da cabeça e não é desejável. O focinho e o crânio do occipital ao stop devem ser aproximadamente iguais em comprimento. Desenvolvimento muscular excessivo das bochechas, ou desenvolvimento ósseo das têmporas, condições que são descritas como “bochechudo”ou “cabeça pesada”, ou “crânio largo”, são penalizáveis. A cabeça ossuda na qual o crânio apresenta duas protuberâncias e estrutura óssea acima dos olhos, deve ser penalizada. O pêlo nos maxilares superior e inferior deve ser similar em qualidade e textura ao do corpo, e de comprimento suficiente para dar uma aparência de força adicional e acabamento do focinho. Tanto a barba profusa, como de bode, quanto a ausência da barba, são indesejáveis.

DENTES

Devem ser fortes e nivelados, brancos e sadios e sem prognatismo superior nem inferior.

LÁBIOS

Devem ser aderentes e bem ajustados, de cor quase  preta.

NARIZ

Deve ser preto.

OLHOS

De cor marrom escura; pequenos, não proeminentes; cheios de vida, vivacidade e inteligência, mostrando uma expressão intensa. O olho claro ou amarelo é  muito penalizado e é um defeito grave.

ORELHAS

Pequenas e em forma de “V”; de grossura moderada; bem inseridas na cabeça e caindo para a frente rentes em direção ao canto externo dos olhos. O topo da orelha dobrada deve estar bem  acima do nível do crânio.

Uma orelha “morta”, de aparência como a de um Hound, deve ser severamente penalizada. Ela não é característica do Irish Terrier. O pêlo deve ser mais curto e de cor um tanto mais escura que o do corpo.

PESCOÇO

Deve ser de bom comprimento e alargando gradualmente em direção aos ombros; portado orgulhosamente, e livre de barbela. Geralmente há um ligeiro rufo no pêlo em cada lado do pescoço, estendendo-se quase ao canto da orelha.

OMBROS E PEITO

Os ombros devem ser finos, longos e bem inclinados para trás. O peito deve ser profundo e musculoso, mas nem cheio nem largo.

CORPO

O corpo deve ser moderadamente longo. O dorso curto não é característica do Irish Terrier e é extremamente penalizável. O dorso deve ser forte e reto, e livre de fraqueza ou depressão atrás dos ombros.

O lombo deve ser forte, musculoso e ligeiramente arqueado, as costelas razoavelmente arqueadas, mais profundas que redondas, alcançando o nível do cotovelo. A fêmea pode ser ligeiramente mais longa que o macho.

PARTE TRASEIRA

Deve ser forte e musculosa; coxas possantes; jarretes perto do chão; joelhos moderadamente angulados.

CAUDA

Deve ser cortada, retirando-se cerca de um quarto. Ela deve ser inserida alta mas não enrolada. Deve ser forte e ter boa substância; de razoável comprimento e bem coberta de pêlo duro e àspero.

PÉS E PERNAS

Os pés devem ser fortes, toleravelmente redondos e moderadamente pequenos; dedos arqueados e sem virar para fora nem para dentro, com unhas escuras. As almofadas plantares devem ser profundas, e devem ser perfeitamente sadias e livres de calos. Rachaduras apenas não indicam necessariamente pés doentes. Na verdade, todas as raças têm almofadas plantares ocasionalmente rachadas, por várias causas. Pernas moderadamente longas, bem colocadas a partir dos ombros, perfeitamente retas, com abundância de ossos e músculos; os cotovelos trabalhando livres nos lados; metacarpos curtos, retos e dificilmente perceptíveis. As pernas traseiras e dianteiras devem se mover retas para frente; quando em movimentação os joelhos não devem virar para fora. “Jarretes de vaca” isto é, os jarretes virados para dentro e os pés virados para fora são intoleráveis. As pernas devem ser livres de franjas e cobertas com pêlo de textura similar ao do corpo para dar acabamento adequado ao cão.

 

PELAGEM

Deve ser densa e de textura de arame, rica em qualidade, tendo uma aparência quebradiça; mas caindo rente ao corpo, os pelos crescendo tão rentes e fortemente juntos que quando separados com os dedos a pele é dificilmente visível; livre de maciez ou sedosidade, e não tão comprida a ponto de alterar o contorno do corpo, particularmente na parte traseira. Nos lados do corpo a pelagem nunca é tão àspera quanto no dorso e pernas, mas ela deve ser cheia e de boa textura. Na base da rígida pelagem externa deve haver um crescimento de pêlo mais fino e mais macio, de cor mais clara, denominado subpêlo. Pelagens simples, que não tem nenhum subpêlo, e pelagens onduladas são indesejáveis; as pelagens cacheadas e encarapinhadas são as mais penalizáveis.

COR

Deve ser de uma só cor, vermelho brilhante, vermelho dourado, vermelho ou trigo. Um pequeno trecho de branco no peito, frequentemente encontrado em todas as raças de uma só cor, é permissível mas não desejável. Branco em qualquer outra parte do corpo é muito penalizável. Filhotes às vezes apresentam pêlos retos ao nascer, os quais devem desaparecer posteriormente quando eles estão crescidos.

TAMANHO

O peso mais desejável em condições de shows é 11,5 Kg para o macho e 11 Kg para a fêmea. A altura no ombro deve ser de aproximadamente 45,5 cm. Estes números servem como guia tanto para o criador como  para o juiz. Nos shows, contudo, o juiz informado identifica imediatamente o Irish Terrier acima ou abaixo do tamanho pela sua conformação e aparência

geral. O peso não é a última palavra no julgamento. É da maior importância selecionar, na medida do  possível, Terriers de tamanho moderado e geralmente aceito, possuindo as outras várias características. 

APARÊNCIA GERAL

A aparência geral do Irish Terrier é importante. Em conformação ele deve ser mais que uma soma de suas partes. Ele deve ser de uma só peça, uma imagem vital de simetria balanceada, proporção e harmonia. Além do mais ele deve demonstrar caráter. Este Terrier deve ser ativo, flexível e ágil de movimentos, com grande animação; robusto e forte em substância e estrutura óssea; mas ao mesmo tempo livre de grosseria, pois velocidade, poder e resistência são essenciais. O Irish Terrier não deve ser nem “atarracado” nem compacto, mas deve ser construído em linhas de velocidade com um contorno gracioso e dinâmico.

TEMPERAMENTO

O temperamento de um Irish Terrier reflete sua formação original; ele foi de estimação da família, cão de guarda e caçador. Ele é bem humorado, animado e disposto. É da maior importância que o Irish Terrier demonstre disposição e animação. É característica do Irish Terrier a coragem desenfreada e um impulso cego sem medir consequências com o qual ele avança contra o adversário e que granjeou para ele o epíteto orgulhoso de “valentão”. Ele tem bom humor, é afeiçoado e absolutamente leal a espécie humana. Carinhoso e cuidadoso com aqueles a quem ama, este Terrier vigoroso e destemido defenderá seu dono, sua dona e as crianças com desprezo pelo perigo ou pelos ferimentos. Sua vida é uma oferta constante de lealdade, companheirismo e devoção. Ele está sempre em guarda, defendendo seu lar de todas as ameaças.

 

 

 

KERRY BLUE TERRIER

 

PADRÃO OFICIAL DO KERRY BLUE TERRIER

 

CABEÇA

Longa mas não exageradamente e em boa proporção ao resto do corpo. Bem balanceada, com pouca diferença aparente entre o comprimento do crânio e do focinho (20 pontos).

CRÂNIO

Plano, com stop muito ligeiro, mas largura moderada entre as orelhas, e estreitando muito ligeiramente em direção aos olhos.

BOCHECHAS

Limpas e niveladas, livres de protuberâncias.

ORELHAS

Em forma de “V”, pequenas mas não fora de proporção com o tamanho do cão, de grossura moderada, portadas para a frente rente às bochechas, com a linha superior da orelha dobrada ligeiramente acima do nível do crânio. Uma orelha “morta”do tipo Hound é muito indesejável.

FOCINHO

Mandíbulas profundas, fortes e musculosas. Focinho cheio e bem delineado, não caindo apreciavelmente em baixo dos olhos mas moderadamente cinzelado para livrar o focinho da forma de cunha.

NARIZ

Preto, narinas grandes e largas.

DENTES

Fortes, brancos e nivelados com os dentes superiores (incisivos) sobrepondo-se ligeiramente aos dentes inferiores. Uma mordedura com prognatismo inferior deve ser estritamente penalizada.

OLHOS

Escuros, pequenos, não proeminentes, bem inseridos e com uma expressão de Terrier aguda.Qualquer coisa semelhante a um olho amarelo é muito indesejável.

PESCOÇO

Limpo e moderadamente longo, alargando gradualmente para os ombros, sobre os quais ele deve estar bem inseridos e portado altivamente (5 pontos).

OMBROS E PEITO

Ombros finos, longos e inclinados, bem caídos para trás e bem firmes. Peito profundo e de largura moderada (10 pontos).

PERNAS E PÉS

Pernas moderadamente longas com boa ossatura e musculatura. As pernas dianteiras devem ser retas tanto vistas de frente como de lado, com os cotovelos colocados perpendicularmente ao corpo e trabalhando livremente em movimentação, os metacarpos curtos, retos e dificilmente perceptíveis. Tanto as pernas dianteiras quanto as traseiras devem se mover retas para a frente, os joelhos sem virar para dentro e nem para fora (10 pontos).

Os pés devem ser fortes, compacto, razoavelmente redondos e moderadamente pequenos, com boa profundidade das almofadas plantares livres de rachaduras, os dedos arqueados, sem virar para dentro nem para fora, com unhas pretas.

CORPO

Dorso curto, forte e reto (isto é, nivelado), sem qualquer aparência de sela. Lombo curto e poderoso, ligeiramente esgalgado, as costelas razoavelmente bem arqueadas, mais profundas que redondas (10 pontos).

PARTE TRASEIRA E CAUDA

Parte traseira forte e musculosa com plena liberdade de ação, sem inclinação, as coxas longas e poderosas, joelhos bem angulados sem virar para dentro nem para fora, jarretes perto do chão e, quando vistos por trás, retos e paralelos entre si, o cão se postando bem sobre eles. A cauda deve ser inserida alta, de comprimento moderado e portada alegremente ereta. Quanto mais reta a cauda, melhor (10 pontos).

COR

A cor madura correta é qualquer tonalidade de azul cinza ou cinza azul. Do ardósia profundo ao azul cinza claro, de uma cor razoavelmente uniforme no corpo todo, exceto as partes distintamente mais escuras ou até pretas que podem aparecer no focinho, cabeça, orelhas, cauda e pés (10 pontos). A cor do Kerry, em seu processo de “clareamento”de um preto aparente quando o cão nasce, ao azul cinza ou cinza azul do cão maduro, passa por uma ou mais transições, envolvendo um azul muito escuro ( mais escuro que o ardósia profundo), tonalidades ou toques de marrom, e misturas destas, junto com uma infiltração progressiva da cor madura correta. Até os 18 meses, tais desvios da cor madura  correta são permissíveis sem preferência e sem consideração pela uniformidade. Daí em diante, o desvio em qualquer extensão significativa  deve ser severamente penalizado. Preto sólido nunca é permissível numa exposição. Até os 18 meses qualquer dúvida quanto a se o cão é preto ou azul muito escuro deve ser resolvida a favor do cão, particularmente no caso de um filhote. Preto no focinho, orelhas, cauda e pés permissível em qualquer idade.

PELAGEM

Macia, densa e ondulada. Uma pelagem àspera, com textura de arame ou dura deve ser severamente penalizada. Trimming de exposição: o corpo deve estar bem coberto mas acertado, com a cabeça ( exceto quanto aos bigodes) as orelhas e as bochechas limpas (15 pontos).

CONFORMAÇÃO GERAL E CARÁTER

O Kerry Terrier típico deve ser ereto, bem firme e com bom balanceamento, mostrando um corpo musculoso e bem desenvolvido com estilo Terrier definido e caráter. Um Kerry Low Slung (atarracado) não é típico (10 pontos).

ALTURA

O Kerry ideal deve ter cerca de 46,5 cm na cernelha sendo macho, e ligeiramente menos sendo fêmea. No julgamento de Kerries, uma altura de 45,5 a 49,5 cm para um macho e 44,5 a 48,5 cm para uma fêmea devem ter preferência primordial. Apenas quando a superioridade comparativa de um exemplar fora destes limites justificar a altura maior deve ser aceita. Em caso nenhum ela deve se estender a um macho acima de 51 cm ou abaixo de 44,5 cm ou a uma fêmea acima de 50 cm ou abaixo de 43cm. O limite mínimo não deve ser aplicado aos filhotes.

PESO

O peso mais desejável para um cão plenamente desenvolvido é de 15 a 18 Kg, as fêmeas pesando proporcionalmente menos.

DESQUALIFICAÇÕES:

Preto sólido.

Quintos-dedos nas pernas traseiras.

 

 

 LAKELAND TERRIER

 

  

PADRÃO OFICIAL DO LAKELAND TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL

O Lakeland Terrier é um pequeno cão de trabalho de construção quadrada e robusta, porte alegre, amistoso e autoconfiante. Ele se posta sobre os dedos numa atitude de prontidão,e move-se, flexível e graciosamente, com um passo de bom comprimento, direto para a frente. Sua cabeça é de contorno retangular, orelhas em forma de “V”, e pelagem de textura de arame completada com pelagem razoavelmente longa no focinho e pernas.

 

CABEÇA

Bem balanceada, retangular, o comprimento do crânio igualando o comprimento do focinho quando medidos do occipital ao stop à ponta do nariz.

CRÂNIO

Plano no topo e moderadamente largo, as bochechas quase retas nos lados, e o stop pouco perceptível.

FOCINHO

Largo, com cana nasal reta e bem cheio sob os olhos.

NARIZ

Preto, exceto para os cães de pelagem fígado, nos quais é permissível nariz fígado. Os maxilares são poderosos.

DENTES

Comparativamente grandes, podem se encontrar ou numa mordedura em torquês, margem-a-margem, ou numa mordedura em tesoura, ligeiramente sobreposta. Exemplares com prognatismo superior ou inferior devem ser desqualificados.

ORELHAS

Pequenas, em forma de “V”, com a dobra exatamente acima do topo do crânio, a borda interna rente à bochecha, e a ponta apontada para baixo.

OLHOS

Moderadamente pequenos e de contorno um tanto oval, são inseridos simetricamente no crânio, razoavelmente separados. Sua cor normal escura pode ser marrom quente ou preto.

EXPRESSÃO

Depende da disposição do cão no momento; embora tipicamente atenta, ela pode ser intensa e determinada, ou alegre e mesmo maliciosa.

PESCOÇO

De bom comprimento; refinado mas forte; limpo na garganta, ligeiramente arqueado e alargando-se gradualmente para os ombros. A cernelha, o ponto atrás do pescoço e corpo se encontram, é notavelmente mais alta que o nível do dorso.

CORPO

Em proporção geral comprimento altura, o cão é aproximadamente quadrado.

PEITO

Moderadamente estreito e profundo; ele se estende aos cotovelos, que são mantidos rentes ao corpo. As omoplatas são inclinadas, isto é, bem caídas para trás, sua musculatura é limpa e quase plana de contorno.

COSTELAS

São bem arqueadas e moderadamente arredondadas.

DORSO

Curto e nivelado na linha superior.

LOMBO

Firme e curto, embora possa ser um pouco mais comprido nas fêmeas.

PERNAS

São fortes, largas e musculosas.

PERNAS E PÉS - PERNAS DIANTEIRAS

São de forte ossatura, limpas absolutamente retas quando vistas de frente ou de lado, e desprovidas de inclinação apreciável nos metacarpos.

PERNAS TRASEIRAS

Também são fortes e robustas, as segundas coxas longas e bem anguladas nos joelhos e jarretes.

JARRETES

São bem descidos, com os ossos do jarrete aos dedos retos e paralelos entre si.

PÉS

Pequenos, redondos, os dedos compactos e bem providos de almofadas plantares, as unhas fortes. Quintos-dedos, havendo, devem ser removidos.

CAUDA

Inserida alta no corpo, a cauda costuma ser cortada de forma que quando o cão está postado em posição de show, a ponta da cauda cortada fica aproximadamente em nível com o crânio. Ela é portada alegremente ou ereta, embora uma  ligeira curva na direção da cabeça seja considerada desejável. A cauda enrolada sobre o dorso é um defeito.

PELAGEM E COR

De duas camadas ou dupla, sendo a pelagem externa dura e com textura de arame e o subpêlo macio. As guarnições no focinho e pernas são abundantes sem ser profundas. A cor pode ser azul, preto, fígado, preto e canela, azul e canela, vermelho, vermelho grisalho, grisalho e canela, ou trigo. A cor canela desejável no Lakeland Terrier, é um trigo claro ou cor de palha; vermelho vivo ou canela-mogno deve ser penalizado. De outra maneira, as cores, como especificadas, são igualmente aceitáveis. Exemplares de capa escura ( seja preto, grisalho ou azul) são quase em preto sólido ao nascer, com pontos canelas no focinho e pés. O preto retrocede e usualmente se torna cinzento ou grisalho na maturidade, enquanto que o canela também fica mais claro.

TAMANHO

A altura ideal do cão adulto é de 37 cm da cernelha ao chão, com até 1,5 cm de desvio para mais ou para menos permissível. As fêmeas podem medir até 2,5 cm a menos que os machos.

 

PESO

No exemplar adulto bem balanceado em condições de amostra, varia em torno de aproximadamente 8 Kg, com aqueles de outras alturas com proporcionalmente mais ou menos.

O tamanho deve ser considerado de menor importância que as outras qualidades, isto é, ao se julgar cães de mérito igual, o que estiver mais próximo do tamanho ideal deve ser preferido. A simetria e a proporção, contudo, são fundamentais na avaliação, desde que todas as qualidades juntas devem ser consideradas tendo em vista o ideal.

 MOVIMENTO

Reto e livre, com passadas de bom comprimento. Movimento de remo, movimento fechado, e dedos virando para dentro são defeituosos.

 TEMPERAMENTO

O Lakeland Terrier típico é ousado, alegre e amistoso, com a atitude de autoconfiança de um  “mandachuva”. Timidez, especialmente mordedor por medo no exemplar adulto deve ser severamente penalizada.

 TABELA DE PONTOS

 

Cabeça..............................................15

Olhos, orelhas, expressão.......................15

Pescoço.............................................5

Corpo...............................................10

Pelagem............................................15

Pernas e pés......................................10

Tamanho e simetria..............................10

Movimento........................................10

Temperamento...................................10

Total.............................................100

 

DESQUALIFICAÇÃO

Dentes frontais com prognatismo superior ou inferior.

 

 

 

 

 MANCHESTER TERRIER

 

PADRÃO OFICIAL DO MANCHESTER TERRIER

 

CABEÇA

Longa, estreita, pele aderente, quase plana, com uma ligeira depressão (stop) após a testa; com ligeiro formato de cunha, afinando para o nariz, sem musculatura visível nas bochechas, e bem cheia sob os olhos; maxilares de lábios secos, boca nivelada e dentes funcionalmente nivelados, ou os incisivos do maxilar superior podem fazer um ligeiro e rente contato de sobreposição com os incisivos do maxilar inferior.

OLHOS

Pequenos, brilhantes, vivos e o mais pretos possível, inseridos moderadamente próximos, de formato oblongo, inclinando para cima do lado de fora. Eles não devem ser nem salientes nem fundos.

NARIZ

Preto

ORELHAS  (VARIEDADE TOY)

De tamanho moderado; inseridas altas no crânio e um tanto próximas; finas, moderadamente estreitas na base; com pontas pontudas; porte naturalmente ereto. Orelhas largas, vistosas, de pontas rombudas ou orelhas “de sino”são um defeito sério; orelhas aparadas ou cortadas devem desqualificar.

ORELHAS (VARIEDADE STANDARD)

Ereta, ou de botão, pequenas e finas; menores na raiz e inseridas o mais próximas possível no topo da cabeça. Se aparadas, em ponta, longas e portadas eretas.

PESCOÇO E OMBROS

O pescoço deve ser de comprimento moderado, esguio e gracioso, tornando-se gradualmente mais largo conforme se aproxima dos ombros inclinados, com os quais se funde suavemente; livre de barbela; ligeiramente arqueado a partir do occipital.

PEITO

Estreito entre as pernas; profundo na caixa toráxica.

CORPO

Moderadamente curto, com lombo robusto; costelas bem arqueadas para trás dos ombros; dorso ligeiramente arqueado no lombo e caindo novamente para a cauda na mesma altura do ombro.

PERNAS

Pernas dianteiras retas, de comprimento proporcional, e bem sob o corpo. As pernas traseiras não devem virar para dentro nem para fora quando vistas por trás, portadas para trás; jarretes bem descidos.

PÉS

Compactos, bem arqueados, com unhas preto-azeviche. Os dois dedos médios nos pés dianteiros mais longos que os outros; os pés traseiros com formato de pés-de-gato.

CAUDA

Moderadamente curta, e inserida onde termina o arco do dorso; grossa onde se articula ao corpo, afinando para a ponta, não portada mais alta que o dorso.

PELAGEM

Lisa, curta, grossa, densa, fechada e brilhante; não é macia.

COR

Preto-azeviche e canela-mogno vivo, que não devem se misturar entre si, mas formar abruptamente linhas claras e bem definidas de divisão de cores  Uma pequena mancha canela sobre cada olho; uma mancha canela muito pequena sobre cada bochecha; os lábios dos maxilares superior e inferior devem ser canela, estendendo-se sob a garganta, terminando na forma de uma letra “V”; a parte interna das orelhas parcialmente canela. Manchas, chamadas “rosetas”, em cada lado do peito acima das pernas dianteiras, mais pronunciadas nos filhotes que nos adultos. Deve haver um trecho preto “mancha de polegar”na frente de cada perna dianteira, entre o metacarpo e os carpos. Deve haver uma linha nítida preta “marca de lápis”correndo no sentido longitudinal no topo de cada dedo, em todos os quatro pés. O restante das pernas dianteiras deve ser canela até os joelhos. A cor canela nas pernas traseiras deve continuar das marcas nos pés até o lado interno das pernas, um pouco abaixo das articulações dos joelhos; a parte de fora das pernas traseiras deve ser preta. Deve haver canela sob a cauda, e sobre o ânus, mas apenas de um tamanho que seja coberto pela cauda. Qualquer outra cor além de preto e canela deve desqualificar, exceto o branco em qualquer  parte da pelagem, que é um defeito sério e deve desqualificar quando o branco forma um trecho ou listra medindo algo como 1,5 cm em sua maior dimensão.

PESO (VARIEDADE TOY)

Não excedendo 5,5 Kg. É sugerido que os clubes dividam a raça Americana e as classes Abertas por peso como se segue: 3 Kg e menos, acima de 3 Kg e não excedendo 5,5 Kg.

PESO ( VARIEDADE STANDARD)

Acima de 5,5 Kg e não excedendo 9 Kg. Cães pesando acima de 10 Kg devem ser desqualificados. É sugerido que os clubes considerem dividir a raça Americana e as classes Abertas  por peso como se segue: acima de 5,5 Kg e não excedendo 7,5 Kg, acima de 7,5 e não excedendo 10 Kg.

 

DESQUALIFICAÇÕES - COR

Qualquer outra cor além de preto e canela. Branco em qualquer parte da pelagem, formando um trecho ou lista medindo algo como 1,25 cm em sua maior dimensão.

PESO (VARIEDADE STANDARD) - Acima de 10 Kg.

ORELHAS (VARIEDADE TOY) - Orelhas aparadas ou cortadas.

 

 

 NORFOLK TERRIER

 

 

PADRÃO OFICIAL DO NORFOLK TERRIER

 

CARACTERÍSTICAS

O Norfolk Terrier é um dos menores terriers, mas um demônio para seu tamanho. De gênio agradável, nada beligerante, e com constituição robusta. Temperamento: estável e destemido.

APARÊNCIA GERAL

Trata-se de um cão pequeno, baixo e alerta. Possui boa substância e boa ossatura.

CABEÇA

Crânio largo (boa largura entre as orelhas) e levemente arredondado. Focinho forte, comprimento de um terço a menos da medida do osso occipital até a parte inferior do stop que deve ser bem definido.

OLHOS

Escuros, inteligentes, com muita expressão, brilhantes e alegres.

ORELHAS

Elegantemente caídas, pequenas, com uma quebra logo acima do canto externo dos olhos; levemente arredondadas nas pontas.

BOCA

Lábios aderentes. Mandíbulas regulares e fortes. Dentes fortes, quase grandes, mordedura em tesoura.

PESCOÇO

De comprimento médio e forte.

PARTE DIANTEIRA

Ombros regulares e poderosos.

PERNAS

Curtas e poderosas, tão e retas quanto possível.

CORPO

Moderadamente pequeno e compacto, com costelas bem curvadas.

PARTE TRASEIRA

Correta e bem musculosa, joelhos de boa forma, jarretes bem baixos e eretos quando vistos por trás com grande poder de propulsão.

PÉS

Arredondados com patas grossas.

CAUDA

Tamanho médio, postura não excessivamente alegre.

PELAGEM

Dura, pêlo rijo e liso, rente ao corpo. É um pouco mais comprido e duro nos ombros e no pescoço, numa pelagem cheia quase que formando uma  juba. Pêlos curtos e suaves na cabeça, orelhas e focinho, exceto por leves sobrancelhas e leves bigodes.

COR

Todas as gradações de vermelho, vermelho-trigo, preto e bronze e cinzento. Marcas brancas são indesejáveis mas não desqualificam o animal.

TAMANHO

Altura ideal de 25 cm até a cernelha. Peso ideal de 4,5 à 5,5 Kg.

FALTAS

Boca com incisivos inferiores bastante salientes ou com mandíbulas superior ressaltada, comprida e estreita. A tosa não é desejável. Cicatrizes honrosas devidas à desgaste moderado não causam desqualificação.

 

 

SCHNAUZER MINIATURA

 

Padrão Oficial do Schnauzer Miniatura

 

Aparência Geral

O Schnauzer Miniatura é um cão robusto e ativo do tipo Terrier, lembrando seu primo maior, o Schnauzer Standard, em aparência geral e disposição atenta e ativa. Ele é robustamente construído, quase quadrado e em proporção do comprimento para a altura do corpo, com boa ossatura, e sem nenhuma sugestão de Toy.

Defeitos

Tipo Toy, esgalgado ou grosseiro.

Temperamento

O Schnauzer Miniatura típico é atento e animado, e ainda obediente ao comando. Ele é amistoso, inteligente e disposto a agradar. Ele nunca deve ser muito agressivo ou tímido.

Defeitos

Timidez ou agressividade.

Cabeça

Forte e retangular, sua largura diminuindo ligeiramente das orelhas aos olhos, e mais uma vez à ponta do nariz. A testa não apresenta rugas. A linha superior do crânio é plana e razoavelmente longa. A cana nasal é paralela ao crânio, com um ligeiro stop, e é pelo menos tão comprida quanto o crânio. O focinho é forte em proporção ao crânio; ele termina em uma forma moderadamente rombuda, com barbas espessas que acentuam o formato retangular da cabeça.

Defeitos

Cabeça grosseira e bochechuda.

Dentes

Os dentes se encontram numa mordedura em tesoura. Isto é, os dentes superiores da frente se sobrepõem aos dentes inferiores da frente de tal maneira que a superfície interna dos incisivos superiores tocam a superfície externa dos incisivos inferiores quando a boca está fechada.

Defeitos

Prognatismo inferior ou superior. Mordedura nivelada.

Olhos

Pequenos, marrom escuros e profundos. Eles são de aparência oval e expressão inteligente.

Defeitos

Claros e/ ou aparência grande e proeminente.

Orelhas

Quando cortadas, as orelhas ficam idênticas em formato e comprimento, com pontas pontudas. Elas estão em equilíbrio com a cabeça e não são exageradas em comprimento. Elas são inseridas altas no crânio e portadas perpendicularmente nas margens internas, com tão pouco sino quanto for possível ao longo das margens externas. Quando não cortadas, as orelhas são pequenas e em forma de “V”, dobrando rente ao crânio.

 

Pescoço

Forte e bem arqueado, fundindo-se nos ombros, e com a pele ajustada e bem aderente na garganta.

Corpo

Curto e profundo, com a caixa toráxica estendendo-se ao menos até os cotovelos. As costelas são bem arqueadas e profundas, estendendo-se bem para trás até um lombo curto. A parte de baixo do corpo não apresenta uma aparência esgalgada no flanco. A linha superior é reta; ela declina ligeiramente da cernelha para a base da cauda. O comprimento geral do peito à raiz da cauda parece ser igual à altura na cernelha.

Defeitos

Peito muito largo ou estreito na caixa toráxica. Dorso carpeado ou selado.

Parte Dianteira

A parte dianteira tem ombros inclinados e um tanto planos e cernelha alta. As pernas dianteiras são retas e paralelas quando vistas de todos os lados. Elas têm metacarpos fortes e boa ossatura. São separadas por uma caixa toráxica razoavelmente profunda que impede uma frente estreita. Os cotovelos são rentes, e as costelas se abrem gradualmente a partir da primeira, dando espaço para os cotovelos se moverem rente ao corpo.

Defeitos

Cotovelos soltos.

Parte Traseira

A parte traseira tem coxas inclinadas e bem musculosas; elas são bem anguladas nos joelhos e retas do jarrete ao assim chamado calcanhar. Há angulação suficiente de modo que, com o cão parado, os jarretes se estendem além da cauda. A parte traseira nunca aparece com excesso de volume ou mais que os ombros.

Defeitos

Parte traseira arqueada ou com jarretes de vaca.

Pés

Curtos e redondos (pés de gato) com almofadas plantares grossas e pretas. Os dedos arqueados e compactos.

Movimento

O trote é o passo no qual o movimento é julgado. Ao aproximar-se, as pernas dianteiras, com os cotovelos rentes ao corpo, se movem diretamente para a frente, nem muito juntas nem muito separadas. Ao afastar-se, as pernas traseiras são retas e se movem no mesmo plano que as dianteiras.

NOTA: É geralmente aceito que quando um trote pleno é alcançado, as pernas traseiras continuam a se mover no mesmo plano que as dianteiras, mas uma inclinação muito ligeira para dentro ocorre. Ela começa na ponta do ombro na frente e na articulação do quadril atrás. Vistas de frente ou de trás, as pernas são retas destes pontos até as almofadas plantares. O grau de inclinação para dentro é quase imperceptível num Schnauzer Miniatura que tenha movimento correto. O que não justifica o movimento fechado, de dedos para dentro, cruzado ou com os cotovelos para fora. Vistas de lado, as pernas dianteiras têm bom alcance, enquanto as pernas traseiras têm propulsão, com impulsão dos jarretes. Os pés não viram para dentro nem para fora.

Defeitos

Trilha única. Passo de camelo. Movimento de remo em frente, ou alta ação hackney nos carpos. Ação traseira fraca.

Cauda

Inserida alta e portada ereta. Ela é cortada apenas no comprimento suficiente para ser claramente visível sobre a linha superior do corpo quando o cão está com a pelagem no comprimento adequado.

Defeito

Cauda inserida baixa.

Pelagem

Dupla, com pelagem externa dura, textura de arame e subpêlo fechado. A pelagem da cabeça,  pescoço e corpo deve ser arrancada. Quando em condições de mostra, a pelagem do corpo deve ter comprimento suficiente para determinar a textura. Pelagem fechada e rente no pescoço, orelhas e crânio. As guarnições são razoavelmente espessas mas não sedosas.

Defeitos

Pelagem muito  macia ou muito uniforme e de aparência brilhante.

Tamanho

De 30,5 a 36 cm. Tamanho ideal, 34 cm.

(ver desqualificações)

Cor

As cores reconhecidas são sal e pimenta, preto e prateado, e preto sólido. A cor típica é sal e pimenta e tonalidades de cinza; tonalidades de canela são permissíveis. A mistura sal-pimenta diminui gradualmente para cinza claro ou branco prateado nas sobrancelhas, barbas, bochechas, sob a garganta, através do peito, sob a cauda, nos guarnecimentos da perna, sob o corpo, e do lado de dentro das pernas. O pêlo claro debaixo do corpo não deve crescer mais alto nos lados do corpo do que nos cotovelos dianteiros.

Os pretos e prateados seguem o mesmo padrão dos sal e pimenta. Toda a parte sal e pimenta deve ser preta.

O preto é a única cor sólida permitida. Deve ser um preto verdadeiro, sem pêlos cinzas e tons marrons exceto na barba que pode ter descorado. Uma pequena mancha no peito é permitida.

Desqualificações

Machos e fêmeas abaixo de 30,5 cm ou acima de 35,5 cm.

Cor sólida ou trechos brancos no corpo.

 

 

 SCOTTISH TERRIER

 

 

 PADRÃO OFICIAL DO SCOTTISH TERRIER

 

CRÂNIO

Longo, de largura média, ligeiramente arredondado e coberto de pêlo curto e duro. Ele não deve ser completamente plano, pois deve haver um ligeiro stop ou queda entre os olhos.

FOCINHO

Em proporção ao comprimento do crânio, sem afinar muito em direção ao nariz. O nariz deve ser preto e de bom tamanho. Os maxilares devem ser nivelados e quadrados. O nariz se projeta um tanto sobre a boca, dando a impressão que o maxilar superior é mais comprido que o inferior. Os dentes devem ser inseridos uniformemente, tendo uma mordedura em tesoura ou nivelada, sendo a primeira preferível.

OLHOS

Inseridos bem separados, pequenos, com formato amendoado e não redondos. A cor deve ser marrom escuro ou quase preto. Devem ser brilhantes, penetrantes e bem inseridos sob o supercílio.

ORELHAS

Pequenas, eretas, inseridas bem alto no crânio, pontudas mas não cortadas. O pêlo que as cobre deve ser curto e aveludado.

PESCOÇO

Moderadamente curto, grosso e musculoso, fortemente inserido em ombros inclinados, mas não tão curto que pareça grosseiro.

PEITO

Largo e muito profundo, bem descido entre as pernas dianteiras.

CORPO

Moderadamente curto e bem provido de costelas, com lombo forte, flancos profundos e parte traseira bastante musculosa.

PERNAS E PÉS

Tanto as pernas dianteiras como as traseiras devem ser curtas e de ossatura muito pesada em proporção ao tamanho do cão. Pernas dianteiras retas ou ligeiramente curvadas com cotovelos rentes ao corpo. O Scottish Terrier não deve ter os cotovelos para fora. Os joelhos devem ser bem angulados e as pernas retas dos jarretes aos calcanhares. Coxas muito musculosas. Pés redondos e grossos com unhas fortes, os pés dianteiros maiores que os traseiros. Nota - O  movimento do Scottish Terrier é peculiarmente seu e é característico da raça. Não é o trote ou andar simétrico desejável nas raças de pernas compridas. As pernas  dianteiras não se movem em planos exatamente paralelos - mas em seu alcance elas se inclinam ligeiramente para dentro. Isto é devido ao fato de as pernas serem curtas e o peito largo. A ação das pernas traseiras deve ser simétrica e precisa e durante o trote tanto os jarretes como os joelhos devem ser flexionados com um movimento vigoroso.

CAUDA

Nunca deve ser cortada, tem cerca de 17 cm, é portada com uma ligeira curva, mas não sobre o dorso.

PELAGEM

Relativamente curta, cerca de 5 cm, sub-pêlo denso com pelagem externa intensamente dura e com textura de arame.

TAMANHO E PESO

Igual consideração deve ser dada à altura, comprimento do dorso e peso. A altura na cernelha para ambos os sexos deve ser de 25,5 cm. Geralmente, um cão Scottish Terrier  bem balanceado e de tamanho correto pesa entre 8,5 a 9,9 Kg e a fêmea, entre 8 e 9,5 Kg. O principal objetivo deve se balanceamento e simetria.

COR

Cinza ferro ou aço, ou grisalho, preto, areia ou trigo. Marcas brancas não são desejáveis e podem ser permitidas apenas no peito, de pequena extensão.

APARÊNCIA GERAL

A expressão deve ser aguda, viva e ativa. Tanto a cabeça quanto a cauda devem ser portadas bem levantadas. O cão deve parecer muito compacto, bem musculoso e poderoso, dando a impressão de imenso poder num tamanho pequeno.

FALTAS

Pelagem macia, olhos redondos ou muito claros, prognatismo superior ou inferior, tamanho obviamente acima ou abaixo dos limites, timidez ou um exemplar que não se mostre com a cabeça e a cauda levantadas são defeitos que devem ser penalizados. Nenhum juiz deve premiar com Vencedor ou Melhor da Raça qualquer Scottish Terrier que não demonstre o verdadeiro caráter  Terrier na mostra. 

 

 

TABELA DE PONTOS

 

Crânio.....................................................5

Focinho...................................................5

Olhos......................................................5

Orelhas..................................................10

Pescoço...................................................5

Peito.......................................................5

Corpo....................................................15

Pernas e pés............................................10

Cauda...................................................2,5

Pelagem.................................................15

Tamanho................................................10

Cor......................................................2,5

Aparência geral.........................................10

Total....................................................100 

 

SEALYHAM TERRIER

 

 

PADRÃO OFICIAL DO SEALYHAM TERRIER

 

O Sealyham deve ser a personificação do poder e da determinação, sempre vivo e alerta, de extraordinária substância e contudo livre de grosseria.

ALTURA

Na cernelha cerca de 27 cm.

PESO

10,5 Kg para machos, fêmeas ligeiramente menos. Deve-se ter em mente que o tamanho é mais importante que o peso.

CABEÇA

Longa, larga e poderosa, sem grosseria. Ela deve, contudo, estar em perfeito equilíbrio com o corpo, fundindo-se suavemente ao pescoço. O comprimento da cabeça é mais ou menos três quartos da altura na cernelha, ou cerca de 2,5 cm maior que o pescoço. A largura entre as orelhas é um pouco menos que a metade do comprimento da cabeça.

CRÂNIO

Muito ligeiramente arredondado, com um sulco superficial descendo entre os supercílios e justando-se ao focinho com um stop moderado.

BOCHECHAS

Suavemente formadas e planas, sem ser pesada.

MAXILARES

Poderosos e quadrados. Mordedura nivelada ou em tesoura. Prognatismo inferior ou superior são defeitos graves.

DENTES

Sadios, fortes e brancos, com os caninos inseridos bem juntos.

NARIZ

Preto, com narinas grandes. Nariz branco, cereja ou de borboleta são defeitos graves.

OLHOS

Muito escuros, profundos e bem separados, de tamanho médio, formato oval e viva expressão de Terrier. Olhos claros, grandes ou salientes são defeitos graves. Falta de pigmentação na margem dos olhos não é um defeito.

ORELHAS

Dobradas em nível com o topo da cabeça, com a borda dianteira próxima à bochecha. Bem arredondadas nas pontas, e de comprimento suficiente para alcançar o canto externo dos olhos. Finas, não coriáceas e de espessura suficiente para evitar dobras. Orelhas eretas, tulipa levantadas ou tipo hound são defeitos graves.

PESCOÇO

Comprimento ligeiramente menor que dois terços da altura do cão na cernelha. Musculoso sem grosseria, com bom alcance, refinado na garganta, e inserido firmemente nos ombros.

OMBROS

Bem inclinados para trás e poderosos, mas não musculosos em excesso. Suficientemente largos para permitir liberdade de ação. Colocação ereta ou reta dos ombros é altamente indesejável.

PERNAS

Pernas dianteiras fortes com boa ossatura e tão retas quanto for compatível com o peito, estando bem descido entre elas. Metacarpos fracos, carpos desviados para a frente, arqueados ou com os cotovelos para fora são defeitos graves. As pernas traseiras são mais compridas que as dianteiras e não de ossatura tão forte.

PÉS

Grandes mas compactos, redondos com almofadas plantares grossas, unhas fortes. Dedos bem arqueados e  apontando direto para a frente. Pés dianteiros maiores, embora não tão longos quanto os traseiros. Pés finos, abertos ou chatos são defeitos graves.

CORPO

Forte, compacto e com boa substância, de maneira a permitir grande flexibilidade. Caixa toráxica profunda e bem descida entre as pernas dianteiras, Costelas bem arqueadas.

DORSO

O comprimento da cernelha à inserção da cauda deve aproximar-se da altura na cernelha, ou 27 cm. Linha superior nivelada, nem selada nem carpeada. Qualquer desvio destas medidas é indesejáveis.

POSTERIORES

Muito poderosos, salientes bem atrás da inserção da cauda. Segundas coxas fortes, joelhos bem angulados, e jarretes bem descidos. Jarrete de vaca é um defeito grave.

CAUDA

Cortada e portada ereta. Colocada suficientemente para a frente sem nenhuma inclinação da coluna.

PELAGEM

Resistente à água, composta de sub-pêlo macio e denso e pelagem externa dura e com textura de arame. 

Textura sedosa ou cacheada é um defeito grave.

COR

Todo branco, ou com marcas limão, canela ou texugo na cabeça  e orelhas. Corpo muito marcado e excessivamente pontilhado deve ser desencorajado.

AÇÃO - Sound, forte, rápida, livre, exata e nivelada.

 

TABELA DE PONTOS

 

Caráter geral, equilíbrio e tamanho....................15

Cabeça.....................................................5

Olhos.......................................................5  25

Boca.........................................................5

Orelhas.....................................................5

Pescoço.....................................................5 15

Ombros e caixa toráxica.................................10

Corpo, costelas e lombo.................................10

Parte traseira............................................10

Pernas e pés..............................................10

Pelagem..................................................10 50

Cauda......................................................5

Cor ( marca e pontilha no corpo)................5  10

 Total................................................100

 

 

 SKYE TERRIER

PADRÃO OFICIAL DO SKYE TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL

O Skye Terrier é um cão de classe, elegância e dignidade; ágil e forte, com ossatura robusta e musculosa dura. Comprido, baixo e delgado - ele é duas vezes mais longo que alto. E coberto por uma pelagem profusa que cai reta para baixo de ambos os lados do corpo sobre costelas de formato oval. O pêlo bem franjado na cabeça cobre a testa e os olhos para servir de proteção contra a vegetação àspera, bem como de confrontos com outros animais. Ele se posta com a cabeça alta e sua longa cauda pendente, e movimenta-se aparentemente sem esforço. De tamanho adequado para seu trabalho de caça, ele é forte no corpo, membros e maxilares.

TEMPERAMENTO

Aquele de um típico Terrier de trabalho capaz de dominar a caça e penetrar no solo demonstrando resistência, coragem, força e agilidade. Destemido, de boa índole, leal e calmo, ele é amistoso e alegre com aqueles que conhece, e reservado e precavido com estranhos.

CABEÇA

Longa e poderosa, sendo mais importante a força que o comprimento. A largura moderada da parte posterior do crânio afina gradualmente para um forte focinho. O stop é leve. O focinho escuro é apenas moderadamente cheio ao invés de pontudo, e o nariz é sempre preto. Um nariz Dudley, cor de carne ou marrom deve desqualificar. Maxilares poderosos e absolutamente ajustados e a boca com os dentes incisivos nivelados, ou com os dentes superiores sobrepondo-se ligeiramente aos inferiores.

OLHOS

Marrom, preferivelmente marrom escuro, de tamanho médio, inseridos próximos e brilhantes de vida e inteligência.

ORELHAS

Simétricas e graciosamente franjadas. Elas podem ser portadas eretas ou caídas. Quando eretas, elas são de tamanho médio, inseridas altas no crânio, eretas em suas margens externas e ligeiramente mais separadas na ponta que no crânio. Orelhas caídas, um tanto maiores e inseridas mais baixas, 

ficam pendentes rentes ao crânio.

PESCOÇO

Longo e graciosamente arqueado, portado alto e altivamente.

CORPO

Proeminentemente longo e baixo. A linha do dorso é nivelado, o peito profundo, com costelas oval. Os lados parecem achatados devido à pelagem profusa e caída reta.

PERNAS E PÉS - PARTE DIANTEIRA

Pernas curtas, musculosas e o mais retas possível. “O mais retas possível”significa retas na medida que o equilíbrio e o peito permitam; isto não significa “reto de Terrier”. Ombros bem inclinados para trás com colocação bem próxima das omoplatas na cernelha, e os cotovelos devem ajustar-se rentes aos lados sem ficar soltos nem juntos. O antebraço deve curvar ligeiramente em torno do peito.

PARTE TRASEIRA

Forte, cheia, bem desenvolvida e bem angulada. Pernas curtas, musculosas e retas quando vistas por trás.

PÉS

Grandes, pés-de-lebre de preferência apontando para frente, as almofadas plantares grossas e as unhas fortes e de preferência pretas.

MOVIMENTO

As pernas seguem direto para frente quando em movimento. Ao aproximar-se, as pernas dianteiras formam uma continuação da linha reta da frente, os pés separados na mesma distância que os cotovelos. O poder propulsor principal é fornecido pelas pernas traseiras, que se movem direto para a frente. As pernas dianteiras devem se mover bem para a frente, sem se erguer muito. O movimento todo deve ser livre, ativo e sem esforço, e dando um quadro mais ou menos fluentes.

CAUDA

Longa e bem franjada. Quando caída, sua parte superior fica pendente, seguindo a linha da garupa, sua parte inferior jogada para trás num arco moderado sem torsão nem enrolamento. 

Quando erguida, sua altura a faz parecer um prolongamento da linha do dorso. Embora isto não seja preferível, a cauda é às vezes portada alta quando o cão está excitado ou zangado. Quando tal porte tem origem apenas emocional, ele é permissível. Mas a cauda não deve ser constantemente portada acima do nível do dorso nem caída frouxa.

 PELAGEM

Dupla. Sub-pêlo curto, rente, macio e lanoso. Pelagem externa dura, lisa e reta, com comprimento de 15 cm, sem o crédito extra garantido por comprimento maior. A pelagem do corpo cai para baixo em cada lado, repartida da cabeça à cauda. O pêlo da cabeça, que deve ser mais curto e mais macio, cobre a testa e os olhos e forma uma barba e um avental moderados. O longo franjamento das orelhas cai reto para baixo a partir das pontas e das margens externas, contornando as orelhas como uma franja e delineando seu formato. As extremidades do pêlo devem se misturar com a pelagem nos lados do pescoço.

COR

A pelagem deve ser de uma cor sólida na pele, mas pode ser de várias tonalidades da mesma cor com a pelagem completa, que pode ser preta, azul, cinza claro ou escuro, prateado platinado, castanho ou creme. O cão não deve ter marcas evidentes, exceto pêlos pretos desejáveis nas orelhas, focinho e ponta da cauda, pontos estes todos de preferência escuros mesmo em relação ao preto. A tonalidade da cabeça e das pernas deve ser aproximadamente a mesma do corpo. Não deve haver sinais padronizados, desenho ou variações de cores bem delineadas, com exceção do único branco permissível da raça, que ocorre ocasionalmente no peito e não excedendo a 5 cm de diâmetro.

A pelagem do filhote pode ser bastante diferente em cor da pelagem do adulto. Conforme ele cresce e clareia, grandes variações de cores podem ocorrer, consequentemente, isto é permissível em cães com menos de 18 meses de idade. Entretanto, mesmo nos filhotes, não deve haver traço de padrão, desenho ou variações bem delineadas, com a exceção da faixa preta de largura variável vista frequentemente envolvendo 

a pelagem do corpo do cão de cor creme, e o único branco permissível que, no cão adulto, ocorre ocasionalmente no peito não excedendo 5 cm de diâmetro.

TAMANHO

Machos: Altura no ombro, 25,5 cm. Comprimento, do esterno até a cauda na garupa, 51 cm. Cabeça, 22 cm. Cauda, 23 cm. Fêmeas: Altura no ombro, 24 cm. Comprimento, do esterno até a cauda na garupa, 48 cm. Cabeça, 20 cm. Cauda, 22 cm. Um cão ligeiramente mais alto ou mais baixo de ambos os sexos é aceitável, desde as dimensões do corpo, da cabeça e da cauda sejam proporcionalmente mais compridas ou mais curtas. A proporção ideal do comprimento do corpo para a altura no ombro é de 2 para 1, que é considerada a proporção correta.

As medidas são tomadas com o Skye parado em posição natural, com os pés bem por baixo. Um compasso de calibre é usado verticalmente e horizontalmente. Para a altura, a barra do topo descansa na cernelha. A cabeça é medida da ponta do nariz à ponta do osso occipital, e a cauda da raiz à ponta. Machos com 20 cm ou menos na cernelha e fêmeas com 19 cm ou menos na cernelha devem ser penalizados.

DESQUALIFICAÇÕES

Um nariz Dudley, cor de carne ou marrom.

 

 

SOFT COATED WHEATEN TERRIER

 

 

PADRÃO OFICIAL DO SOFT-COATED WHEATEN TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL

O Soft-Coated Wheaten Terrier é um Terrier esportivo de tamanho médio, robusto e bem balanceado coberto abundantemente com uma pelagem macia e naturalmente ondulada de boa e clara cor trigo. A raça requer moderação em todos os pontos e qualquer característica exagerada deve ser evitada. A cabeça é apenas moderadamente longa, é bem balanceada e deve ser livre de qualquer grosseria; o dorso é nivelado, com a cauda inserida alta e portada alegremente; pernas retas na frente e musculosas atrás com ombros bem inclinados para trás e joelhos bem angulados para proporcionar um passo longo e gracioso. O cão deve apresentar a aparência geral de um animal vigoroso, ativo e feliz, forte e bem coordenado.

 CABEÇA

Bem balanceada e moderadamente longa, profusamente coberta por uma pelagem que pode cair para frente protegendo os olhos.

 CRÂNIO

Plano e não muito largo, sem sugestão de grosseria. O crânio e o focinho são de igual comprimento.

 BOCHECHAS

Limpas e stop bem definido.

 FOCINHO

Quadrado, poderoso e forte, sem nada de pontudo. Lábios aderentes e pretos.

 NARIZ

Preto e grande para o tamanho do cão.

 OLHOS

Castanho escuro ou marrom, de tamanho médio e bem protegidos sob um forte supercílio; margens dos olhos pretas.

 ORELHAS

Quebram em nível com o crânio caindo ligeiramente para a frente rente às bochechas mais do que apontando para os olhos; de tamanho pequeno e médio.

 DENTES

Grandes, limpos e brancos com mordedura nivelada ou em tesoura.

 PESCOÇO

Comprimento médio, forte e musculoso, bem coberto com pelagem protetora.

 OMBROS

Bem inclinados para trás, limpos e lisos.

 CORPO

O corpo é compacto; o dorso forte e nivelado. As costelas são bem arqueadas mas sem ser arredondadas, para proporcionar um peito profundo em harmonia com a compacidade do conjunto. O comprimento do dorso da ponta da cernelha à base da cauda deve medir mais ou menos o mesmo que da cernelha ao chão.

 CAUDA

A cauda é cortada e bem inserida, portada alegremente mas nunca sobre o dorso.

 PERNAS E PÉS

Pernas dianteiras retas e com boa ossatura; pernas traseiras bem desenvolvidas com joelhos bem angulados; jarretes bem descidos sem virar para dentro nem para fora.

Os pés redondos e compactos com boa profundidade de almofadas plantares. Unhas escuras.

Quintos-dedos nas pernas dianteiras podem ser removidos; quintos-dedos nas pernas traseiras devem ser removidos.

PELAGEM

Abundante, macia e ondulada, de boa e clara cor trigo; pode ser sombreada nas orelhas e focinho.

O Solf-Coated Wheaten Terrier é um cão natural e assim deve parecer. Cães que pareçam ter sido excessivamente trimados devem ser penalizados.

A pelagem nas orelhas deve ser deixada natural ou livrada da franja para acentuar seu tamanho pequeno.

COR

A cor e a textura da pelagem não se estabilizam até os 18-24 meses, o que deve ser considerado no julgamento de cães jovens.

Para fins de shows a pelagem pode ser arrumada apenas para apresentar um contorno limpo, mas não pode ser aparada, arrancada ou estilizada.

TAMANHO

Os machos devem medir 45 - 48 cm na cernelha e devem pesar entre 15,5 e 20,5 Kg; as fêmeas um pouco menos.

MOVIMENTO

Livre; movimento vivo e gracioso com alcance na frente e boa propulsão atrás; ação direta na frente e atrás.

TEMPERAMENTO

Bem humorado, vigoroso e corajoso; exibe menos agressividade do que é às vezes encorajado em Terrier em exposições; atento e inteligente.

DEFEITOS GRAVES

Prognatismo superior. Prognatismo inferior. Desvio na textura da pelagem. Qualquer cor exceto o trigo.

 

 

 

STAFFORDSHIRE BULL TERRIER

 

 

 

PADRÃO OFICIAL DO STAFFORDSHIRE BULL TERRIER

 

CARACTERÍSTICAS

Do passado histórico do Staffordshire Bull Terrier, o cão moderno tira seu caráter de coragem indômita, alta inteligência e tenacidade. Isto, associado à sua afeição pelos amigos, e crianças em particular, e à sua tranquilidade quando não está em ação e estabilidade fidedigna, faz dele um cão primordial para todos os propósitos.

 APARÊNCIA GERAL

O Staffordshire Bull Terrier é um cão de pelagem macia. Ele deve ter grande força para o seu tamanho e, embora musculoso, deve ser ativo e ágil.

 CABEÇA E CRÂNIO

Crânio curto, profundo e largo, músculos das bochechas bem pronunciados, stop definido, focinho curto, nariz preto. Nariz rosa (Dudley) deve ser considerado um defeito sério.

 OLHOS

Escuros de preferência, mas podem ter alguma relação com a cor da pelagem. Redondos, de tamanho médio, e inseridos para olhar direto em frente. Olhos claros ou margens dos olhos rosa devem ser considerados um defeito, exceto quando a pelagem circundando o olho é branca, a margem do olho pode ser rosa.

 ORELHAS

Erguidas ou semi-eretas e sem ser grandes. Totalmente caídas ou totalmente eretas, devem ser consideradas defeitos sérios.

 BOCA

Uma mordedura na qual o lado externo dos incisivos inferiores toca o lado interno dos incisivos superiores. Os lábios devem ser secos e limpos. Prognatismo inferior acentuado ou superior é um defeito grave.

 PESCOÇO

Musculoso, relativamente curto, bem delineado e alargando gradualmente em direção aos ombros.

 PARTE DIANTEIRA

Pernas retas e com boa ossatura, bem separadas, sem ombros soltos e não demonstrando fraqueza nos metacarpos, pés viram um pouco para fora.

 CORPO

O corpo é compacto, com linha superior nivelada, frente larga, caixa toráxica profunda e costelas bem arqueadas, sendo relativamente mais leve no ombro.

 PARTE TRASEIRA

A parte traseira deve ser bem musculosa, jarretes descidos com joelhos bem angulados. As pernas devem ser paralelas quando vistas por trás.

 PÉS

Os pés devem ter boas almofadas plantares, devem ser fortes e de tamanho médio. Quintos-dedos, se houver, são geralmente removidos das pernas traseiras. Quintos-dedos nas pernas dianteiras podem ser removidos.

 CAUDA

A cauda não é cortada, é de comprimento médio, inserida baixa, afinando para a ponta e portada relativamente baixa. Ela não deve enrolar muito e pode ser comparada a uma antiga bomba manual. Uma cauda muito comprida ou impropriamente enrolada é um defeito.

 PELAGEM

Macia, curta e rente à pele, não deve ser cortada nem os bigodes retirados.

 COR

Vermelho, castanho, branco, preto ou azul, ou qualquer uma destas cores com branco. Qualquer tonalidade de malhado ou qualquer tonalidade de malhado com branco. Preto e canela ou fígado devem ser desqualificados.

 TAMANHO

Peso: Machos, de 13 a 17 Kg; fêmeas, de 11 a 16 Kg. Altura no ombro: 35,5 a 40,5 cm, estando estas alturas relacionadas ao peso. Não-conformidade com estes limites é defeito.

 DESQUALIFICAÇÕES

Cor preto e canela ou fígado.

 

WELS TERRIER

 

 PADRÃO OFICIAL DO WELSH TERRIER

 

CABEÇA

O crânio deve ser plano, mais largo entre as orelhas do que no caso do Fox Terrier pêlo duro. Os maxilares devem ser poderosos, bem delineados, mais profundos e mais possantes dando à cabeça uma aparência mais masculina do que se vê geralmente num Fox Terrier. Stop não muito definido, bom comprimento do stop ao fim do nariz, sendo este último de cor preta.

ORELHAS

A orelha deve ser em forma de “V”, pequena, não muito fina, inserida razoavelmente alta, portada para a frente e rente à bochecha.

OLHOS

 olho deve ser pequeno, não muito profundo nem muito saliente no crânio, de cor castanho escuro, expressivo e indicando muita coragem.

PESCOÇO

O pescoço deve ser de comprimento e grossura moderados, ligeiramente arqueado e inclinado graciosamente para os ombros.

CORPO

O dorso deve ser curto e bem provido de costelas, o lombo forte, boa profundidade e largura moderada de peito.  Os ombros devem ser longos, inclinados e colocados bem para trás. A parte traseira deve ser forte, coxas musculosas e de bom comprimento, com os jarretes moderadamente retos, bem descidos e com boa ossatura. A cauda deve ser inserida moderadamente alta, mas não deve ser portada muito alegremente.

PERNAS E PÉS

As pernas devem ser retas e musculosas, possuindo boa ossatura, com metacarpos retos e poderosos. Os pés devem ser pequenos, redondos e de gato.

PELAGEM

A pelagem deve ter textura de arame e ser dura, muito rente e abundante.

COR

A cor deve ser preto e canela (Black and tan), ou preto grisalho e canela, sem pinceladas pretas nos dedos.

TAMANHO

A altura no ombro deve ser de 38 cm para machos, fêmeas proporcionalmente menos. 9Kg deve ser considerado um razoável peso médio em  condições de trabalho, mas pode haver variação de 0,5 Kg para mais ou para menos.

 

       TABELA DE PONTOS

 

Cabeça e maxilares..........................10

Orelhas.........................................5

Olhos...........................................5

Pescoço e ombros...........................10

Corpo.........................................10

Lombo e parte traseira.....................10

Pernas e pés.................................10

Pelagem......................................15

Cor.............................................5

Cauda.........................................5

Aparência geral.............................15

Total........................................100

 

DESQUALIFICAÇÕES

(1) NARIZ: branco, cereja ou manchado em extensão considerável com uma destas cores.

(2) ORELHAS: eretas, tulipa ou em rosa.

(3) Prognatismo inferior ou superior

(4) Preto abaixo dos jarretes ou branco numa extensão considerável.

 

 

 

WEST HIGHLANDER WHITE TERRIER

 

PADRÃO OFICIAL DO WEST HIGHLAND WHITE TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL

O West Highland White Terrier é um Terrier pequeno, corajoso, bem balanceado e de aspecto robusto, auto-confiante, fortemente construído, profundo no peito e costelas traseiras, dorso reto e parte traseira poderosa, pernas musculosas e exibindo em grau acentuado uma grande combinação de força e atividade sendo um cão show. A pelagem deve ter cerca de 5 cm de comprimento, ser de cor branca, dura, com abundância de subpêlo macio. O cão deve ser apresentado com contorno limpo. Deve ser deixada uma quantidade considerável de pêlo em torno da cabeça para funcionar como uma moldura para dar uma típica expressão Westie.

COR E PIGMENTAÇÃO

A pelagem deve ser branca, como é definido pelo nome da raça. O nariz deve ser preto. Pigmentação preta é altamente desejável nos lábios, margens dos olhos, almofadas plantares, unhas e pele.

DEFEITOS

razoavelmente largo, estando em proporção com seus poderosos maxilares, não longo, ligeiramente arredondados e afinando gradualmente para os olhos. Deve haver um stop definido, sobrancelhas pesadas.

DEFEITOS

Um crânio muito longo ou muito estreito.

 

Musculoso e bem inserido em ombros inclinados.

DEFEITOS

Pescoço curto ou pescoço muito comprido.

PEITO

Muito profundo e estendendo-se ao menos até os cotovelos, com a largura proporcional ao tamanho  do cão.

DEFEITO

Pouco profundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

RELACIONADAS

Cães de Guarda

Enfim!!! Férias

Cães de Luxo

Padrões das Raças

Atendimento: 9h00 às 17h00
End: Av. Jabaquara, 301 - Sobreloja - Cep 04045-000- Mirandópolis - SP

Tel.: (11) 3256-0894 | 0800 - 113140 Whatzap 9 7803-2758
E-mail: acinologicadobrasil@gmail.com

Todos os direitos reservados: Associação Cinológica do Brasil

Desenvolvido por: