• Tel.: (11) 3256-0894 | 0800 - 113140 Whatzap 9 7803-2758
  • Atendimento: 9h00 às 17h00
  • Endereço: Av. Jabaquara, 301 - Sobreloja - Cep 04045-000- Mirandópolis - SP

Cães de Companhia

Cães de Companhia

  • Fonte: .
  • Data: 25/06/2014

 

 

 

Cães de Companhia (Padrão de Raças - Grupo 6)

Nesse grupo temos raças que abondaram a função original há muito tempo. Entre outras funções, há cães que acompanhavam carruagens, que lutavam em arenas e até os que foram usados como iguarias culinárias. 
É um grupo bastante heterogêneo e diferem do cães de luxo por serem maiores que eles.

 BICHON FRISE

 

 

PADRÃO OFICIAL DO BICHON-FRISÉ

 

APARÊNCIA GERAL 

 O BICHON-FRISÉ é um cão pequeno, robusto, branco, com a aparência de pompom, cujo temperamento feliz é evidenciado por sua cauda plumada portada alegremente sobre a linha superior e a sua expressão de olhos escuros curiosos. Esta é uma raça que não tem exageros grosseiros ou que a incapacitem e por esse motivo não existem razões próprias para que haja falta de balanceamento e movimentação defeituosa. Qualquer desvio do ideal descrito pelo padrão deve ser penalizado de acordo com a extensão do desvio. Faltas estruturais comuns a todas as raças, assim como em qual¬quer outra raça são indesejáveis no BICHON-FRISÉ, ainda que tais faltas não estejam especificamente mencionadas no Padrão.     

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA

TAMANHO 

Machos e fêmeas de 24cm a 29 cm  devem ter prefe¬rência primordial. Apenas quando a superioridade comparativa de um espécime extremo claramente justifique, latitudes maiores po¬dem ser atingidas. Em nenhum caso, entretanto, essa latitude deve se estender acima de 30,5cm  ou abaixo de 23cm . O limi¬te mínimo não se aplica aos filhotes. 

PROPORÇÃO  

O corpo desde o ponto mais anterior do tórax até a ponta do tra¬seiro é 1/4  mais comprido do que a altura na cernelha. O corpo, da cernelha até o ponto mais baixo do tórax, representa 1/2 da distância da cernelha ao chão.

SUBSTÂNCIA  

Compacto de ossatura inteiramente mediana; nem grosseira nem re¬finada.

CABEÇA   

A expressão é suave; olhos escuros, curiosos, alertas. 

Os olhos são redondos, pretos ou marrons-escuros e são inseridos no crânio de modo a olhar diretamente para a frente. Um olho de¬claradamente grande ou protruso é uma falta, assim como um em formato de amêndoa e inserido obliquamente. Aureolas, de pele preta ou marrom muito escuro rodeando os olhos são necessárias, por que elas acentuam o olho e realçam a expressão. Os bordos das pálpebras em si precisam ser pretos. Pigmentação falhada ou au¬sência de pigmentação no bordo das pálpebras produz uma expressão vazia e pasmada, que é. definitivamente, uma  falta. Olhos de qualquer outra cor do que pretos ou marrons-escuros são uma falta muito séria e deverão ser severamente penalizados. 

As orelhas são pendentes e cobertas com longo pelo esvoaçante. Quando estendidas em direção ao nariz, o couro atinge, aproxima¬damente, a metade do comprimento do focinho. Elas são inseridas ligeiramente mais altas do que o nível dos olhos e um tanto adiante no crânio, de modo que quando o cão esta alerta elas servem para emoldurar o focinho. 

O crânio é ligeiramente arredondado, conferindo um olho redondo e de visão frontal. 

O stop é ligeiramente acentuado. 

 Focinho - Uma cabeça de balanceamento apropriado tem 3 partes de focinho para 5 partes de crânio, medidas da ponta do nariz ao stop, e do stop ao occipital. Linhas traçadas entre os cantos externos dos olhos e o nariz devem constituir um triângulo quase, eqüilátero. Há um certo grau de cinzelamento abaixo dos olhos, mas não tanto de modo que resulte num focinho fraco ou pontudo. 

A mandíbula é poderosa. O nariz é proeminente e sempre preto. 

Os lábios são pretos, delicados, nunca pendentes. Mordedura em tesoura. Uma mordedura prognata ou retrognata deve ser severamente penalizada. Um dente torto ou fora de linha é permitido; contudo a falta de dentes deve ser severamente penalizada.

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO

PESCOÇO 

O pescoço arqueado é longo e portado orgulhosamente por trás de uma cabeça ereta, ele funde-se suavemente por entre os ombros. O comprimento do pescoço do occipital até a cernelha é, aproximada¬mente, 1/3 da distância entre o antepeito e o traseiro.

LINHA SUPERIOR 

Em nível, exceto por um ligeiro arqueamento muscular  sobre o lombo.

 

 

CORPO 

O tórax é bem desenvolvido e largo o bastante para permitir os movimentos livres e irrestritos das pernas da frente. O ponto mais baixo do tórax atinge, ao menos, até o cotovelo. A caixa torácica é moderadamente arqueada e se estende para trás em direção ao lombo curto e musculoso. O antepeito é bem pronunciado e projeta-se ligeiramente para adiante da ponta do ombro. A linha inferior tem um ligeiro esgalgamento.

CAUDA 

Bem plumada, inserida em nível com a linha superior e curvada graciosamente sobre as costas de forma que os pelos da cauda dei¬tem-se nas costas. Quando a cauda se expande para a frente, em direção à cabeça, ela atinge pelo menos até a metade do caminho até a cernelha. Uma cauda baixa, uma cauda portada perpendicular à linha superior, ou uma cauda caída para trás devem ser severa¬mente penalizadas. Uma cauda em saca-rolhas é uma falta muito séria.

ANTERIORES

OMBROS  

A escápula, braço e antebraço são aproximadamente iguais em com¬primento. 

Os ombros são bem inclinados para trás em um ângulo um tanto pró¬ximo a 45 graus. O braço estende-se bem para trás de forma que o cotovelo fique colocado diretamente abaixo da cernelha quando visto de lado. As pernas são de ossatura mediana; retas, sem a¬baulamento ou curvatura do antebraço ou munheca.  Cotovelos são mantidos junto ao corpo. Os metacarpos inclinam-se ligeiramente da vertical. Os quintos dedos podem ser removidos. Os pés são compactos e redondos, assemelhando-se aos de um gato, e apontam diretamente para a frente, não se virando nem para dentro nem para fora. As almofadas plantares são pretas. As unhas são manti¬das curtas.

POSTERIORES 

Os posteriores são de ossatura média, bem angulados com coxas musculosas e colocadas moderadamente afastadas. A coxa e a perna de trás, aproximadamente, iguais em comprimento, encontrando-se em uma junta do joelho bem angulada. A perna, da junta do jarrete à almofada do plantar é perpendicular ao chão. Quintos dedos po¬dem ser removidos. Os pés são compactos e redondos com almofadas plantares pretas.

PELAGEM  

A textura da pelagem é da mais alta importância. O sub-pelo é macio e denso, o pelo externo de textura mais rústica e crespa. A combinação dos dois dá ao toque uma impressão de maciez substancial que é similar à da pelúcia ou veludo, e que quando comprimida retorna ao lugar. Quando banhada e escovada ela fica armada, para fora do corpo, criando uma aparência geral de pompom. Um pelo duro não é desejável. Uma pelagem mole, sedosa, uma pelagem caída, ou uma com falta de sub-pelo é uma falta muito séria.

CORTE (TRIMMING)  

A pelagem é cortada para revelar o contorno natural do corpo. Ela é arredondada em todas as direções e nunca cortada tão curta que dê a impressão de excessivamente cortado ou uma aparência quadra¬da. As guarnições da cabeça, barba, bigode, orelhas e cauda são deixadas mais longas. O pelo mais comprido da cabeça é aparado para criar uma impressão de arredondamento geral. A linha superi¬or é cortada para aparentar ser em nível. O pelo é longo o suficiente para manter a aparência de pompom que é característica da raça.

COR  

A cor é branca, pode haver matizes de amarelo, creme ou amarelo-alaranjado ("abricó") ao redor das orelhas ou no corpo. Qualquer cor que exceda 10% da pelagem total num espécime maduro é uma falta e deve ser penalizada, porém cor dos matizes aceitos não devem ser penalizados nos filhotes.

MOVIMENTAÇÃO  

A movimentação em trote é livre, precisa e sem esforços. De per¬fil as pernas da frente e de trás estendem-se de maneira idênti¬ca, com alcance fácil e propulsão  que mantêm a linha superior firme. Quando em movimentação a cabeça e o pescoço permanecem um tanto altos e à medida em que a velocidade aumenta há uma ligeira convergência das pernas em direção à linha central. Movendo-se para a frente, os posteriores trabalham com moderada largura en¬tre eles e a sola dos pés podem ser vistas. Vindo ou indo sua movimentação é precisa e segura.

TEMPERAMENTO  

De maneiras gentis, sensível, brincalhão e afetuoso. Uma atitude alegre é o carimbo oficial da raça e não se deve aceitar por me¬nos. 

 

BOSTON TERRIER 

 

 

 

PADRÃO OFICIAL DO BOSTON-TERRIER

 

APARÊNCIA GERAL 

O BOSTON TERRIER é um cão vivaz, altamente inteligente, de pelo liso, cabeça curta, construção compacta, cauda curta e bem balanceado, de cor tigrada, cor de foca (preto-ruço) ou preta, marcado uniformemente com branco. A cabeça está em proporção ao tamanho do cão e a expressão indica um alto grau de inteligência. O corpo é, mais propriamente, curto e compacto, os membros fortes, niti¬damente. torneados, a cauda é curta e nenhum aspecto é tão proe¬minente que o cão possa parecer mal proporcionado. O cão transmi¬te uma impressão de determinação, força e atividade, com estilo de alta categoria, porte desembaraçado e gracioso. A combinação proporcional de "Cor e Marcas brancas" é, em particular, o aspec¬to distintivo de um espécime representativo.    

Balanceamento, Expressão, Cor e Marcas Brancas devem ter consideração particular na determinação do valor relativo à Apa¬rência Geral sobre outros pontos.

 

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA 

O peso é dividido por classes como segue: abaixo de 6,800kg (15 libras); 6,800kg (15 libras) e abaixo de 9kg  (20 libras); 9 kg (20 libras) não excedendo 11,300kg  (25 libras). O comprimento das pernas deve estar balanceado com o comprimento do corpo para dar ao BOSTON TERRIER  sua notável aparência quadrada. O BOSTON TERRIER  é um cão robusto e não deve aparentar ser nem delgado nem grosseiro. A ossatura e os músculos devem estar em proporção, como um realce do peso e estrutura do cão. FALTA: Aparência atar¬racada ou corpulenta. 

INFLUÊNCIA DO SEXO - Na comparação de espécimes de cada sexo a única diferença evidente é um ligeiro refinamento na conformação da fêmea.

 

CABEÇA  

O Crânio é quadrado, achatado no topo, livre de rugas; bochechas chatas; arcadas orbitárias abruptas e stop bem definido. 

A expressão ideal do BOSTON TERRIER é alerta e gentil, indicando um alto grau de inteligência. Esta é a característica mais impor¬tante da raça. 

Os olhos são bem afastados, grandes e redondos e de cor escura. Os olhos são inseridos de maneira quadrada no crânio e quando vistos de frente os cantos externos estão em linha com os arcos zigomáticos.  Desqualificação - Olhos de cor azul, ou com qual¬quer traço de azul. 

As orelhas são pequenas e portadas eretas, tanto naturais como cortadas para se adequarem ao formato da cabeça, e situadas o mais próximo possível dos cantos do crânio. 

O Focinho é curto, quadrado, largo e profundo em proporção ao crânio. Ele é livre de rugas, de comprimento mais curto do que a largura ou a profundidade; não excedendo em comprimento, aproxi¬madamente 1/3 do comprimento do crânio. O focinho, do stop até o fim do nariz é paralelo à linha superior do crânio. 

O nariz é preto e largo com uma linha bem definida entre as nari¬nas.  Desqualificação - Nariz cor de carne ou fígado. 

As maxilas são largas e quadradas com dentes regulares, curtos. 

A mordedura é em torquês ou suficientemente prógnata para dar quadratura ao focinho. Os lábios são de boa profundidade, mas não pendurados, cobrindo completamente os dentes quando a boca está fechada.  Falta séria: Boca torta.

 

FALTAS DA CABEÇA  

Olhos que mostram muito branco, ou a terceira pálpebra. Narinas apertadas ou largas. Tamanho das orelhas fora de proporção com o tamanho da cabeça.

 

 FALTAS SÉRIAS DA CABEÇA 

Qualquer visualização da língua ou dos dentes quando a boca está fechada. 

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO

O comprimento do pescoço deve apresentar uma imagem de balancea¬mento com o conjunto do cão. Ele é ligeiramente arqueado, portando a cabeça graciosamente, e bem inserido nos ombros. O dorso é perfeitamente curto, o bastante para dar quadratura ao corpo. 

A linha superior é em nível e a garupa curva-se ligeiramente em direção ao começo da cauda. O tórax é profundo com boa largura, costelas bem arqueadas que chegam bem para trás no lombo. 

O CORPO deve aparentar seu curto. A cauda é inserida baixa, curta, refinada e afinando, reta ou em parafuso e não deve ser portada acima da horizontal. (NOTA: A cauda preferida não deve exce¬der em comprimento mais do que 1/4 da distância entre sua inserção e o jarrete.) Desqualificação: Cauda cortada.

 

FALTAS DO CORPO  

Cauda portada alegre. 

 FALTAS SÉRIAS DO CORPO 

Linha superior arqueada, selada, costelas achatadas.

 

ANTERIORES  

Os ombros  são inclinados e colocados bem para trás o que permite ao  BOSTON TERRIER uma movimentação elegante. Os cotovelos não ficam nem para dentro nem para fora. As  pernas  da frente são colocadas, moderadamente, bem afastadas e em linha com a ponta superior da escápula. As pernas da frente são de ossos retos com metacarpos curtos e fortes. Os quintos dedos podem ser removidos. Os pés são pequenos, redondos e compactos, não se virando nem para dentro, nem para fora, com dedos bem arqueados e unhas curtas. Faltas: Pernas com falta de substância, pés espalhados.

 POSTERIORES

As coxas são fortes e bem musculosas, anguladas no joelho e em posição o correta. Os jarretes são curtos até o pé, não se viram nem para dentro nem para fora, com a junta do jarrete bem defini-da. Os pés são pequenos e compactos com unhas curtas. Falta - Reto de joelho.

 MOVIMENTAÇÃO  

A movimentação do BOSTON TERRIER é a de um cão  de andar seguro, de andadura reta; anteriores e posteriores movem-se retos para a frente na mesma linha com ritmo perfeito e com cada passada indi¬cando graça e força. 

FALTAS  NA  MOVIMENTAÇÃO 

Quando em movimentação não deve gingar (roll), pisar com as almo¬fadas, ou arrastar os pés. Movimentação em "hackney". 

FALTAS SÉRIAS NA MOVIMENTAÇÃO  

Qualquer movimento cruzado tanto entre os pés da frente como en¬tre os de trás.

 PELAGEM  

A pelagem é curta, lisa, brilhante e de textura refinada.

 

COR E MARCAS  

Tigrados, cor-de-foca (preto-ruço) ou preto com marcas brancas. Os tigrados são preferidos apenas quando as outras qualidades forem iguais. (Nota: Cor de foca - preto-ruço definido. Cor de foca aparenta ser preto, exceto porque apresenta um matiz averme¬lhado quando visto ao sol ou sob luz brilhante.) 

Desqualificações - Preto sólido, tigrado sólido ou cor-de-foca sólido sem as marcas brancas requeridas. Cor cinza ou fígado.

 MARCAS REQUERIDAS   

Faixa branca no focinho, lista branca uniforme por entre os olhos (blaze), antepeito branco.

 MARCAS DESEJADAS  

Faixa branca no focinho, lista branca uniforme por entre os olhos (blaze) e sobre a cabeça, colar branco, antepeito branco, branco em parte, ou no todo, das pernas da frente e nas pernas de trás, abaixo do jarrete. (Nota: um espécime representativo não deve ser penalizado por não possuir as "Marcas Desejadas".) Um cão com preponderância de branco na cabeça ou no corpo deve possuir méri¬to suficiente nas outras partes para contrabalançar essa defici¬ência.

 

TEMPERAMENTO  

O BOSTON TERRIER é um cão amistoso e vivaz. A raça tem uma exce¬lente disposição e um alto grau de inteligência que fazem do BOS¬TON TERRIER uma companhia incomparável.

 

RESUMO 

 O corpo bem proporcionado, de linha superior curta do BOSTON TERRIER associado à característica singular da sua cabeça e maxi¬las quadradas, e suas marcas notáveis, resultam no mais garboso e charmoso cão originário dos Estados Unidos: o BOSTON TERRIER.

 

ESCALA DE PONTOS 

 

Aparência Geral................................................................................ 10

Expressão.......................................................................................... 10

Cabeça (focinho, maxilas, mordedura, crânio e stop)...................... 15

Olhos................................................................................................... 5

Orelhas................................................................................................ 5

Pescoço, linha superior, corpo e cauda............................................. 15

Anteriores.......................................................................................... 10

Posteriores......................................................................................... 10

Pés....................................................................................................... 5

Cor, pelagem e marcas........................................................................ 5

Movimentação.................................................................................. 10

 

TOTAL........................................................................................... 100

  

DESQUALIFICAÇÕES

 

- Olhos de cor azul ou com qualquer traço de azul. 

-  Nariz cor de carne ou fígado. Cauda cortada. 

-  Preto-sólido, tigrado-sólido, cor-de-foca (preto-ruço) sólido  sem as marcas brancas 

    requeridas. De coloração cinza ou ¬  fígado.

 

 

 

BULLDOGUE FRANCÊS

 

 

 PADRÃO OFICIAL DO BULDOGUE FRANCÊS

 

APARÊNCIA GERAL  

O BULDOGUE FRANCÊS tem a aparência de um cão ativo, inteligente, musculoso, de ossatura pesada, pelagem curta,  cons¬trução compacta e de estrutura  média ou pequena. Expressão alerta, curiosa e interessada. Qualquer alteração outra que não que não a remoção dos quintos dedos é considerada mutilação e uma desqualificação.

 

PROPORÇÃO E SIMETRIA 

Todos os pontos são bem distribuídos e mantém boa relação uns com os outros; nenhum aspecto deve estar em tal destaque, seja por excesso ou por falta de qualidade que de a impressão de que a animal aparente ser pobremente proporcionado. 

 

INFLUÊNCIA DO SEXO   

Comparando-se espécimes de sexo diferente deve-se ter tolerância em benefício das fêmeas, as quais não exibem as mesmas caracte¬rísticas da raça no mesmo grau do que os machos. 

 

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA  

O peso não deve exceder 14kg (28 libras); acima de 14kg (28 libras)  é uma desqualificação. 

 

PROPORÇÃO 

Distância da cernelha ao chão em boa relação com a distância en¬tre a cernelha e a raiz da cauda. de forma que o animal aparente ser compacto, bem balanceado e de boas proporções. 

 

SUBSTÂNCIA  

Musculoso, ossatura pesada.

 

CABEÇA  

A cabeça é grande e quadrada. Olhos de cor escura amplamente a¬fastados, inseridos baixo no crânio, o mais longe das orelhas possível, de formato redondo, tamanho moderado, nem afundados, nem proeminentes. Em cães de coloração mais clara olhos de coloração mais clara são aceitáveis. Quando olhando para a frente, nem a terceira pálpebra, nem o branco do olho devem aparecer. Orelhas -  Conhecidas como "orelhas de morcego" largas na base, alongadas, com ponta redonda, inseridas altas na cabeça porém não muito juntas e portadas eretas com o orifício para a frente. O couro da orelha é delicado e macio. Outra orelha que não de morcego é uma desqualificação. O topo do crânio é achatado entre as orelhas; e a testa não é  chata, mas ligeiramente, arredondada. O focinho é largo, profundo e situado bem para trás; os músculos das bochechas são bem desenvolvidos.  O stop é  bem definido causando um sulco profundo entre os olhos com pesadas rugas formando um rolo macio sobre a extremidade do nariz curto; narinas largas, com uma linha bem definida entre elas. Nariz preto. Outro nariz que não preto é uma desqualificação, exceto no caso de cães de coloração mais clara, onde uma coloração mais clara do nariz é aceitável, mas não desejável. Lábios pretos, grossos e largos, pendendo dos lados sobre a mandíbula, na frente encontrando-se com o lábio inferior e cobrindo os dentes, os quais não são vis¬tos quando a boca está fechada. A mandíbula é profunda, quadrada, larga, prógnata e bem voltada para cima.

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO  

O  pescoço é grosso e bem arqueado com pele solta na garganta. 

A linha superior é arqueada com uma ligeira queda bem junto dos ombros; forte e curta, larga na altura dos ombros e estreitando no lombo. 

O  corpo é curto e bem arredondado. O tórax é largo, profundo e cheio; costelas bem arqueadas e barriga esgalgada. A cauda é tanto reta como em "saca-rolhas" (mas não enrolada), curta, pendente, grossa na raiz e fina na ponta; portada baixa em repouso.

 

ANTERIORES  

Os anteriores são curtos, robustos, retos, musculosos e colocados bem afastados. Quintos dedos podem ser removidos. Os pés são de tamanho moderado, compactos e firmemente ajustados. Dedos compac¬tos, bem divididos, com grande arqueamento e unhas grossas cur¬tas.

 

POSTERIORES  

Os posteriores são fortes e musculosos, mais compridos do que os anteriores, ao ponto de elevar o lombo acima dos ombros. Os jar¬retes bem baixos. Os pés de tamanho moderado, compactos e firme¬mente ajustados. Dedos compactos, bem divididos, com grande ar¬queamento e unhas grossas curtas; pés de trás ligeiramente mais longos do que os pés da frente.

 

PELAGEM  

A pelagem é moderadamente delicada, brilhante, curta é lisa. A pele é macia e solta, formando rugas, especialmente na cabeça e ombros.

 

COR - CORES ACEITAS  

Todo tigrado, castanho-amarelado, branco, tigrado e branco. qual¬quer cor exceto as que constituem desqualificações. Todas as co¬res são aceitas com exceção de preto-sólido, cinza-rato, fígado, preto e canela (black & tan), preto e branco e branco com preto, as quais são desqualificações. Preto significa preto sem qualquer traço de tigrado.

 

MOVIMENTAÇÃO   

A andadura correta deixa rastros duplos (double-tracking) com alcance e propulsão; a movimentação é desenvolta, livre e vigoro¬sa.

 

TEMPERAMENTO 

Bem humorado, adaptável, e um companheiro contente com uma natu¬reza afetiva e disposição equilibrada; de um modo geral ativo, a¬lerta e brincalhão, porém não indevidamente tumultuoso. 

 

DESQUALIFICAÇÕES 

 

-  Qualquer alteração outra que não  a remoção dos quintos dedos. 

-  Acima de 14 kg (28 libras).

-  Outras orelhas que não as de morcego. 

-  Outro  nariz que não preto é uma desqualificação, exceto no caso de cães de coloração mais clara, onde uma coloração mais clara do nariz é aceitável. 

-  Preto-sólido, cinza-rato,  fígado,  preto e  canela  (black & tan),  

preto e branco e branco com preto. Preto significa preto sem qualquer traço de tigrado.

 

 

 

 

 

CHOW CHOW

PADRÃO OFICIAL DO CHOW CHOW

 

APARÊNCIA GERAL

CARACTERÍSTICAS - Uma raça antiga originária do norte da China, este cão chinês de múltiplos propósitos foi usado como caçador, pastor, cão de tração e protetor da casa. Embora, nos dias atu-ais,  seja primordialmente um cão de companhia, sua origem de trabalho precisa sempre ser lembrada quando se determina o verda¬deiro tipo do CHOW. Uma construção quadrada, poderosa, robusta, um cão ereto do tipo ártico, de tamanho médio, com forte desenvolvimento muscular e ossatura pesada. O corpo é compacto, de construção curta, largo e profundo, a cauda é inserida alta e portada bem junto à linha superior e o conjunto suportado por quatro pernas retas, fortes, robustas. Vistos de lado, os poste¬riores, possuem uma pequena angulação aparente, e a junta do jar-rete e o metatarso estão diretamente em baixo da junta do fêmur com a garupa. É esta estrutura que produz a movimentação característica - curta e rígida, única da raça. A cabeça grande com crânio largo e achatado e focinho curto, largo e profundo, é portada orgulhosamente e acentuada por um colar. Elegância e substância devem estar combinadas dentro de um conjunto bem balanceado, nunca tão pesado de modo a sobrecarregar sua habilidade de ser ativo, alerta e ágil. Vestido com uma pelagem lisa ou um pelo longo duplo armado, o CHOW é uma obra prima de beleza, dignidade e naturalidade, único em sua língua preta-azulada, expressão carrancuda e movimentação dura.

 

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA 

TAMANHO 

A média de altura dos espécimes é 43cm a 51cm  na cer¬nelha, mas em todos os casos o exame das proporções gerais e do tipo deve ter precedência sobre o tamanho. 

PROPORÇÕES 

De perfil quadrado e de corpo curto. A distância do antepeito à ponta do traseiro igual à altura no ponto mais alto da cernelha. Faltas sérias - Outro perfil que não quadrado. A distância da ponta do cotovelo ao chão  é a metade da altura na cernelha. A parte inferior da caixa torácica em nível com as pontas dos cotovelos. A largura vista de frente e de trás é a mesma e deve ser larga.  São essas as proporções que são essenciais ao verdadeiro tipo do CHOW. Ao se julgar filhotes, não se deve ter nenhuma to¬lerância por suas falhas de conformação a essas proporções.

SUBSTÂNCIA  

Tamanho médio com forte desenvolvimento muscular e ossatura pesada. São igualmente objetáveis os espécimes delgados, de ossatura refinada, e os espécimes exagerados, pesados e grosseiros. Comparando-se espécimes de sexos diferentes devida tolerância deve ser tida em favor da fêmeas que podem não ter tanto de cabeça ou substância como tem os machos. Há uma impressão de feminilidade nas fêmeas assim como impressão de masculinidade, comparativa,  nos machos.

 

CABEÇA  

Portada orgulhosamente, grande em proporção com o tamanho do cão, porém não tão exagerada de forma a fazer que o cão pareça cabeçudo ou resulte em um porte baixo. Expressão  essencialmente carrancuda, cheia de dignidade, arrogante, sagaz, sóbria e esnobe, a de independência. A carranca é obtida por uma arcada orbitária marcada por um botão de pele acolchoado exatamente acima da parte superior do canto interno de cada olho; por suficiente movimento de pele para formar sobrancelhas franzidas e uma depressão distinta entre os olhos, começando na base do focinho e se estendendo para cima na testa; pelo formato e colocação corretos dos olhos e pelo formato, porte e colocação das orelhas. Pele solta em excesso não é desejável. Rugas sobre o focinho não contribuem para a expressão e não são requeridas. Olhos marrons-escuros, inseridos profundamente e colocados bem afastados e obliquamente, de tamanho moderado, e de formato amendoado. A colocação e formato corretos devem criar uma aparência Oriental. O bordo das pál-pebras é preto, com as pálpebras nem viradas para dentro nem caí¬das e as pupilas dos olhos claramente visíveis. Faltas sérias - Entrópio ou ectrópio, ou pupilas total, ou parcialmente, cobertas por pele solta. Orelhas pequenas, moderadamente grossas, de formato triangular com um leve arredondamento na ponta, portadas rigidamente eretas  porém com uma ligeira inclinação para a fren¬te. Colocadas bem afastadas com o canto interno sobre o topo do crânio. Uma orelha que balance quando o cão se move é muito inde¬sejável. Falta desqualificante - Orelha ou orelhas caídas. Uma orelha caída é uma que quebra em qualquer ponto da base até a ponta ou a que não é portada rigidamente ereta, mas deita-se paralela ao crânio. Crânio -  O topo do crânio é largo e achatado de lado a lado e da frente para atrás. Pelagem e pele solta não podem substituir a estrutura óssea correta. Vistas de perfil, as linhas superiores do crânio e do focinho são, aproximadamente, paralelas ligadas por um stop moderado. O acolchoamento das so¬brancelhas pode fazer o stop parecer mais inclinado do que é. O focinho é curto em comparação com o comprimento da linha superior do crânio porém nunca menos do que 1/3 do comprimento da cabeça. O focinho é largo e bem cheio abaixo dos olhos, sua largura e profundidade iguais e ambas as dimensões devem aparentar ser as mesmas desde a base até a sua ponta. Esta aparência quadrada é obtida pela correta estrutura óssea mais o acolchoamento do focinho e pelos lábios cheios almofadados. O focinho não deve ser tão almofadado ou acolchoado que faça parecer outro formato que o quadrado. Os lábios superiores cobrem complemente os lábios inferiores quando a boca está fechada e não são pendurados. Nariz grande, largo e de cor preta com narinas bem abertas. Falta desqualificante - Nariz manchado ou distintivamente de outra cor que não preta, exceto nos CHOWS azuis os quais podem ter nariz azul-sólido ou ardósia.

 

BOCA E LÍNGUA - Os bordos dos  lábios pretos, os tecidos da boca o mais preto possível, gengivas preferentemente pretas. Uma boca preta sólida é o ideal. A face superior e os bordos da língua de um preto-azulado sólido, quanto mais escuro melhor. Faltas des¬qualificantes -  A face superior e os bordos da língua vermelhos ou cor-de-rosa ou com uma ou mais manchas vermelhas ou cor-de-rosa. Dentes - fortes e uniformes com mordedura em tesoura. 

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO  

PESCOÇO forte, cheio, bem musculoso, graciosamente arqueado e de comprimento suficiente para portar a cabeça orgulhosamente acima da linha superior quando parado em atenção. 

LINHA SUPERIOR reta, forte e em nível desde a cernelha até a raiz 

CORPO curto, compacto, coeso, fortemente musculoso, largo, pro¬fundo e bem descido nos flancos. Corpo, dorso, lombo e garupa devem ser todos curtos para conferir a construção quadrada reque¬rida. Tórax, profundo e musculosos, nunca estreito ou de costelas 

achatadas. As costelas bem juntas e bem arqueadas, não em barril. O arqueamento das costelas anteriores alguma coisa mais estreito na sua porção inferior para permitir ao ombro e ao braço repousa¬rem suavemente contra a parede do tórax. A parte inferior do tó¬rax é larga e profunda estendendo-se abaixo da ponta dos cotove¬los. A ponta do esterno ligeiramente adiante da ponta do ombro. Faltas sérias - Respiração não natural ou abdominal (não se in¬cluindo o ofego natural), tórax estreito ou de costelas achata¬das. Lombo bem musculoso, forte, curto largo e profundo. Garupa curta, larga com poderoso traseiro e os músculos das coxas confe¬rindo uma garupa em nível.

 Cauda inserida alta e portada firmemente contra a linha superior todo o tempo, no início, seguindo a linha da coluna vertebral.

 

ANTERIORES  - 

Ombros fortes, bem musculosos, as pontas das escápulas moderada¬mente bem juntas; a crista da escápula forma com a horizontal um ângulo de  55 graus, aproximadamente, e forma com o braço um ân¬gulo de  110 graus, aproximadamente, resultando um alcance menor dos anteriores. O comprimento do braço nunca menor do que o da escápula. A junta do cotovelo colocada bem para trás ao longo da parede do tórax, cotovelos nem virados para dentro nem para fora. Pernas da frente perfeitamente retas do cotovelo ao pé, com ossa¬tura pesada que deve ser proporcional ao resto do cão. Vistos de frente, os anteriores são paralelos e largamente espaçados de conformidade com a largura do tórax. Os metacarpos curtos e não inclinados. Os carpos não devem projetar-se para a frente. Os quintos dedos podem ser removidos. Pés redondos, compactos, tipo dos de gato, parando bem sobre as grossas almofadas digitais.

 

POSTERIORES 

O conjunto posterior largo, poderoso e bem musculoso na garupa e nas coxas, ossatura pesada com os ossos de trás e da frente aproximadamente iguais. Vistas por trás, as pernas são retas, parale¬las e largamente espaçadas de conformidade com a largura da pelve. A junta do joelho apresenta um pequena angulação, é bem ligada e estável, apontando reto para a frente e os ossos da junta devem ser definidos e pronunciados. A junta do jarrete bem baixa e aparentado ser quase reta. A junta do jarrete deve ser forte, bem ligada e firme, nunca arqueada ou quebrando para a frente, ou para qualquer um dos lados. A junta do jarrete e o metatarso si¬tuam-se em uma linha reta abaixo da junta da garupa. Faltas sérias - Juntas do joelho ou do jarrete fracas.  Metatarsos curtos e perpendiculares ao chão. Os quintos dedos podem ser removidos. Pés o mesmo que os da frente.

 

PELAGEM 

Há dois tipos de pelagem; curta e longa. Ambas são duplas. 

PELO LONGO - Na pelagem longa o pelo externo é abundante, denso, reto e armado e de textura quase áspera; o sub-pelo macio, espes¬so e lanoso. A pelagem dos filhotes macia, espessa e complemente lanosa. A pelagem forma um colar profuso ao redor da cabeça e do pescoço, emoldurando a cabeça. A pelagem e o colar, geralmente, mais compridos nos machos do que nas fêmeas. A cauda é bem franjada. O comprimento da pelagem varia notoriamente nos diferentes CHOWS e deve ser dada maior ênfase à grossura, textura e condição do que ao comprimento. Corte ("trimming") óbvio ou escultura da pelagem é indesejável. O corte ("trimming") dos bigo¬des pés e metatarsos é opcional. 

PELO CURTO -  O CHOW de Pelo Curto  é julgado pelo mesmo Padrão do que o CHOW de Pelo Longo exceto no que se refere à quantidade e distribuição do pelo externo que não é aplicável ao  CHOW de Pelo Curto, o qual tem um pelo externo áspero, denso, assentado com um sub-pelo definido. Não deve haver colar ou franjamento das pernas e cauda, óbvios.

 COR  

Cores definidas, sólidas ou sólidas com matizes mais claros no colar, cauda e franjas. Há cinco cores no CHOW: vermelho (do dourado-claro ao mogno-profundo), preto, azul e canela (do castanho-amarelado-claro ao canela profundo) e creme. As cores aceitas devem ser julgadas na mesma base.

 

MOVIMENTAÇÃO  

A movimentação peculiar é o teste crucial da conformação e vigor peculiares. Ela deve ser vigorosa, de movimentos retos, ágil, curta, fácil e poderosa, sem manquejar. A movimentação traseira é curta e com membros rígidos por causa da retidão do conjunto posterior. É de lado que esta ação  única, com membros rígidos, é mais facilmente avaliada. As pernas de trás movem-se para cima e para a frente desde a garupa em uma linha reta, com os membros rígidos, similares aos movimentos do pêndulo com um ligeiro salto da garupa, as pernas não se estendem muito nem para a frente nem para trás. Os pés de trás tem um forte impulso que transfere for¬ça ao corpo em uma linha quase reta devido as angulações posteri¬ores mínimas. Para transmitir eficientemente essa força para o conjunto anterior, o lombo deve ser curto e não deve haver gingado nessa secção intermediária. Vistas por trás, as linhas dos os¬sos desde a garupa até as almofadas plantares permanecem retas enquanto o cão de move. A medida em que a velocidade aumenta as pernas de trás se inclinam ligeiramente para dentro. A junta do joelho deve apontar para a linha do movimento, nem para fora, resultando em pernas em arco, nem friccionando embaixo do cão. Vistas de frente, as linhas dos ossos das juntas do ombro até as almofadas plantares permanecem retas enquanto o cão se movimenta. A medida em que a velocidade aumenta, as pernas anteriores não se movimentam em planos exatamente paralelos, antes, inclinam-se ligeiramente para dentro. As pernas da frente não devem oscilar para fora em semicírculos nem picar ou mostrar qualquer evidência de ação de "hackney". Os conjuntos anterior e posterior devem estar em equilíbrio dinâmico. Um tanto falto em velocidade, o CHOW tem uma excelente resistência porque as pernas de trás vigo¬rosas e retas fornecem, eficientemente, força aproveitável imedi¬ata.

 TEMPERAMENTO 

Inteligência aguda, um espírito independente e uma dignidade inata conferem ao CHOW uma aura de indiferença. É da sua natureza ser reservado e discriminatório com estranhos. Demonstrações de agressividade e timidez são inaceitáveis. Em virtude da inserção profunda dos olhos, o CHOW tem uma visão periférica limitada e o melhor é fazer aproximações tendo em conta essa visão.

SUMÁRIO  

As faltas devem ser penalizadas na proporção do seu desvio do Padrão. No julgamento do CHOW o aspecto geral é de primordial consideração. Exagero de qualquer aspecto às custas do balanceamento e robustez deve ser severamente penalizado. Tipo deve incluir aparência geral, temperamento, harmonia de todas as partes e ro¬bustez especialmente vistas quando o cão se movimenta. Deve ser dada ênfase adequada à movimentação, que é o teste final da conformação, balanceamento e robustez do CHOW.

 

DESQUALIFICAÇÕES 

-  Orelha ou orelhas caídas. Uma orelha caída é uma que quebra em qualquer ponto da base até a ponta ou a que não é portada rigida¬mente ereta, mas deita-se paralela ao crânio.

-  Nariz manchado ou distintivamente de outra cor que não preta, exceto nos CHOWS azuis os quais podem ter nariz azul-sólido ou ardósia.

-  A face superior e os bordos da língua vermelhos ou cor-de-rosa ou com uma ou mais manchas vermelhas ou cor-de-rosa.

 

 

 

 

PADRÃO OFICIAL DO DÁLMATA

     

APARÊNCIA GERA

O DÁLMATA  é um cão caracteristicamente pintado; equilibrado e alerta; forte, musculoso e ativo; livre de timidez; de expressão inteligente; perfil simétrico; e sem exageros ou grosseria. O DÁLMATA é capaz de grande resistência combinada com uma razoável quantidade de velocidade. Desvios da descrição ideal devem ser penalizados em proporção direta com o grau do desvio.

 

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA  

Altura desejável na cernelha é entre 48,5cm e 58,5cm (19 e 23). Tamanho acima ou abaixo é uma falta. Qualquer macho ou fêmea aci¬ma de 61cm ( 24) na cernelha é desqualificado. 

O comprimento total do corpo do antepeito ao traseiro é aproximadamente igual à altura na cernelha. O DÁLMATA tem uma boa subs¬tância e é forte e vigoroso de ossos, porém nunca grosseiro.

 

CABEÇA  

A cabeça é balanceada com o conjunto do cão. Ela é de comprimento regular e livre de pele solta. A expressão do DÁLMATA é alerta, inteligente, indicando um temperamento estável e decidido. 

Os  olhos são situados moderadamente bem afastados, de tamanho médio e de aparência um pouco arredondada, e são inseridos bem dentro do crânio. A cor do olho é marrom ou azul, ou qualquer combinação disso, o mais escuro melhor e normalmente, mais escura nos cães pintados de preto do que nos cães pintados de fígado. Qualquer posição anormal dos bordos das pálpebras ou dos cílios (ectropio, entrópio ou triquíases) é uma falta maior. Pigmentação incompleta do bordo das pálpebras é uma falta maior. 

As orelhas, de tamanho moderado, proporcionalmente separadas, largas na base e afinando gradualmente para uma ponta arredondada. Elas são situadas um tanto altas e portadas bem junto à cabeça e são de textura fina e delicada. Quando o DÁLMATA está aler¬ta, a parte superior da orelha fica em nível com o topo do crânio e a ponta da orelha alcança a linha de baixo da bochecha. 

O topo do crânio  é achatado, com um ligeiro sulco vertical e aproximadamente tão largo quanto comprido. 

O stop  é  moderadamente bem definido. 

As bochechas misturam-se suavemente dentro do poderoso focinho, cuja cana nasal é em nível e paralela com o crânio. 

O focinho e o topo do crânio são relativamente iguais em compri¬mento. 

O nariz é completamente pigmentado na trufa, preto em cães pinta¬dos de preto e marrom em cães pintados de fígado. Pigmentação incompleta do nariz é uma falta maior. O lábios são limpos e bem ajustados. 

Os dentes encontram-se numa mordedura em tesoura. Retrognatismo ou prognatismo são desqualificações.

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO  

O pescoço é graciosamente arqueado, razoavelmente longo, livre de barbelas e funde-se suavemente aos ombros. 

A linha superior é plana. 

O tórax é profundo, de boa capacidade e de largura moderada, ten¬do bom arqueamento de costelas sem ser em forma de barril. O esterno atinge o cotovelo. A linha inferior da caixa torácica curva-se gradualmente em um moderado esgalgamento. O dorso é em nível e forte. O lombo é curto, musculoso e levemente arqueado, os flancos estreitos de uma parte a outra do lombo. A garupa é quase em nível com o dorso. A cauda é a extensão natural da  linha su¬perior. Ela não é inserida muito baixa. Ela é forte na inserção e afina em direção à ponta, a qual atinge o jarrete. Nunca cortada. A cauda é portada com uma ligeira curva para cima porém nunca deve curvar-se sobre a linha superior. Cauda enrolada para cima ou de inserção baixa são faltas.

 ANTERIORES   

Os ombros são delicadamente musculados e bem inclinados para trás. O braço é aproximadamente igual em comprimento à escápula e junta-se a ela em um ângulo suficiente para assegurar que os pés caiam abaixo do ombro. Os cotovelos estão junto ao corpo. As per¬nas são retas, fortes e de ossatura vigorosa. Há uma ligeira inclinação dos metacarpos, indicando flexibilidade.

 POSTERIORES  

Os posteriores são poderosos, com músculos lisos e bem definidos. O joelho é bem angulado. Os jarretes são bem descidos. Quando o DÁLMATA para, suas pernas, vistas por trás, são paralelas uma com a outra da ponta da garupa até o calcanhar da almofada.  Jarretes de vaca são uma falta maior.

 PÉS  

Pés são muito importantes. Ambos, da frente e de trás são redon¬dos, compactos com almofadas espessas e elásticas e dedos bem ar¬queados. Pés chatos são uma falta maior. As unhas são pretas e/ou brancas em cães pintados de preto e marrom e/ou branco em cães pintados de fígado. Quintos dedos podem ser removidos.

 

PELAGEM  

O pelo é curto, denso, refinado e coeso. Ele não é nem lanoso nem sedoso, ele é macio, lustroso e de aparência saudável.

 

COR E MARCAÇÃO 

Cor e marcação, e a sua aparência global são pontos muito impor¬tantes para serem avaliados. A cor de fundo é branco-puro. Em cães pintados de preto as pintas são preto denso. Em cães pinta-dos de fígado as pintas são marrons. Qualquer outra cor das marcas que não preto ou fígado é uma desqualificação. 

As pintas são redondas e bem definidas, quanto mais distintas melhor. Elas variam de tamanho desde o tamanho de 10 centavos de dólar até o tamanho de meio dólar. Elas são distribuídas de maneira agradável e uniforme. Quanto menos as pintas se misturarem melhor. As pintas são geralmente menores na cabeça, pernas e cau¬da do que no corpo. Orelhas são de preferência pintadas. 

Tricolor (que ocorre raramente na raça) é uma desqualificação. Isso consiste em marcas canela (tan) encontradas na cabeça, pes¬coço, antepeito, pernas ou na cauda em um cão pintado de preto ou de fígado. 

Bronzeamento das manchas pretas, ou empalidecimento ou escureci¬mento das pintas fígado devido a condições ambientais ou processo normal de muda de pelo não é coloração tricolor. 

 Malhas ("patches") constituem uma desqualificação. A malha ("patch") é uma massa sólida de pelos pretos ou fígado que não contém pelos brancos. Ela é apreciavelmente maior do que uma 

pin¬ta de tamanho normal. Malhas ("patches") são de cor densa, bri¬lhante com bordos lisos, nitidamente definidos. Malhas ("patches") estão presentes no nascimento. 

Grandes massas de cor formadas por pintas misturadas ou  sobre¬postas não são malhas ("patches"). Em tais massas as pintas indi¬viduais devem ser  identificadas pelos bordos irregulares e/ou pelos brancos espalhados através da massa.

 MOVIMENTAÇÃO 

Tomando-se em conta o uso histórico do DÁLMATA como cão de carruagem, movimentação e resistência são de grande importância. Os movimentos são firmes e sem esforços. Angulações anteriores e posteriores balanceadas combinadas com musculatura poderosa e boa condição produz  uma ação suave e eficiente. Há uma poderosa propulsão do posterior, coordenada com extenso alcance na frente. A linha superior permanece em nível. Cotovelos, jarretes e

 pés não se viram nem para dentro nem para fora. A medida em que a velocidade aumenta há uma tendência a rastros únicos ("single tracking").

 

TEMPERAMENTO 

O temperamento é estável e extrovertido ainda cheio de dignidade. Timidez é uma falta maior.

 

 

 

 ESCALA DE PONTOS

 

Aparência Geral...............................................  5

Tamanho, Proporção, Substância.................... 10

Cabeça............................................................ 10

Pescoço, Linha Superior, Corpo..................... 10

Anteriores........................................................  5

Posteriores.......................................................  5

Pés...................................................................  5

Pelagem...........................................................  5

Cor e marcas................................................... 25

Movimentação................................................ 10

Temperamento................................................ 10

                                                 

TOTAL..........................................................100

  

DESQUALIFICAÇÕES 

 

- Qualquer macho ou fêmea acima de 61cm (24) na cernelha. 

-  Retrognatismo ou prognatismo. 

-  Qualquer cor ou pintas outras que preto ou fígado. 

-  Malhas ("patches").

 

 

 

 

KEESHOND

 

 

 

 PADRÃO OFICIAL DO KEESHOND

 

APARÊNCIA GERAL 

 O KEESHOND  é um cão natural, vistoso de corpo bem balanceado, curto, atraindo a atenção não só por sua coloração, porte alerta e expressão inteligen¬te, mas também por sua pelagem armada, sua cauda ricamente pluma¬da bem curvada sobre sua linha superior, sua expressão de raposa e suas pequenas orelhas pontudas. Sua pelagem é muito espessa em volta do pescoço, parte anterior dos ombros e tórax formando uma juba tipo da do leão - mais profusa nos machos. A garupa e os posteriores para baixo até o jarrete, também são espessamente pe¬ludos, formando os característicos calções. Sua cabeça, orelhas e parte baixa das pernas são cobertas por pelos espessos e curtos.

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA 

O KEESHOND é um cão de tamanho médio, de aparência quadrada, vigoroso, nem grosseiro nem de construção leve. A altura ideal para um cão maduro quando medida da ponta da cernelha ao chão é de 45,5 cm  para os machos e de 43 cm  para as fêmeas - uma variação de 2,5cm  em ambos os sentidos é aceitável. Ain¬da que o tamanho correto seja muito importante, ele não deve se sobrepor ao tipo.

CABEÇA 

A expressão é altamente dependente da característica distintiva denominada óculos - uma combinação de marcas e matizes na área orbitária que devem incluir uma linha delicada, inclinada do can¬to externo de cada olho em direção ao canto mais baixo de cada orelha com sobrancelhas expressivas. Marcas (ou matizes) no foci¬nho e na cabeça devem apresentar uma aparência agradável, confe¬rindo ao cão uma expressão alerta e inteligente. FALTAS MUITO SÉRIAS - Ausência das linhas escuras que formam os óculos.

OLHOS  

Os olhos devem ser de cor marrom-escura, de tamanho médio, forma¬to amendoado, inseridos obliquamente e nem muito separados nem muito juntos. O bordo das pálpebras é preto. FALTAS - Olhos redondos e ou protrusos ou olhos de cor clara.

ORELHAS   

As orelhas devem ser pequenas, de formato triangular, elevadas altas na cabeça e portadas eretas. O tamanho deve ser proporcional à cabeça - comprimento aproximado ao do canto externo do olho ao bordo mais próximo da orelha. FALTAS - Orelhas não portadas eretas quando em atenção.

CRÂNIO 

 A cabeça deve ser bem proporcionada ao corpo e em quando vista de cima em formato de cunha - não apenas o focinho, mas toda a cabeça, devem dar essa impressão quando as orelhas são puxadas, com uma das mãos, para a cobertura da nuca do pescoço. A cabeça de perfil deve apresentar um stop definido.

FALTAS - Cabeça de maçã, ou ausência de stop.

FOCINHO  

De comprimento médio, nem grosseiro nem pontudo e bem proporcio¬nado ao crânio.  

BOCA 

A boca não deve ser nem retrognata nem prógnata. Os lábios devem ser pretos e firmemente justapostos - nem espessos, gros¬seiros ou pendurados - e sem nenhuma ruga nos cantos da boca. FALTAS - Retrognatismo, prognatismo, boca torta.

DENTES

Os dentes devem ser brancos, saudáveis e fortes, dispos¬tos numa mordedura em tesoura. FALTAS - Dentes desalinhados.

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO 

O pescoço deve ser moderadamente longo, bem conformado e bem in¬serido nos ombros. O corpo deve ser compacto com uma linha supe¬rior curta e reta inclinando-se, ligeiramente para baixo, em direção aos posteriores; de boas costelas, bem redondas em barril, lombo curto, abdômen moderadamente esgalgado, de tórax profundo e forte.

CAUDA  

A cauda deve ser moderadamente comprida e bem franjada, inserida no alto e fortemente curvada sobre a linha superior, ela deve ficar achatada e junto ao corpo. A cauda deverá fazer parte da silhueta do corpo do cão, ao invés de dar a aparência de um apêndice. FALTA: Cauda que não fica junto ao corpo.

ANTERIORES  

Os anteriores devem ser retos vistos de qualquer ângulo. Os meta¬carpos são fortes e com ligeira inclinação. As pernas devem ser de boa ossatura em proporção ao conjunto do cão. O ângulo do ombro com o antebraço é de ligeira a moderada.

POSTERIORES  

A  angulação dos posteriores deve ser de ligeira a moderada para complemento dos anteriores, criando uma movimentação balanceada e típica. Os posteriores são bem musculosos com jarretes perpendiculares ao chão.

PÉS  

Os pés devem ser compactos, bem arredondados, tipo dos de gato. Dedos graciosamente arqueados, com unhas pretas.

PELAGEM 

O corpo deve ser abundantemente coberto com pelos longos, retos, ásperos que se projetam bem para fora  do sub-pelo espesso e felpudo. A cabeça incluindo focinho, crânio e orelhas, deve ser co¬berta por pelos assentados, macios e curtos - de textura aveluda¬da nas orelhas. O pescoço é coberto por uma juba - mais profusa no macho - extensa desde a mandíbula e cobrindo toda a parte da frente dos ombros e tórax, assim como a parte superior dos om¬bros. O pelo das pernas deve ser assentado e curto, exceto pelo franjamento nas pernas da frente e pelos calções nos posterio¬res. Os posteriores devem ser profusamente franjados para baixo até o jarrete - nunca abaixo. O pelo da cauda deve formar uma rica pluma. A pelagem não deve abrir-se nas costas. O Keeshond é para ser apresentado no estado natural com corte  permitido apenas dos pés. metacarpos, jarretes e - se desejado - bigodes. Cortes  outros que os descritos devem ser severamente penalizados. FALTAS - Pelagens sedosas, onduladas ou crespas. Pelo aberto nas costas.

COR E MARCAS  

Um cão dramaticamente marcado, o KEESHOND é uma mistura de cinza, preto e creme. Essa coloração podendo variar do claro ao escuro. Os pelos do pelo externo tem a ponta preta e o comprimento das pontas pretas produzem os matizes da cor, característicos. Os filhotes são freqüentemente menos intensamente marcados. O sub-pelo é cinza muito pálido, ou creme, nunca cor de canela.

CABEÇA  

O focinho deve ser de cor mais escura. Os óculos e matizes an¬teriormente descritos são característicos da raça e devem estar presentes em certo grau. Orelhas devem ser muito escuras - quase pretas.

COLAR, OMBROS E CALÇÕES 

A cor do colar e dos calções é mais clara que a do corpo. As marcas da linha dos ombros de um cinza-claro devem ser bem definidas.

CAUDA  

A pluma da cauda é de cor muito clara quando curvada sobre a linha superior, e a ponta da cauda deve ser preta.

PERNAS E PÉS 

- As pernas e os pés são creme. FALTAS - Manchas brancas pronunciadas. Marcas pretas para além da metade de baixo das pernas, excetuando as marcas de giz. Branco no pé ou pés.

FALTAS MUITO SÉRIAS - Inteiramente pretos ou brancos ou de qual¬quer outra cor sólida, qualquer desvio pronunciado da cor como o descrito.

MOVIMENTAÇÃO  

A movimentação distintiva do KEESHOND  é única da raça. O cão deve se mover atrevidamente e mantendo a cauda sobre a linha su¬perior. Ele deve se movimentar limpa e vivamente; os movimentos devem ser retos e incisivos com alcance e propulsão entre pequeno a moderado.

TEMPERAMENTO  

O temperamento é de importância primordial. O KEESHOND não é nem tímido nem agressivo, porém em vez disso, efusivo e amistoso com pessoas e outros cães. O KEESHOND é um cão vivaz, inteligente, alerta e uma companhia afetuosa.

      

 

 

LHASA APSO

 

PADRÃO OFICIAL DO LHASA APSO

 

CARÁTER   

Alegre e positivo, porém cauteloso com estranhos.

 TAMANHO

Variável, mas cerca de 25,5 cm ou 28cm  na cernelha para os machos, Fêmeas ligeiramente menores.

 COR  

Todas as cores são igualmente aceitáveis com ou sem pontas pretas nas orelhas e barba.

 FORMATO DO CORPO  

O comprimento, da ponta do ombro até a ponta do traseiro, maior do que a altura na cernelha, bom arqueamento das costelas, lombo forte, quartos e coxas bem desenvolvidos.

 PELAGEM  

Pesada, reta, áspera, não lanosa ou sedosa, de bom comprimento e muito densa.

 BOCA E FOCINHO  

A mordedura preferida é tanto em torquês como ligeiramente prog¬nata. Focinho de comprimento médio, um focinho quadrado é objetável.

 CABEÇA  

Cabeça pesadamente franjada com uma cortina de pelos sobre os olhos, bons bigodes e barba; crânio estreito caindo para a frente atrás do olhos em um degrau marcado, não completamente achatado, porém não abaulado ou cabeça de maçã; focinho reto de comprimento moderado. Nariz preto, o comprimento - da ponta do nariz aos olhos deve ser, a grosso modo, cerca de 1/3 do comprimento total - do nariz até a parte de trás do crânio.

 OLHOS  

Marrons-escuros, nem muito grandes e cheios, nem muito pequenos e afundados.

 ORELHAS  

Pendentes, pesadamente franjadas.

 PERNAS

Anteriores retos e ambas as pernas da frente e de trás pesadamen¬te franjados.

 PÉS  

Bem franjados, devem ser redondos e tipo dos de gato com boas almofadas.

 CAUDA E PORTE  

Bem franjada, deve ser portada bem sobre a linha superior, em hélice. Pode haver um gancho na ponta. Um porte baixo, para trás é uma falta séria.

 

 

 

 

 

 

POODLE

 

 PADRÃO OFICIAL DA RAÇA POODLE

 

APARÊNCIA GERAL, PORTE E CONDIÇÃO 

De um cão muito ativo, inteligente e de aparência elegante, de construção quadrada, bem proporcionada movendo-se vigorosamente e portando a si mesmo, orgulhosamente. Cortado (trimado) apropri¬adamente no corte tradicional e cuidadosamente preparado, o  POO¬DLE tem consigo um ar de distinção e dignidade peculiar a si mes¬mo.

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA 

TAMANHO 

O POODLE GIGANTE (STANDARD) tem acima de 40 cm no pon¬to mais alto da cernelha. 

O POODLE MÉDIO tem de 38 cm à 40 cm no ponto mais alto da cernelha.

O POODLE MINIATURA tem de 28 cm  à 38 cm no ponto mais alto da cernelha..

O POODLE ANÃO (TOY) tem 28 cm ou menos no ponto mais alto da cernelha. 

Na mesma proporção que um POODLE ANÃO é definitivamente um POODLE ANÃO e o POODLE MINIATURA é um POODLE MINIATURA, ambos são balanceados e proporcionais à variedade, a pequenez é o fator que decide, enquanto os outros pontos são iguais.

PROPORÇÃO  

Para assegurar a desejável aparência de construção quadrada o comprimento do corpo medido da ponta do esterno até a ponta do ísquio aproxima-se da altura do ponto mais alto dos ombros ao chão.

SUBSTÂNCIA  

Ossatura e musculatura de ambos, anteriores e posteriores, estão em proporção ao tamanho do cão.

CABEÇA E EXPRESSÃO 

a) - OLHOS -  muito escuros,  de formato oval e colocados, suficientemente, afastados e posicionados para criar uma expressão alerta e inteligente. FALTA MAIOR: olhos redondos, protrusos, grandes ou muito claros.

b) - ORELHAS -  pendendo junto à cabeça, inseridas ao nível do olho, ou ligeiramente abaixo. O couro da orelha é longo, largo e espessamente franjado, entretanto a franja da orelha não deve ser de comprimento excessivo.

c) - CRÂNIO -  moderadamente arredondado, com um stop ligei¬ro, porém definido. Arcos zigomáticos e músculos achatados. Com¬primento do occipital ao stop aproximadamente o mesmo do que o comprimento do focinho.

d) - FOCINHO -  comprido, reto, refinado, com ligeiro cinzelamento abaixo dos olhos. Forte e sem muito desenvolvimento dos lábios. O queixo definido o bastante para impedir um focinho 

pon¬tudo.  FALTA MAIOR - Falta de queixo. DENTES -brancos, fortes e com mordedura em tesoura. FALTA MAIOR: prognatismo, retrognatis¬mo, boca torta.

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO  

Pescoço bem proporcionado, forte e comprido o bastante para per¬mitir que a cabeça seja portada alta e com dignidade. A pele a¬pertada na garganta. O pescoço eleva-se dos ombros fortes de mus¬culatura suave. FALTA MAIOR: pescoço de ovelha.     

A linha superior é em nível, nem inclinada nem arqueada, desde o ponto mais alto dos ombros até a base da cauda, com exceção de uma ligeira depressão bem atrás do ombro.

CORPO

a) - Tórax profundo e moderadamente largo, com costelas bem arqueadas.

b) - Lombo curto, largo e musculoso.

c) - Cauda reta, inserida alta e portada para cima, cortada de um tamanho suficiente para assegurar uma silhueta balanceada. FALTA MAIOR: inserção baixa, curvada ou portada sobre a linha superior.

ANTERIORES   

Ombros fortes de musculatura suave. As escápulas são bem inclina¬das para trás e aproximadamente do mesmo comprimento do braço. FALTA MAIOR: ombros retos.

a) - PERNAS DA FRENTE retas e paralelas quando vistas de frente. Quando vistas de lado o cotovelo diretamente abaixo do ponto mais alto do ombro. Os metacarpos são fortes. Quintos dedos podem ser removidos.

PÉS  

Os pés são muito pequenos, de formato oval com dedos bem arquea¬dos e acolchoados por firmes almofadas espessas. Unhas curtas, porem não excessivamente encurtadas. Os pés não se virando nem para dentro nem para fora. FALTA MAIOR: pé de papel ou espalhado.

POSTERIORES  

As angulações dos posteriores são balanceadas com a dos anterio¬res.

a) - PERNAS DE TRÁS retas e paralelas quando vistas por trás. Musculosas com largura na região dos joelhos, que são bem angulados; fêmur e tíbia são quase iguais em comprimento; curto do jarrete ao calcanhar e perpendicular ao chão. Quando parado os dedos de trás ficam apenas ligeiramente para trás da ponta do ís¬quio. FALTA MAIOR: jarrete de vaca.

PELAGEM

a) - QUALIDADE - 1) - Crespa: de textura naturalmente áspe¬ra, completamente densa. 2) - Encordoada: pendendo em cordas com¬primidas uniformes que variam de comprimento; mais longas na juba ou pelagem do corpo, cabeça e orelhas, mais curtas nos pompons, braceletes e borlas.

b) CORTE - Um POODLE  abaixo de 12 meses pode ser apresenta¬do no "corte filhote" (Puppy clip). Nas Classes regulares  POO¬DLES com 12 meses ou mais devem ser apresentados nos cortes "Sela Inglesa" (English saddle) ou no "Continental". Nas clas¬ses Padreador e Matriz e na não competitiva Parada dos Campeões, os POODLES podem ser apresentados no corte Esportivo (Sporting clip). Um  POODLE apresentado em qualquer outro tipo de corte deve ser desclassificado.

1) - CORTE FILHOTE - (Puppy clip) um POODLE abaixo de um ano de idade pode ser apresentado no Corte Filhote com a pelagem longa. O focinho, garganta, pés e base da cauda são rapados. O pé totalmente rapado está visível. Há uma borla no fim da cauda. A fim de dar uma aparência limpa e uma linha contínua suave, a mo¬delagem da pelagem é permitida.

2) - SELA INGLESA (English saddle) - No Corte Sela Ingle¬sa, o focinho, garganta, pés, pernas da frente e base da cauda são rapados deixando pompons nos anteriores e uma borla no fim da cauda. Os posteriores são cobertos por uma camada de pelo curta exceto por uma área rapada em cada flanco e duas faixas rapadas em cada posterior. O pé totalmente rapado e a porção rapada da perna da frente acima do pompom estão visíveis. O resto do corpo é deixado com pelagem plena, mas pode ser modelado com o fim de se obter um balanceamento geral.

3) - CONTINENTAL - No Corte Continental o focinho, garganta, pés e base da cauda são rapados. Os posteriores são rapados com borlas opcionais nas pontas da garupa e pompons nas pernas de trás. Há uma borla no fim da cauda. O pé totalmente rapado e a porção rapada da perna da frente acima do pompom estão visíveis. O resto do corpo é deixado com pelagem plena, mas pode ser mode¬lado com o fim de obter um balanceamento geral. 

4) - ESPORTIVO (SPORTING) - No Corte Esportivo o POODLE deve ser apresentado com  o focinho, garganta, pés e base da cauda ra¬pados, deixando no alto da cabeça uma casquete feita a tesoura  e na ponta da cauda, uma borla. O resto do corpo e as pernas são cortados com máquina ou tesoura seguindo o contorno do cão, dei¬xando uma cobertura curta de pelo não mais comprida do que 2,5cm . O pelo das pernas pode ser mais comprido do que o do corpo.

Em todos os cortes o pelo do topete pode ser deixado solto ou preso no lugar por uma banda elástica. O pelo é de comprimento apenas suficiente para apresentar um perfil uniforme. "Topete" diz respeito apenas ao pelo do crânio, do stop até o occipital. Esta é a única área onde bandas elásticas podem ser usadas.

COR  

A pelagem é de uma cor uniforme e sólida na altura da pele. Nos azuis, cinzas, pratas, marrons, cafés com leite, abricós e cremes a pelagem pode variar em matizes da mesma cor. Isto é freqüente¬mente presente em algumas partes do franjamento mais escuro das orelhas e nas pontas dos pelos da juba. Apesar de cores limpas serem, definitivamente, preferidas, esta variação do matiz da pelagem não deve ser considerada uma falta. POODLES marrons e cafés com leite 

tem o nariz, bordo das pálpebras e lábios coloridos de fígado, unhas escuras e olhos de cor âmbar. POODLES pretos, azu¬is, cinzas, pratas, cremes e brancos tem o nariz, bordo das pál¬pebras e lábios pretos, unhas pretas ou de cor sólida e olhos muito escuros. Nos abricós ainda que esta última coloração seja a preferida, nariz, bordo das pálpebras e lábios de cor fígado e olhos de cor âmbar são permitidos, porém não desejáveis. FALTA MAIOR: cor do nariz, lábios e bordo das pálpebras incompleta ou de cor errada em relação à coloração do cão. Cães com mais de uma cor (particolors) devem ser desqualificados. A pelagem de um cão com mais de uma cor (particolor) não é uma cor sólida uniforme na pele, porém duas ou mais cores.

MOVIMENTAÇÃO  

Um trote franco com uma leve ação de molejo e forte propulsão dos posteriores. Cabeça e cauda portadas altas. Movimentação vigorosa e sem esforços é essencial.

TEMPERAMENTO 

Portando a si mesmo orgulhosamente, muito ativo, inteligente, o POODLE tem com ele um ar de distinção e dignidade peculiar a si mesmo. FALTA MAIOR: timidez ou violência.

FALTAS MAIORES  

Qualquer desvio distinto das características descritas pelo Padrão da raça. 

DESQUALIFICAÇÕES  

CORTE - Um cão com outro tipo de corte dos listados sob o item PELAGEM deverá ser desclassificado. "Particoloridos" A pelagem de um cão "parti-colorido" não é de uma cor 

sólida uniforme na pele, porém de duas ou mais. Cães "parti-coloridos" deverão ser desqualificados.

VALOR DOS PONTOS

Aparência Geral, temperamento, porte e condição...... 30

Cabeça, expressão, orelhas, olhos e dentes................... 20

Corpo, pescoço, pernas, pés e cauda.................. ...........20

Movimentação......................................... ......................20

Pelagem, cor e textura................................................... 10

TOTAL........................................................................100 

 

 

SCHIPPERKE

 

 

 

PADRÃO OFICIAL DO SCHIPPERKE

 

APARÊNCIA GERAL

O SCHIPPERKE é um Cão de alarme ágil e ativo e um caçador de ani¬mais daninhos. De aparência ele é um Cão pequeno, atarracado de corpo compacto, preto, anuro com uma cara similar à da raposa. O Cão é de perfil quadrado e possui uma pelagem característica, que inclui um colar espetado, manto e culotes. Tudo isto cria uma silhueta única, que aparenta inclinar-se dos ombros para a garu¬pa. Os machos são decididamente masculinos sem grosseria. As fê¬meas são decididamente femininas sem excesso de refinamento. Qualquer desvio do ideal descrito pelo Padrão deve ser penalizado de conformidade com a extensão do desvio. Faltas comuns a todas as raças são também indesejáveis no SCHIPPERKE como em qualquer outra, ainda que tais faltas possam não estar especificamente mencionadas no Padrão.

 

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA

TAMANHO

A altura recomendada no ponto mais alto da cernelha é 28 cm a 33 cm  para os machos e 25,5 cm a 30,5 cm  para as fêmeas. Qualidade deve sempre ter precedência sobre o tamanho.

PROPORÇÃO - De perfil quadrado. 

SUBSTÂNCIA - Atarracado.

 

CABEÇA

EXPRESSÃO - A expressão é interrogativa, malvada, descarada e alerta, porém nunca vil ou selvagem. A cabeça bem proporcionada, acompanhada pelos olhos e orelhas corretos, deve dar ao Cão a expressão própria do SCHIPPERKE.

CRÂNIO - O crânio é de largura média, estreitando em direção ao focinho. Vistas de perfil as orelhas deitam-se para trás, e o crânio é ligeiramente arredondado. O maxilar superior é moderada¬mente cheio abaixo dos olhos, de modo que, quando vista por cima, a cabeça forma uma cunha afilando suavemente da parte de trás do crânio em direção à ponta do nariz. O stop é definido, mas não proeminente. O comprimento do focinho é ligeiramente menor que o comprimento do crânio.

OLHOS - Os olhos ideais são pequenos, mais para ovais do que re¬dondos, marrom escuro e situados  adiante na cabeça. 

ORELHAS - As orelhas são pequenas, triangulares , colocadas alto na cabeça e, quando em atenção muito eretas. Uma orelha, ou ore¬lhas caídas constituem desqualificação.

NARIZ  - O nariz é pequeno e preto.

MORDEDURA  - A mordedura deve ser em tesoura ou em torquês. Qual¬quer desvio deverá ser severamente penalizado.

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO

PESCOÇO - O pescoço é de comprimento moderado, ligeiramente arque¬ado e em balanceamento com o resto do Cão para conferir uma si¬lhueta correta.

LINHA SUPERIOR - A linha superior é em nível ou ligeiramente in¬clinada da cernelha para a garupa. O colar ereto aumenta a inclinação, fazendo que o Cão pareça ligeiramente mais alto na cerne¬lha do que na garupa.

CORPO - O tórax é largo e profundo e atinge os cotovelos. As cos¬telas bem arqueadas (oval modificado) são largas atrás dos ombros e afinam em direção ao esterno. O antepeito se estende em adiante dos ombros na frente das pernas. O lombo é curto, musculoso e moderadamente recolhido. A garupa é larga e bem arredondada, com a cauda cortada. Nenhuma cauda é visualmente discernível.

 

ANTERIORES

Os ombros são bem inclinados para trás, com  as pernas estenden¬do-se retas para baixo do corpo quando vistas de frente. De lado, as pernas são colocadas bem embaixo do corpo. Os metacarpos  são curtos, grossos e fortes, porém, não obstante, flexíveis, apre¬sentando um ligeiro ângulo quando visto de lado.  Quintos dedos são geralmente removidos. Os pés são pequenos, redondos e compactos. AS unhas são curtas, fortes e pretas.

 

POSTERIORES

Os posteriores aparentam ser ligeiramente maiores que os anterio¬res, porém são bem musculosos e em balanceamento com a frente. Os jarretes são bem descidos e os joelhos bem angulados.  Angulação extrema deve ser penalizada. De trás, as pernas se estendem retas para baixo desde a garupa passando pelo jarrete até o pé. Quintos dedos devem ser removidos.  

 

PELAGEM

PADRÃO - A pelagem do adulto é altamente característica e deve incluir alguns comprimentos distintos de crescimento natural em um padrão específico. A pelagem é curta na cara, orelhas, frente das pernas e nos jarretes; ela é de comprimento médio no corpo e mais longa no colar, manto, jabô e culotes. O colar começa na parte de trás das orelhas e se estende completamente ao redor do pescoço; o manto forma uma camada adicional distinta estendendo-se além do colar; o jabô se estende obliquamente ao tórax e desce por entre as pernas da frente. O pelo do meio das costas, come¬çando exatamente atrás do manto e continua por cima da garupa e jaz acamado. Ele é mais ligeiramente mais curto do que o manto, porém mais comprido do que o pelo dos lados do corpo e dos lados das pernas. A pelagem na parte de trás das coxas forma culotes, que devem ser tão longos como o colar.  Falta de diferenciação do comprimento da pelagem deve ser pesadamente  penalizado por que isto é uma característica essencial da raça. 

TEXTURA - A pelagem é abundante, reta e ligeiramente áspera ao toque. O sub-pelo mais macio é denso e curto no corpo e é muito denso ao redor do pescoço, fazendo com que o colar fique armado.  Pelagens sedosas, pelagens do corpo superior em comprimento a 7,5 cm  ou pelagens ásperas muito curtas são igualmente incor-retas.

CORTE (TRIMMING) - Porque o SCHIPPERKE é uma raça natural, apenas o corte dos bigodes e o pelo entre as almofadas dos pés é opcio¬nal. Qualquer outro corte não deve ser feito.

 COR

O pelo externo deve ser preto. Qualquer outra cor do que o preto natural é uma desqualificação. O sub-pelo, entretanto, pode ser ligeiramente mais claro. Durante o período de muda, o pelo pode tomar um matiz avermelhado transitório, que deverá ser penalizado no grau em que ele detrata a aparência preta. 0 geral do Cão. Acinzentamento devido à idade (sete anos ou mais velho) ou ocasionais pelos brancos não devem ser penalizados.

MOVIMENTAÇÃO

A movimentação apropriada do SCHIPPERKE é um trote suave bem co¬ordenado e gracioso (basicamente deixando rastros duplos em velocidade moderada) com uma tendência a gradualmente convergir em direção à centro de balanceamento abaixo do Cão à medida em que a velocidade aumenta. Frente e posterior devem estar em perfeito balanceamento com bom alcance da frente, e propulsão no posterior. A linha superior permanece em nível ou ligeiramente inclinada para baixo da cernelha em direção à garupa. Vistos de frente o cotovelo permanecem junto ao corpo. As pernas formam uma linha reta desde o ombro, através dos cotovelos até o pé, com os pés apontando reto para adiante. De trás, as pernas formam uma linha reta desde a garupa, através dos jarretes até as almofadas plan¬tares, com pés apontando reto para adiante.

 

TEMPERAMENTO

O SCHIPPERKE é curioso, interessado em tudo ao seu redor e um excelente e fiel Cão de alarme. Ele é reservado com estranhos e pronto a proteger sua família e propriedade se necessário. Ele demonstra uma personalidade confiante e independente, refletindo os propósitos originais da raça como Cão de alarme e exterminador de animais daninhos.

 

DESQUALIFICAÇÕES   

•- Orelha ou orelhas caídas.

•- Qualquer outra cor do que preto natural.

 

 

SHARPEI

 

 

 CABEÇA  

Ligeiramente grande, porém não excessivamente, portada orgulhosa¬mente, coberta com rugas profusas no focinho continuando em rugas laterais que emolduram a cara. Olhos - Escuros, pequenos, de formato amendoado e profundos, apresentando uma expressão carrancuda. Nos cães de coloração mais clara, a cor dos olhos podem ser mais clara. Orelhas - Extremamente pequenas, razoavelmente grossas, em formato de triângulo eqüilátero, levemente arredondadas nas pontas; as margens das orelhas podem ser enroladas. As orelhas ficam achatadas contra a cabeça, são inseridas no crânio muito afastadas e apontando em direção aos olhos. As orelhas tem a habilidade de se mover. Orelhas eretas são uma desqualificação. CRÂNIO - Achatado e largo, o stop moderadamente definido. FOCINHO - Um dos aspectos mais distintivos da raça. Ele é largo e cheio sem sugestão de ser pontudo. Seu comprimento, do nariz ao stop, é aproximadamente o mesmo do que o do stop ao occipital.  Nariz - Grande, largo e pigmentado de escuro, preferentemente preto, po¬rém qualquer cor de nariz que esteja em conformidade com a coloração geral do Cão é aceitável. Em cores diluídas o nariz preferido é o de cor uniforme. No SHAR-PEI colorido de creme-escuro poderá haver alguma pigmentação clara tanto no centro do nariz, como no nariz inteiro. Os lábios e a parte superior do focinho são bem acolchoados e podem causar uma leve protuberância na base do nariz.                                          

          

LÍNGUA, CÉU DA BOCA, GENGIVAS E LÁBIOS  

Preto-azulado sólido é preferível em todas as cores de pelagem, exceto nas cores diluídas, as quais tem uma pigmentação lilás. Uma língua com pintas é uma falta grave. Uma  língua cor-de-rosa sólida é uma desqualificação. A cor da língua pode clarear devido à tensão do calor; é preciso tomar cuidado para não confundir a pigmentação diluída com língua cor-de-rosa.

 

DENTES  

Fortes, encontrando-se em uma mordedura em tesoura. Desvios da mordedura em tesoura é uma falta grave.

 

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR, CORPO  

PESCOÇO  

De comprimento médio, cheio e bem inserido nos ombros. Em redor do pescoço e na garganta há, de moderadas a pesadas, pregas de pele solta e barbela abundante. 

LINHA SUPERIOR  

A linha superior afunda ligeiramente atrás da cernelha, elevando-se levemente para cima no lombo curto e largo. Tórax - Largo e profundo com o esterno atingindo os cotovelos e elevando-se leve¬mente embaixo do lombo. Dorso - curto e compacto. Garupa - Achatada com a base da cauda inserida extremamente alta, expondo cla-ramente o ânus voltado para cima. Cauda - A cauda de inserção alta é um aspecto característico do SHAR-PEI. A cauda é grossa e redonda na base, afinando em direção a uma ponta fina e curvada sobre, ou para um dos lados da linha superior. A ausência de uma cauda completa é uma desqualificação.

 ANTERIORES  

Ombros - Musculosos, inseridos bem para trás e inclinados. Pernas da frente - Quando vistas de frente, retas e moderadamente afastadas, com os cotovelos junto ao corpo. Quando vistas de lado, as pernas da frente são retas, e os metacarpos fortes e flexíveis. Os ossos são substanciais, porém nunca pesados e são de comprimento moderado. A remoção dos quintos dedos é opcional. Pés - De tamanho moderado, compactos e fortemente ajustados, nunca espalhados.

 POSTERIORES  

Musculosos, fortes e moderadamente angulados. Os metatarsos (jarretes) são curtos, perpendiculares ao chão e quando vistos por trás, paralelos um com o outro. Quintos dedos precisam ser removidos.  Pés - como os da frente.

 PELAGEM 

 A pelagem extremamente áspera é um dos aspectos distintivos da raça. O pelo é absolutamente reto e espetado na parte principal do tronco porém, freqüentemente, fica um tanto quanto acamado nos membros. A pelagem aparenta ser saudável sem que seja sedosa ou lustrosa. Os comprimentos aceitáveis da pelagem podem variar des-de extremamente curto  pelagem de cavalo até pelagem de escova, não excedendo de 2,5 cm  de comprimento na cernelha. Uma pelagem macia, uma pelagem ondulada, uma pelagem com mais de 2,5 cm  de comprimento na cernelha, ou uma pelagem que foi cortada (trimada) é uma falta grave. O SHAR-PEI é apresentado no seu estado natural.

 COR  

Só cores sólidas são aceitas. Um Cão de cor sólida pode ter matizes, principalmente sendo mais escuro ao longo do dorso e nas orelhas. Os matizes precisam ser variações da mesma cor do corpo (exceto nos marta) e pode incluir pelos mais escuros misturados na pelagem. As seguintes cores constituem faltas desqualificantes: uma cor não sólida, isto é, albinos, tigrados, particolors (malhados), chitados (pintados, pintalgados ou ruãos) com marcação canela (típicos padrões preto e canela ,black & Tan ou mantado).

 

MOVIMENTAÇÃO  

A movimentação do SHAR-PEI deve ser julgada em trote. A andadura é livre e balanceada com os pés tendendo a convergir para a linha central de gravidade quando o Cão se movimenta em trote vigoroso. A andadura combina bom alcance anterior e uma forte propulsão dos posteriores. Movimentação apropriada é essencial.

 

TEMPERAMENTO  

Régio, alerta, inteligente, cheio de dignidade, arrogante, carrancudo, sóbrio e afetado (snob) , essencialmente independente e um tanto retraído com estranhos, porém extremado em sua devoção para com a sua família. O SHAR-PEI para firmemente no chão com uma pose calma e confiante.

 

FALTAS GRAVES 

 • Desvios da mordedura em tesoura.

• Língua manchada.

• Uma pelagem macia, uma pelagem ondulada, uma pelagem com mais de  2,5 cm  de comprimento na cernelha, ou uma pelagem que  foi cortada (trimada).

  

DESQUALIFICAÇÕES

 • Orelhas eretas.

• Língua cor-de-rosa sólida.

• Ausência de cauda completa.

• Uma cor não sólida, isto é, albinos, tigrados, particolors (malhados), chitados (pintados, pintalgados ou ruãos) com marcação canela ( padrões típicos preto e canela,  black & tan, ou mantado).

 

 

 

SHIBA INU

 

 

PADRÃO OFICIAL DO SHIBA INU

 

APARÊNCIA GERAL  

O SHIBA  é uma pequena raça canina. Ele é bem balanceado, de boa ossatura e com bom desenvolvimento muscular. Seu corpo, moderada¬mente compacto e bem peludo sugere a sua origem ártica. A expressão do SHIBA é alerta e indica atividade. Os machos são de aparência masculina, sem serem grosseiros. As fêmeas são femininas, mas sem fraqueza de estrutura.

TAMANHO, PROPORÇÃO, SUBSTÂNCIA 

- Altura machos de 37 cm  a 42 cm  na cernelha, fêmeas de 34,5 cm a 39,5  na cernelha.

DESQUALIFICAÇÃO - Machos acima de  42 cm . Fêmeas acima de 39,5 .

O Peso é proporcional à altura. Os machos tem a altura em relação ao comprimento na razão de 10 para 11; as fêmeas, ligeiramente, mais longas. Os machos, no geral, tem os ossos mais pesados do que as fêmeas.

 

CABEÇA   

A expressão deve demonstrar coragem esperta, precaução e boa índole. A expressão indica atividade. Os olhos devem ser de formato amendoado, inseridos fundo e inclinados para cima. A cor é marrom escura. Olhos ligeiramente mais claros mas que mantém a coloração marrom-avermelhado são aceitáveis. O bordo das pálpebras é preto, e quanto mais escuro o preto, melhor. Olhos marrons claros, amarelos ou cinzas-azulados, constituem falta. As Orelhas são pequenas, triangulares e portadas eretas um pouco inclinadas para a frente e muito pontudas. Devem ser bem afastadas, mas não inseridas embaixo. As orelhas devem ser bem peludas. Orelhas que sejam finas, longas e estreitas, ou que não sejam inclinadas para a frente constituem uma falta. O crânio quando visto por cima, ou de frente, deve se assemelhar a uma cunha rombuda. A testa é larga e os arcos zigomáticos bem desenvolvidos. O Stop é relativa¬mente abrupto, e com uma  depressão ligeira. Focinho - A cana nasal deve ser reta; e o focinho vigoroso, cheio e arredondado. O focinho afila-se desde o stop até a ponta do nariz, o que confere  a toda cabeça, uma aparência da de raposa. Não deve ser pontudo. Nariz  deve ser preto. Nos cães cremes ou brancos,  narizes mais claros são permitidos mas não são preferidos. Colorações claras devem ser penalizadas. Os lábios devem ser bem ajustados e pretos. Em cães cremes ou brancos é permitido um  preto ligeiramente desmaiado, mas não são preferidos. Colorações claras devem ser penalizadas. DENTES - A mordedura em tesoura, com dentição completa, é preferível, mas é aceitável uma mordedura em torquês.

 DESQUALIFICAÇÃO - Retrognatismo ou Prognatismo.

PESCOÇO, LINHA SUPERIOR E CORPO   

O  Pescoço é de comprimento médio, grosso e musculoso. A cernelha é alta. A Linha superior são retas e em nível. O lombo é largo e musculoso. O Tórax é profundo, e a profundidade, é ligeiramente, menor do que a distância do cotovelo ao chão.  As  costelas são moderadamente arqueadas; e o abdômen bem recolhido. A cauda  é inserida alta; é grossa e portada vigorosamente enrolada, ou curvada como uma foice, sobre as costas. Quando em repouso, a ponta atinge, aproximadamente, o jarrete.

ANTERIORES  

O ombro é moderadamente inclinado e bem desenvolvido. Os cotovelos situam-se bem junto ao corpo; os antebraços são retos. As pernas ficam perpendiculares, abaixo dos cotovelos, com uma ligeira inclinação da munheca, quando vista de lado. De substância óssea média, a ossatura não é nem pesada nem leve. Os pés são como os de gato.

POSTERIORES  

Os posteriores são bem musculosos com joelhos de angulação media. Os jarretes são fortes, e não se viram nem para fora nem para dentro. Vistas por trás, as pernas  são paralelas uma com a outra; retas e com coxas, fortemente musculadas. 

PELAGEM   

A pelagem é dupla com o pelo externo forte e reto e sub-pelo macio e denso. O pelo no colar, traseiro e cauda é ligeiramente mais longo. O colar deverá ser um tanto quanto pronunciado formando uma crista circundando o pescoço. Não são permitidos cortes na pelagem. Pelagem longa ou lanosa é uma falta.

 COR  

Todas as cores são aceitas. Porém vermelho, vermelho-gergelim, e preto e canela são preferidos.

- VERMELHO - Os vermelhos que são castanhos-amarelados ou mar¬rons, são faltosos de acordo com a graduação em que eles divergem da  cor vermelha desejável.

- VERMELHO-GERGELIM - A cor é vermelha com uma cobertura preta dispersa. Devem ser penalizados os vermelhos-gergelim que não a¬presentem uma  cor vermelha correta ou que tenham uma  cobertura de pelos pretos muito carregada.

- PRETO E CANELA - O preto não é preto retinto, mas um  matiz, muito ligeiramente, amarronzado devido ao sub-pelo castanho-amarelado. As marcas canela são as seguintes: pequenas manchas sobre os olhos, nas laterais do focinho e bochechas, no ante-peito, na parte final das pernas, e na parte inferior da cauda. As marcas canela ficam por entre o pelo de cor preta e as marcas brancas, e devem ser distintas. Se a cor canela se espalha para a testa, orelhas, ou nuca ou para a área das bochechas, é uma falta. E também, se o canela de outras áreas se espalha para muito longe, ou se a cor preta é desmaiada.

MANCHAS BRANCAS  

Manchas brancas devem estar nos lados do focinho (não se estendendo para a cana nasal), nas bochechas, na parte inferior da mandíbula, pescoço, no antepeito e estômago. As manchas brancas do antepeito podem se espalhar para mais longe até a junta do ombro, mas não devem se estender para baixo do ombro propriamente dito. As marcas brancas são permitidas (mas não exigidas) nas membros anteriores acima da junta do cotovelo, e nos posteriores acima da junta do joelho, assim como pequenas manchas sobre os olhos e na ponta da cauda. Nos Pretos e Canela as marcas canela ocorrem entre as áreas pretas da pelagem e as marcas brancas, com cada área de cor claramente definida.

 MOVIMENTAÇÃO 

Leve, fácil e ágil. O trote é suave, sem esforços, com bom alcance para a frente e extensão para trás. A trote, as pernas se inclinam em direção à linha central. O trote deve ser não apenas eficiente em si, mas indicativo de um ágil e incansável galopador. A linha superior deve permanecer em nível e firme. Na pista de exposição o Cão deverá ser movimentado com guia solta e  a trote, moderadamente, rápido.

TEMPERAMENTO 

Curioso, de boa natureza, esperto, ativo e ligeiramente reservado nos primeiros contatos. Possui um forte instinto de caça. Timidez ou agressividade, manifestas, são faltas capitais.

RESUMO 

É preferível que o SHIBA seja apresentado no estado natural, isto é, sem o corte (trimming) dos bigodes ou da pelagem e com os dedos rudimentares intactos. Entretanto o SHIBA não deverá ser penalizado se os bigodes e os dedos rudimentares forem removidos.

     O macho deverá ser substancialmente mais pesado e vigoroso do que a fêmea, mas não tanto a ponto de perder sua elegância ou aparentar ser grosseiro.

 DESQUALIFICAÇÕES

 •- Machos acima de  42 cm  na cernelha.

•- Fêmeas acima de 35,5 cm  na cernelha.

•- Retrognatismo ou prognatismo.

 

 

 

 

TIBETAN TERRIER

 

 

PADRÃO OFICIAL DO TIBETAN TERRIER

 

          O  TIBETAN TERRIER evoluiu durante muitos séculos, so¬brevivendo aos extremos climáticos e às dificuldades de terreno no Tibete. A raça desenvolveu uma dupla pelagem protetora, tamanho compacto, construção de pés única e grande agilidade. O  TIBETAN TERRIER  serviu como uma companhia  constante e devotada em todos os empreendimentos do seu dono.

APARÊNCIA GERAL  

O TIBETAN TERRIER é um Cão de tamanho médio, profusamente peludo, de construção poderosa e de proporções quadradas. Uma cortina de pelos cobre os olhos e o focinho. A cauda bem franjada curva-se para cima e cai para adiante sobre a linha superior. Os pés são grandes, chatos  e de formato redondo, produzindo um efeito de raquete de neve que propicia tração.  O TIBETAN TERRIER  é bem balanceado e capaz tanto de movimentos fortes, como eficientes. O TIBETAN TERRIER  é exposto o mais naturalmente possível.

CABEÇA

CRÂNIO - De comprimento médio, nem largo nem grosseiro. O compri¬mento - do olho até a ponta do nariz - é igual ao comprimento - do olho até o occipital. O crânio estreita-se ligeiramente das orelhas para os olhos. Ele não é abaulado nem também absolutamen¬te achatado entre as orelhas. A cabeça é bem provida de pelos longos, caindo sobre os olhos e o focinho.  Os arcos zigomáticos são arqueados, mas não tão  desenvolvidos a ponto de serem protuberantes.

FOCINHO - A mandíbula tem uma pequena quantidade de barba.

STOP - Há um stop marcado porém não exagerado.

NARIZ - Preto.

DENTES - Brancos, fortes e uniformemente colocados. Há uma curva distinta nas maxilas entre os caninos. Uma mordedura em tesoura cerrada, uma mordedura em tesoura invertida cerrada ou uma mordedura em torquês são, igualmente, aceitas. Um ligeiro prognatismo è aceitável.

OLHOS - Grandes, inseridos bem afastados, marrons-escuros e podem aparentar ser de cor preta. Nem proeminentes, nem afundados. O bordo das pálpebras é de cor escura.

ORELHAS - Pendentes, caindo não muito junto à cabeça, pesadamente franjadas, com o couro em formato de V, proporcional à cabeça.

FALTAS - Focinho fraco e pontudo. Qualquer outra cor de nariz que não preto. Mordedura com retrognatismo ou muito prógnata, boca torta.  Cabeça comprida e estreita. Falta da queda de pelos sobre os olhos ou focinho.

 PESCOÇO E CORPO

PESCOÇO  

Comprimento proporcional ao corpo e à cabeça.

CORPO  

Compacto, quadrado e forte, capaz tanto de velocidade como de resistência.

LINHA SUPERIOR  

Em movimentação a linha superior é em nível.

TÓRAX  

Pesadamente franjado. No TIBETAN TERRIER maduro, o esterno esten¬de-se para baixo até as pontas dos cotovelos.

COSTELAS - O corpo tem bom arqueamento das costelas e nunca é atarracado ou grosseiro. A caixa torácica, transversalmente, nunca é tão larga  e estreita-se ligeiramente para permitir aos an-teriores trabalhar livremente dos lados.

LOMBO - Ligeiramente arqueado.

CAUDA - De comprimento médio, pesadamente franjada, inserida ra¬zoavelmente no alto e caindo para a frente sobre a linha superior, podendo enrolar-se para qualquer lado. Pode haver um gancho próximo à ponta.

  ANTERIORES 

OMBROS - Inclinados, bem musculosos e situados bem para trás.

PERNAS - Retas e fortes quando vistas de frente. Pesadamente franjadas.  A distância vertical da cernelha ao cotovelo igual à distância do cotovelo ao chão.

PÉS  

Os pés do TIBETAN TERRIER são únicos na forma, entre os cães. Eles são grandes, chatos e de formato redondo, produzindo um e¬feito de raquete de neve (snowshoe) que produz tração. As almo¬fadas são espessas e fortes. Eles são fortemente providos de pelos entre os dedos e almofadas. Os pelos entre os dedos e as almofadas podem ser cortados (trimados) ao nível da superfície inferior das almofadas por razões de saúde. O Cão deve parar bem sobre seus pés.

QUINTOS DEDOS - Podem ser removidos.

POSTERIORES

PERNAS - Bem franjadas com joelhos bem dobrados, e os posteriores ligeiramente mais compridos do que os anteriores.

COXAS - Relativamente largas e bem musculosas.

JARRETES - Bem baixos e não se virando nem para dentro nem para fora.

PÉS - O mesmo que os anteriores.

QUINTOS DEDOS - Podem ser removidos.

PELAGEM  

Pelagem dupla. Sub-pelo macio e lanoso. Pelo externo é profuso e refinado porém nunca sedoso ou lanoso. Pode ser ondulado ou reto. O pelo é longo mas não deve pender até o chão. Quando parado sobre uma superfície dura uma área de luz deve ser vista embaixo do Cão. A pelagem dos filhotes é mais curto, simples e freqüentemente tem uma textura mais macia do que a dos adultos. Um repartido natural está freqüentemente presente sobre o pescoço e a linha superior.

FALTAS - Falta de pelagem dupla em adultos. Pelagens modeladas, cortadas com tesoura, arrancadas ou raspadas são totalmente contrárias à raça e constituem faltas sérias.

 COR  

Na raça são aceitas quaisquer cores ou combinação de cores incluindo o branco. Não há preferência de cor ou combinação de cores.

MOVIMENTAÇÃO  

O TIBETAN TERRIER tem uma propulsão livre e sem esforços com bom alcance na frente e flexibilidade no posterior tolerando plena extensão. Quando em movimentação as pernas de trás, não vão nem para dentro nem para fora das pernas da frente porém quando o Cão é movimentado em trote rápido, deve mover-se na mesma linha aproximando-se do rastro único (single-tracking). Um Cão com correta construção de pernas e pés move-se com elasticidade e impulsão indicando que o Cão é capaz de grande agilidade assim como de resistência.

 

TAMANHO  

A média de peso é de 10 a 12 kg (20 a 24 libras) porém o peso pode oscilar entre 9 e 15 kg (18 a 30 libras). A proporção do peso com a altura é muito mais importante do que o peso específico e deverá refletir um Cão quadrado bem balanceado. A média da altura nos machos é de 38 cm a 40,5 cm , fêmeas ligeira¬mente menores. O comprimento medido da ponta do ombro até a raiz da cauda é igual à altura medida do ponto mais alto da cernelha ao chão.

FALTAS - Qualquer altura acima de 43 cm  ou abaixo de 35,5 cm .

TEMPERAMENTO  

O TIBETAN TERRIER é altamente inteligente, sensível, leal, devo¬tado e afetuoso. A raça é precavida e reservada.

FALTA - Extrema timidez.

 

RELACIONADAS

Vamos Passear?

Cães de Caça a Tiro

Esquema de Vacinação

Padrões das Raças

Atendimento: 9h00 às 17h00
End: Av. Jabaquara, 301 - Sobreloja - Cep 04045-000- Mirandópolis - SP

Tel.: (11) 3256-0894 | 0800 - 113140 Whatzap 9 7803-2758
E-mail: acinologicadobrasil@gmail.com

Todos os direitos reservados: Associação Cinológica do Brasil

Desenvolvido por: